domingo, 22 de janeiro de 2012

Penhor ajudou famílias do Cuiabá

Tribuna de Petrópolis - 22/01/2012 - Última matéria

Reginaldo Castro da Silveira da agência Petrópolis da Caixa
Neste início de ano, quando as faturas do cartão de crédito referentes às compras de Natal e aos impostos, como IPTU e IPVA, fazem de janeiro um mês de muitas contas a pagar, é necessário também encontrar receitas para suprir estas despesas elevadas. Para não começar 2012 endividado, uma boa alternativa é penhorar joias, metais nobres, diamantes lapidados, pérolas, relógios, canetas e pratarias (estes três últimos originais e de valor significativo) para levantar um dinheiro extra. A Caixa Econômica Federal é a única instituição financeira com autorização para trabalhar com penhor de joias no Brasil.
As duas agências que funcionam no Centro trabalham com este serviço. A primeira a oferecê-lo foi a agência Imperial, dos números 149/153 da Rua do Imperador. O gerente geral, Petrônio Garcia, explica que o penhor foi acionado por famílias que tiveram prejuízos na tragédia do Vale do Cuiabá. “O penhor é muito utilizado nesta época do ano para cobrir despesas extraordinárias. Em 2011, o benefício concedido no penhor ajudou os clientes da Região Serrana que foram atingidos pelas chuvas, dentre outras ações, suspendemos o leilão por três meses para quem tinha contratos em atraso e suspendemos também a cobrança de encargos por até 90 dias contados a partir da decretação de situação de emergência e estado de calamidade pública”, informou ele.
A segunda foi a agência Petrópolis, na Rua do Imperador, 745. O serviço chegou lá em novembro, mas já fez o banco ter uma das maiores carteiras da região administrativa que engloba até Niterói. Com a sensação de insegurança que muitas pessoas proprietárias de objetos valiosos têm, o cofre da Caixa se apresenta como um lugar seguro para guardar estes objetos. E isto tem sido um item que pesa mais do que o valor do contrato na hora de fechar o penhor.
“Devido à situação que temos hoje, algumas pessoas se sentem muito visadas e acabam procurando o banco para guardar as joias mesmo. Estamos com o serviço funcionando plenamente há dois meses. Importante destacar que não precisa ser cliente da Caixa para fazer o penhor, que é um processo muito simples. Temos taxa diferenciada para o público de baixa renda e a avaliação é feita na hora. A pessoa já sai do banco com o dinheiro”, explica Reginaldo Castro da Silveira, gerente geral da agência.
Os documentos necessários para entrada no procedimento são a carteira de identidade, CPF e um comprovante de residência recente. A tarifa de baixa renda, mencionada pelo gerente, é denominada Micropenhor Caixa. É uma das linhas de crédito mais rápidas do mercado, sem burocracia e com baixa taxa de juros. O empréstimo é limitado a R$ 1.500 e é destinado exclusivamente a clientes que não possuam saldo médio em conta corrente ou aplicação financeira acima de R$ 3.000 em qualquer banco. Podem ser tomados créditos a partir de R$ 50.

Nenhum comentário:

Postar um comentário