terça-feira, 31 de maio de 2011

Policiais militares recebem homenagem por serviços prestados à população

Tribuna de Petrópolis - 31/05/2011


O tenente coronel André Vidal anunciou os nomes dos policiais militares que mais se destacaram no serviço

O 26º Batalhão de Polícia Militar homenageou ontem os policiais que mais se destacaram nas operações nos meses de março e abril deste ano. Os 24 militares premiados receberam diplomas pelos bons serviços prestados no segundo bimestre de 2011. Outras oito autoridades e representantes da sociedade civil também receberam prêmios, pois colaboraram com a Polícia para a redução dos índices de criminalidade. Um deles foi Francisco de Orleans e Bragança, diretor da Tribuna de Petrópolis. A cerimônia foi realizada na tarde de ontem, no Palácio de Cristal, e contou ainda com a presença da Companhia de Músicos da Polícia Militar.
O capitão Silvio, os sargentos Cruz e Fliess e os cabos Pires, Meirelles e Wendel participaram de uma operação na comunidade Oswaldo Cruz, conhecida também como Canto do Cemitério, em 17 de março, após receber uma denúncia anônima. Eles prenderam cinco traficantes e encontraram também farto material: 70 pedras de crack, 60 cápsulas de cocaína, um rádio-transmissor, quatro celulares e R$ 210 em espécie. Francisco de Orleans e Bragança, diretor do Grupo Tribuna, entregou o diploma ao capitão Silvio.
O tenente Ivanildo, o sargento Reginaldo e os cabos Everaldo, Caetano e Marco apreenderam 1,8kg de cocaína em uma operação no distrito da Posse, além de 62 papelotes da mesma droga. A ação aconteceu no dia 3 de março. Os policiais receberam uma denúncia de tráfico de entorpecentes e se dirigiram ao local para realizar as buscas. Acabaram prendendo um traficante que tinha na residência uma moto de propriedade de um homem também envolvido com a atividade  ilegal do tráfico.
Os sargentos Mello e Emerson, os cabo Fraga e Wendling e o soldado Bispo estavam escalados no serviço do Destacamento de Polícia Ostensiva (DPO) de Pedro do Rio em 9 de abril. Eles cuidaram do caso do sequestro relâmpago que vitimou um casal que estava no motel Fujiama. Ainda dentro do motel, o casal foi abordado por marginais e estes conduziram o veículo até a BR-040, onde colidiram com uma mureta. Os policiais detiveram quatro homens que participaram do ato. 
Já o subtenente Josias e os sargentos Carrari, e Sabino desempenharam com destaque as suas funções nas atividades internas do batalhão. Todos eles têm mais de 20 anos na corporação e foram também premiados. As unidades móveis de trânsito, através dos subtenentes Barroso e Moreira e dos sargentos Claiton e Paiva, foram também homenageadas. Desde que o tenente coronel André Luís Araújo Vidal assumiu o 26ºBPM, o policiamento de trânsito ganhou maior atenção. Foram 405 motos apreendidas, 557 multas emitidas e 24 carteiras de habilitação retidas.

Saiba quem foi premiado


Policiais militares:

Capitão Silvio Luiz Antônio da Silva
1º Sargento Ronaldo Cruz da Fonseca
2º Sargento Marcelo de Melo Fliess
Cabo PM Marcio Pires da Fonseca
Cabo PM Reinaldo Meirelles de Sá
Cabo PM Wendel da Silva Figueiredo
2º Tenente Ivanildo de Azevedo Oliveira
2º Sargento Reginaldo Rodrigues da Costa
Cabo PM Everaldo Pinto
Cabo PM Carlos Eduardo Caetano
Cabo PM Marco Antônio Pereira Mendes
3º Sargento Alessandro de Mello Amaral
3º Sargento Emerson da Paixão Rodrigues
Cabo PM Marcio Portugal Fraga
Cabo PM Fábio Luiz Miranda Wendling
Soldado PM Jorge Luiz Bispo dos Santos
Subtenente Josias Luciano Barreto
1º Sargento João Batista Carrari
1º Sargento José Silva
2º Sargento Edvaldo Sabino de Souza
Subtenente Paulo Ricardo Cordeiro Barroso
Subtenente Sérgio Luis Pinto Moreira
2º Sargento Claiton Jorge Ferreira Roza
2º Sargento Luis Carlos Chaves de Paiva

Autoridades civis e militares premiadas:

Dom Francisco de Orleans e Bragança – diretor da Tribuna de Petrópolis
Marcello Braga Maia – delegado titular da 105ªDP
Antônio Carlos de Almeida Rocha – delegado titular da 106ªDP
Coronel Serra – proprietário do Hotel Pedra Bonita
Hélio Moura – secretário municipal de Segurança Pública
Augusto César – diretor da Petro Ita
Luiz Carlos da Costa – diretor operacional da Comdep
Pedro Paulo Troyack Filho – gerente de Programação Cultural da Fundação de Cultura e Turismo

