quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Informações garantem recompensa

Tribuna de Petróólis - 01/12/2011

O advogado J. Rodrigues diz que é falsa a informação de que policiais estão intimidando moradores da região
A procura da polícia pelo produtor teatral e dono de uma pousada em Secretário, que é acusado de estuprar um adolescente de 13 anos no dia 10 de novembro, ganhou reforço: o Disque Denúncia já oferece R$ 2 mil a quem informar corretamente o paradeiro do homem, que é considerado foragido da Justiça. Um cartaz com a foto do empresário confirma a recompensa. O caso está sendo investigado pela 106ª DP, sob a coordenação do delegado Antônio Carlos de Almeida Rocha.
O homem acusado tem 57 anos e teve a prisão preventiva decretada pela 2ª Vara Criminal de Petrópolis na última semana. O crime aconteceu na noite do dia 10 de novembro, por volta das 21h. A vítima, um menino de 13 anos, contou em depoimento que foi mantido em cárcere privado por mais de uma hora sofrendo abuso sexual, o que foi comprovado no exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal.
A família do menor reside em frente à pousada, onde o padrasto e a mãe trabalham como caseiros. Desde então, a gerência da pousada contratou três policiais militares que fazem a segurança do local nos seus dias de folga. Os três homens pertencem ao 26º Batalhão de Polícia Militar e foram transferidos recentemente do Rio de Janeiro. A reclamação de moradores é que eles estariam utilizando armas de fogo para intimidar a vizinhança. O advogado J. Rodrigues, que defende o acusado, nega.
“Não existe, de forma alguma, essa situação. Não compactuo com isso. Os seguranças são para resguardar a propriedade que está sob ameaça de moradores da vizinhança. No entanto, essas pessoas estão confundindo a gerente como se fosse também proprietária. Ela é somente uma funcionária! A gerente fica um mês na pousada e uma semana na sua casa em Ribeirão Preto, em São Paulo. Ela voltou só no dia 12 e não teve contato pessoal com o dono”, explica o advogado.
A gerente da pousada relatou em seu depoimento na 106ª DP que tinha viajado para sua casa no dia 9 de novembro, véspera do crime. Dois dias depois recebeu uma ligação de outra funcionária pedindo que ela voltasse imediatamente para a pousada, pois o proprietário tinha viajado para resolver problemas familiares. Ela chegou no local no dia 12 e foi aí que tomou conhecimento do caso. A outra funcionária, que ligou para  a gerente, também em depoimento afirmou que chegou na pousada por volta das 9h30 do dia 11 e o suspeito já não se encontrava mais.
“Ele já está sofrendo uma acusação prévia. Não teve a oportunidade de se defender. Estamos em um estado de direito democrático e temos que esperar a resolução do processo legal e o parecer da Justiça. O meu cliente só vai se manifestar em juízo”, afirmou J. Rodrigues. O Disque Denúncia oferece uma recompensa de R$ 2 mil por informações que levem à prisão do suspeito. O anonimato é garantido. Mais informações no site http://www.procurados.org.br.

Nenhum comentário:

Postar um comentário