quinta-feira, 17 de março de 2011

Chuva atrapalha o turismo

Tribuna de Petrópolis - 17/03/2011


No Palácio de Cristal, atividades culturais garantiram mais movimento

No aniversário de Petrópolis, uma das características mais marcantes da cidade esteve presente: a chuva. Com isso, o movimento nos principais pontos turísticos da cidade foi reduzido. Ao contrário de outros anos, quando muitos petropolitanos costumavam aproveitar a data para passear na cidade, locais como o Museu Casa de Santos Dumont e o Palácio de Cristal registraram poucas visitas.
O Palácio de Cristal, no entanto, ofereceu uma programação de shows que foi a grande atração do local nesse feriado. O Circuito Sesi Cultural chegou à cidade neste ano e, com um evento especial em comemoração aos 168 anos de Petrópolis, promoveu, além de um espetáculo com a Caravana do Circo pela manhã, dois shows: Sambas de Quinta com Letícia Azevedo, à tarde, e o Libertango, à noite.
“A expectativa é boa. É uma honra tocar aqui logo no aniversário da cidade. Estamos abrindo o evento do Sesi e é legal que eles deram oportunidade para as pessoas da cidade. Entramos em contato com a galera que já curte o nosso trabalho e através do Facebook tivemos um bom retorno”, disse Letícia Azevedo, antes do show na tarde de ontem.
O projeto completou 10 meses, já passou pelo Quissamã e agora está no Espaço Sandra’s (Avenida Tiradentes, 70 – Centro), próximo à Catedral, toda quinta-feira, às 20h. Vagner Souza, produtor do Circuito Sesi Cultural, falou sobre o evento: “Petrópolis entrou no circuito, que já acontecia em outros municípios, e terá 19 atrações nesse ano. A princípio, elas acontecerão no Theatro Dom Pedro e Palácio de Cristal, mas a intenção é ampliar o projeto, isto é, levá-lo para outros locais da cidade”.
Ontem, no Palácio de Cristal, tirando as atrações musicais, por volta das 13h, só uma equipe de TV estava no local, além do grupo que produzia o show de samba, que começaria às 15h. Havia também um palco montado do lado de fora do palácio. Dentro do local projetado no fim do século XIX havia ainda uma exposição com miniaturas dos principais pontos turísticos da cidade, como o Museu Imperial e o Theatro Dom Pedro.
Na Casa de Santos Dumont, não existia sequer fila na porta, como é costume haver nos principais feriados ao longo do ano. Nem a entrada franca conseguiu atrair os turistas para a casa onde viveu o Pai da Aviação. No museu, que funcionou durante todo o dia de ontem, o movimento reduzido de visitantes foi atípico para esta data. De acordo com funcionários da casa, em outros anos o 16 de março conseguia ser mais movimentado. Algumas pessoas ainda associam a pouca presença de turistas aos reflexos da tragédia das chuvas em janeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário