terça-feira, 18 de outubro de 2011

Fórum de Saúde da Região Serrana vai sair do papel

Tribuna de Petrópolis - 18/10/2011

Nessa segunda-feira foi formalizada a criação do Fórum de Saúde da Região Serrana que reunirá os 16 municípios da localidade. O objetivo do fórum é aproximar os conselhos municipais de saúde e possibilitar a troca de experiências e problemas comuns, como a necessidade de implantação do Samu na região. Com a representação, os conselheiros pretendem fortalecer a Serra dentro do Estado do Rio e saber onde estão distribuídos os serviços e como e quanto as cidades pagam por eles.
A primeira reunião havia acontecido há 15 dias em Nova Friburgo. Ontem, oito conselhos estiveram representados na reunião realizada no auditório do DIP, ao lado do Hospital Municipal Dr. Nélson de Sá Earp. “A partir de agora vamos organizar uma reunião a cada dois meses nas cidades integrantes do fórum. Queremos descobrir os motivos que impedem a instalação do Samu, por exemplo. Sabemos que faltam alguns recursos, que os governos federal e estadual vão colocar ainda. Foi errado mandar as ambulâncias antes da verba. É um imbróglio criado pelo próprio Estado”, disse Carlos Henrique David, vice-presidente do Conselho Municipal de Saúde (ComSaúde).
Para os conselheiros, um fato que prejudicou o setor foi o engavetamento da Emenda Constitucional 29, que destina recursos para a saúde, assegurando os repasses mínimos para o financiamento das ações e serviços públicos na área. “O Estado poderia contribuir mais com o financiamento da saúde. Ficando ciente da realidade de cada município, poderemos cobrar”, acrescentou Carlos Henrique.
A conselheira de Nova Friburgo, Ilma Santos, explicou o motivo da sua cidade não integrar o Consórcio Intermunicipal de Saúde da Região Serrana – CIS-SERRA, criado em 17 de janeiro no rescaldo das chuvas de janeiro. “Nova Friburgo só vai entrar de vez no consórcio se houver uma participação efetiva do controle social. Tem municípios, por exemplo, que deveriam ser referência de atendimento em algumas áreas, mas o programa não está implementado ainda. Outros são até referência, mas não possuem os equipamentos necessários”, relatou ela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário