quinta-feira, 14 de abril de 2011

Clima de comoção em velório de jornalista

Tribuna de Petrópolis - 14/04/2011 - Reportagem de Carla Cavalcante


Marin Melquíades tinha 57 anos e morreu após um infarto

O jornalista e escritor Marin de Toledo Melquíades foi enterrado às 15h de ontem, no Cemitério da Saudade, em Juiz de Fora. Vítima de um infarto fulminante, ele morreu em casa, na terça-feira. Até às 10h30 de ontem, o velório aconteceu na Funerária Rui Ligeiro, onde, além de parentes, desde a noite anterior, centenas de amigos, entre personalidades e autoridades petropolitanas, compareceram para prestar a última homenagem ao editor do jornal Diário de Petrópolis. 
Marin nasceu em Juiz de Fora, em 12 de setembro de 1953. Formado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora, trabalhava desde 1974, tendo sido, talvez, o mais jovem jornalista a se tornar editor, pois com 21 anos já dirigia o jornal Folha da Mantiqueira.
Aos 23, assumiu a editoria do Diário da Tarde, órgão dos Diários Associados, cargo que ocupou por seis anos, se mudando para Petrópolis, para ser editor do Jornal de Petrópolis, em 1981. Em 82 passou para o Diário de Petrópolis, voltou para Juiz de Fora em 83 e retornou a Petrópolis em 84. 
Talvez o jornalista seja recordista como editor de um mesmo jornal, o Diário de Petrópolis, onde trabalhou por cerca de 20 anos. Marin criou vários jornais e boletins, entre eles o Jornal do Petrô, Boletim da Acirp, Boletim da CDL, Jornal da Sociedade Médica, Jornal do Comerciário, Jornal do Pescador e Com Textos.
Marin Melquiades também lançou o livro Jornalista Pescador Compulsivo, em 27 de setembro de 2009, e no mesmo dia assumiu uma vaga na Associação Petropolitana de Letras. Atualmente, o jornalista e escritor trabalhava em um segundo livro.

PS.: O Marín era editor do Diário de Petrópolis quando estagiei por lá. Apesar de algumas divergências, gratidão pela oportunidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário