quinta-feira, 21 de julho de 2011

Orelhão tombado, mas ainda em uso no Valparaíso

Tribuna de Petrópolis - 20/07/2011



O orelhão, que aparentemente é mais uma sucata urbana, ainda é utilizado por moradores da Rua Rockfeller
Um orelhão tombado em frente ao número 463 da Rua Rockfeller, no bairro Valparaíso, tinha tudo para ser mais uma sucata urbana, mas ainda assim é utilizado pelos moradores do logradouro. O telefone público, em péssimo estado de conservação, está com a base apodrecendo e tombou sobre um muro. Além disso, inscrições de palavrões incomodam a população que ainda faz uso do orelhão.
“A maior parte das pessoas que mora nesse trecho da rua é formada por senhoras já de idade e que ainda fazem uso do orelhão. Tem uns 20 dias que ele está caído, e já acionamos a Oi, que ainda não veio fazer o conserto”, disse o morador Arnaldo Valero Filho. Além disso, orelhões que foram instalados na revitalização da Rua do Imperador entre os anos de 2007 e 2008 se encontram subutilizados. O mobiliário da principal rua da cidade, mesmo instalado há alguns anos, não tem orelhões funcionando em alguns pontos, sendo que cada mobiliário deveria receber dois telefones públicos, o que não acontece. A Oi, empresa responsável pela telefonia no Estado do Rio de Janeiro, informou que acionou sua equipe para providenciar o reparo dos orelhões citados pela reportagem no bairro Valparaíso, em Petrópolis.
Em relação aos orelhões localizados no Centro, a empresa esclarece que o mobiliário urbano implantado pela Prefeitura de Petrópolis não atende às especificações técnicas necessárias para instalação de aparelhos de telefones públicos. Por conta das novas cabines, os equipamentos ficam expostos ao tempo e sofrem danos em períodos de chuva. A Oi acrescenta que formalizou essa dificuldade à prefeitura do município e aguarda a proposta de solução.
A empresa acrescenta que nos seis primeiros meses de 2011 foram danificados por atos de vandalismo, em média, 14% dos 91,7 mil orelhões instalados no estado do Rio de Janeiro. No mesmo período, a companhia realizou a substituição de cerca de 250 campânulas dos orelhões por mês. A Oi recebe solicitações de reparo de consumidores e entidades públicas por meio do canal de atendimento 103 31.
As informações recebidas sobre orelhões danificados contribuem para que a empresa repare os danos provocados pelo vandalismo. Nos seis primeiros meses de 2011, a Oi atendeu a 99,8% dos pedidos de reparo de orelhões em até 8 horas. A companhia acrescenta que está de acordo com o Programa de Metas de Qualidade estabelecido pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Nenhum comentário:

Postar um comentário