quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Metodista terá política diferenciada de preços

Tribuna de Petrópolis - 14/09/2011

José Válter Sanches e o pastor Elson Amaral Brum: decisão difícil
O presidente do conselho administrativo do Instituto Metodista de Petrópolis (Imep), José Válter Sanches Lopes, garantiu ontem que comunicou oficialmente ao prefeito Paulo Mustrangi, em reunião no último dia 6, a decisão de encerrar, em 2012, o convênio vigente nos últimos 30 anos com o governo municipal. A informação contradiz declarações do secretário municipal de Educação,  William Campos, que afirmou há dois dias à Tribuna, ter ficado sabendo da decisão por pais de alunos da escola. Atualmente 475 alunos do 2º ao 9º ano do Ensino Fundamental são beneficiados pela parceria.
Segundo ele, há algum tempo representantes da escola vinham sinalizando a vontade de torná-la 100% particular. “Queremos fazer isso sem prejudicar ninguém, mas é uma necessidade do momento. A instituição é independente na parte financeira, mas é ligada à igreja e chegamos a uma conclusão somente após muita oração. Traçaremos uma nova história como escola particular”, completou o pastor Elson Amaral Brum.
O fim do convênio deixou apreensivos os responsáveis pelos alunos que estão no Ensino Fundamental, que foram comunicados da decisão na sexta-feira. A preocupação do conselho do Imep foi fazer o anúncio antes do início do período de matrículas, para os pais se programarem. Hoje será definido um preço especial para aqueles que desejarem manter os seus filhos na escola.
“A escola permitiu que as famílias pudessem se organizar da melhor maneira possível e, assim, buscar outros locais antes do período de matrículas. Queria destacar que o prefeito deu apoio pessoalmente à questão, se solidarizando com os pais. Depois da reunião geral, na última sexta-feira, estou atendendo cada caso em particular. O Metodista tem um cuidado com as famílias, um carinho especial. Um ensino de qualidade pode ser encontrado em outros lugares, mas o nosso diferencial é a formação integral, com princípios e valores éticos”, afirmou a diretora Josiane Coelho Loureiro Rodrigues.
Para justificar as boas intenções da escola, José Válter citou uma passagem bíblica do livro dos Provérbios (Capítulo 22,6): “Ensina à criança o caminho que ela deve seguir, mesmo quando envelhecer, dele não se há de afastar”.
Com o superávit obtido no fim de cada ano, o Imep tem investido na infraestrutura e não envolve o dinheiro com as obras da igreja. O Imep também mantém uma creche no bairro Independência, onde atende 52 crianças.
“Temos os melhores índices do município no Ideb e, há anos, somos destaque nas Maratonas Escolares. Acreditamos numa formação integral”, enfatizou o presidente do conselho.
Segundo ele, o Termo de Ajuste de Conduta (TAC), proposto pelo Ministério Público no fim de 2010, foi assinado só pelo secretário William Campos. “Ele, depois, nos comunicou. O TAC exigia avaliação dos alunos, por meio de provas, para preenchimento das vagas, mas achamos que crianças de seis anos não podem ser submetidas a um vestibular, pode gerar traumas. O TAC caiu como uma bomba na nossa cabeça”, atestou ele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário