segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Vagas que impulsionam área do Centro

Tribuna de Petrópolis - 06/02/2011

Única área do Centro Histórico que dispõe de boa oferta de vagas para estacionamento, a região próxima do Terminal vê aumentar o movimento
O estacionamento parece ser um ótimo negócio para investimentos em Petrópolis. No início da Rua do Imperador e adjacências, 22 estacionamentos concentram quase 1.700 vagas a preços populares. De R$ 1,50 a R$ 3, é possível parar por até uma hora nesses locais. E o valor mais barato acaba atraindo um público diferente para esta parte do Centro da cidade.
A farta oferta de vagas mudou até mesmo a economia na região, considerada até recentemente o “lado pobre” do Centro.
“Hoje atendo todo tipo de público, de classes diferentes. Devido ao preço abusivo dos estacionamentos em outros locais, muita gente tem preferido consumir aqui ”, disse Marquinho, que tem um salão de beleza na Galeria Vila Rica, na Rua Paulo Barbosa.
As ruas do Imperador, Paulo Barbosa, Joaquim Moreira, Visconde de Souza Franco, Buenos Aires, Silva Jardim, Dr. Porciúncula, Benjamim Constant e Praça da Inconfidência são os locais de estacionamentos particulares nessa região do Centro. Em nove locais diferentes, a Paulo Barbosa contabiliza quase 900 vagas. Alguns prédios, no entanto, só funcionam provisoriamente como estacionamento, enquanto os proprietários decidem qual destino será dado à construção.
Entre gastos com aluguel de imóvel, encargos trabalhistas, IPTU, água, luz, telefone, honorários do contador e outros gastos, os estacionamentos podem ter uma despesa de até 14 mil reais. Uma parte da receita que acaba quitando as contas vem dos mensalistas, que efetuam o pagamento do mês em que ainda vão utilizar o serviço. Por isso, ao perder um cliente considerado fiel, os empresários se lamentam.
“Quando o cliente aluga uma vaga, ele quer sempre encontrá-la disponível. Sendo assim, após a UCP proibir a entrada de automóveis dos alunos, acabei ganhando novos clientes, mas perdi umas 20 vagas mensais de pessoas que encontravam o espaço cheio, principalmente à noite. Agora investimos no período. Qualquer pessoa paga R$ 5 de 7h às 12h30 e de 17h às 22h30”, declarou Dinester de Castro e Silva, dono de estacionamento.
Como o público universitário se constitui em boa parte dos clientes para o empresário, é preciso fazer um bom planejamento para que o período das férias não seja de prejuízos. “Eu me planejo para o período das férias. Os mensalistas pagam a minha despesa, já o rotativo e a lavagem dos carros é que dão lucro pra mim. Faço as contas certas para ficar tranquilo neste período”, completou Dinester.

Reurbanização em análise na Paulo Barbosa

Responsável pela construção de muitos imóveis pela cidade, integrantes da família Simão têm alguns destes estacionamentos entre seus bens, mesmo que os prédios possam receber um outro destino futuramente. Na Paulo Barbosa, número 130, uma loja está em negociação para se mudar para o local. Já no número 256 da mesma rua, o primeiro andar da construção deve receber 10 lojas. O governo planeja reestruturar a Paulo Barbosa, projeto que ainda está em estudo.
“Há um plano de remodelamento da Paulo Barbosa. Estamos acompanhando o projeto e esperamos uma posição da Prefeitura para que as negociações com as lojas possam seguir. Não seria interessante inaugurar os estabelecimentos antes da via passar por uma intervenção”, declarou Breno Simão, um dos sócios de empresa de construções.
O abrigo de ônibus Oscar Weinschenck, em frente à obra, deve ser realocado. A assessoria de comunicação do governo municipal informa que a Secretaria de Planejamento ainda está analisando a área. A secretaria ainda esclarece que já foi implantado o projeto de adaptação do abrigo de ônibus e afirma que a Paulo Barbosa precisa de uma organização melhor do espaço. A obra vai beneficiar comerciantes, moradores e pedestres, fazendo com que as pessoas tenham um ambiente visualmente melhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário