terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Movimento já melhorou no Museu

Tribuna de Petrópolis - 30/01/2011

A Região Serrana ainda sofre os efeitos da tragédia ocorrida há mais de duas semanas. As cidades de Teresópolis e Nova Friburgo foram as mais atingidas e em Petrópolis o desastre afetou principalmente as regiões do Vale do Cuiabá e Brejal. De acordo com os turistas que chegam à cidade vindos de várias partes do país, a impressão era de que o Centro Histórico também tinha sido destruído.
“O movimento está fraco e isso é muito ruim para as pessoas que, assim como eu, dependem do turismo para trabalhar. Os turistas reclamam que a situação de Petrópolis não ficou muito clara, pois pelo que acompanham no noticiário, parece que o Centro da cidade também foi afetado”, disse Jamil Anatanagibe, relações públicas de um restaurante.
O Museu Imperial, principal ponto turístico da cidade, registrou uma forte queda no movimento, mas vem se recuperando. Em um sábado da alta temporada, o Museu costuma atrair cerca de dois mil visitantes, mas nas duas últimas semanas somente 190 e 450 pessoas nos dias 15 e 22, respectivamente, estiveram na antiga residência de Dom Pedro II.
Na última semana, o movimento no Museu Imperial aumentou cerca de 50%. Segundo os funcionários, a campanha da troca do ingresso por donativos tem dado certo e mobilizado petropolitanos e cariocas principalmente. A maior quantidade de doações é de mais água e produtos de limpeza.
“A notícia da tragédia passou para nós o grande sofrimento da população das cidades atingidas. Já planejava esta viagem e pensei nos problemas que poderia encontrar na estrada. Felizmente, foi tudo tranquilo”, disse o odontologista Enéas Gonçalves Sá, de Pindaré Mirim, no Maranhão.
Em 2010, o Museu Imperial alcançou o recorde de público dos últimos 23 anos e recebeu 331.347 visitantes, sendo que mais de 70 mil eram integrantes de grupos escolares. O número engloba visitantes em geral e o público dos eventos Um Sarau Imperial e Som e Luz. A instituição lembra que a média diária é de mil visitas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário