sábado, 17 de setembro de 2011

Apelo leva doadores ao banco de sangue do HST

Tribuna de Petrópolis - 16/09/2011

Há dois dias havia poucas bolsas de sangue no banco: poucos doadores
O apelo do Banco de Sangue do Hospital Santa Teresa para o comparecimento urgente de doadores, feito através de publicação da Tribuna de Petrópolis de ontem e pelo site do jornal nesses dois últimos dias, surtiu efeito. Ontem, 47 doadores se apresentaram e a expectativa é de que o número também seja grande hoje. Na quarta-feira, foram apenas 13 pessoas, número que seria ainda menor se não contasse com o apoio dos próprios funcionários.
“O retorno que tivemos através da reportagem da Tribuna foi muito significativo. As pessoas chegavam aqui e diziam que tinham visto a matéria e se interessaram em comparecer”, comemorou Elaine Baltar, responsável pela captação de doadores. Ela havia dito na quarta-feira que o banco de sangue, que atende 16 unidades hospitalares da região, poderia ter problemas se continuasse com o baixo número de doadores. Segundo ela, é preciso contar com 40 pessoas por dia.
“O estoque está baixo, quase em estado crítico. As pessoas não têm vindo doar. Em Petrópolis, só o SMH fica de fora, por ter um banco de sangue próprio. Cada cirurgia cardíaca feita aqui necessita de seis bolsas de sangue”, disse ela na ocasião. As matérias do banco de sangue ficaram entre as mais lidas do site e foram as que registraram maior número de comentários. Houve até o registro de pessoas que pretendem se organizar em suas empresas para levar um grupo de doadores, a exemplo do que a Comdep e a Guarda Municipal já fazem.
O banco fez uma campanha no mês de maio para aumentar o número de doadoras, mas não atingiu o objetivo. A maior parte dos cadastrados é formada por homens. Para quem ainda não tem o cadastro de doador, basta levar um documento com foto, ter entre 18 e 65 anos e pesar mais de 50kg. Eles esclarecem também alguns mitos sobre a doação.
O sangue não engrossa, nem afina. Doar não engorda e nem precisa fazer isso para a vida inteira, pois não vicia o corpo. Quem doa não pode ser contaminado. E após um ano da realização da tatuagem pode doar sangue. O banco funciona de segunda a sexta-feira, de 7h às 14h, e aos sábados de 7h às 11h. Mais informações pelo telefone 2245-2324. O endereço é Rua Paulino Afonso, 477.

Nenhum comentário:

Postar um comentário