Festa beneficente lembra personalidades da cidade

Tribuna de Petrópolis - 31/05/2011


A Associação Filantrópica de Petrópolis (Afipe) fez na última sexta-feira a entrega do prêmio Gente Que Faz, no Theatro D. Pedro. A tradicional entidade realizou a terceira edição da festa beneficente e homenageou 37 personalidades da sociedade petropolitana. A renda do evento será revertida para a compra de cobertores, que ajudarão crianças e idosos carentes de todo o município em um inverno que promete ser rigoroso. Miriam Falconi, presidente da associação, comemorou a oportunidade de realizar a premiação, o que não ocorreu no ano passado.
“São 45 anos de luta. Sou presidente da Afipe desde o ano passado e hoje contamos com 13 pessoas entre os associados, número que já foi bem maior. Quem foi homenageado é por realizar um trabalho bonito na cidade”, disse a presidente. Marilu Cruzick Maciel, vice-presidente, destacou que a festa foi excelente. A abertura foi feita pelas Meninas Cantoras de Petrópolis, que teve o maestro Marco Aurélio Xavier entre os homenageados da noite. A banda do 32º Batalhão de Infantaria Motorizado fechou a cerimônia.
Também foram homenageados Francisco de Orleans e Bragança, diretor da Tribuna de Petrópolis; o jornalista Rogério Tosta; padre Jac, pároco da Catedral; frei Moser, que está à frente do Terra Santa e da Editora Vozes; a irmã Irma, da Creche São José do Itamarati; Souvenir Barros Alves de Oliveira, gerente da Apae; vereador Paulo Igor, presidente da Câmara Municipal; Maurício Vicente Ferreira Júnior, diretor do Museu Imperial; e Miriam Dauelsberg, da Dell’Art. 
Durante a festa, foi feita uma homenagem a pessoas que já faleceram mas antes prestaram relevante serviço ao povo de Petrópolis.  O destaque ficou para o maestro Wolney Aguiar, o professor Ernani Pinto Ferreira, o médico e político Nelson Sá Earp, o médico Jorge Machado e o jornalista Wilson Carneiro Malta. O professor Carlos Alberto Werneck, criador da escola que levou seu nome, teve destaque especial nesta edição do prêmio.

domingo, 29 de maio de 2011

Quem manda na língua?

Tribuna de Petrópolis - 29/05/2011 - Artigo de Silvia Rodrigues Vieira, professora da UFRJ 

É vergonhosa a cobertura que boa parte dos meios de comunicação de massa tem dado à notícia de que haveria um livro didático de Português (Por uma vida melhor, de Heloísa Ramos) que proporia ensinar erros linguísticos aos alunos brasileiros. Vergonhosa, porque fere três princípios que a sociedade brasileira espera devam ser pilares básicos dos canais de informação: credibilidade, cientificidade e “imparcialidade possível”, princípios que devem vir conjugados a um propósito maior, humanista, o da boa fé.
Primeiramente, a maioria das informações veiculadas não é verdadeira. Basta uma leitura da obra, atenta ou desatenta, para perceber que muitos críticos do livro didático não o leram; houve tão-somente uma reação inflamada a um trecho, propositalmente descontextualizado. A verdade é que o livro propõe, explicitamente, que “a escola deve se preocupar em apresentar a norma culta aos estudantes, para que eles tenham mais uma variedade à sua disposição, a fim de empregá-la quando for necessário.” – o que se confirma nas atividades de treinamento do padrão culto escrito. Do exposto, fica óbvio: a credibilidade das notícias foi flagrantemente abalada.
Em segundo lugar, as notícias confundem os leitores, porque eivadas de afirmações sem qualquer respaldo científico. Isto porque, na maioria dos casos, não contaram com a opinião dos especialistas no assunto, que poderiam ser bem representados pela Associação Brasileira de Linguística. É certo que a língua, maior expressão de identidade cultural, interessa a todos, especialistas ou não no assunto, o que não implica que todos tenham informações suficientes para avaliar cientificamente fatos de natureza sociolinguística. Há que se respeitar o enorme cabedal de informações desenvolvidas em projetos de pesquisa em todo o país.
Por último, e não menos importante, foi flagrante, em alguns meios de comunicação, o ataque desmesurado ao livro didático. Somente após a divulgação irrestrita de opiniões contrárias à proposta do livro, com pequenos excertos de fala oposta à do jornal, surgiram alguns textos em defesa da proposta didática em questão. Apenas para ilustrar o que se afirma aqui, verificou-se que, em jornal de grande circulação no Rio de Janeiro, de todas as cartas de leitor publicadas, apenas duas defenderam a obra (uma delas re-encaminhada pela leitora, minha amiga, com a queixa de que o veículo não tinha publicado qualquer carta em defesa do livro didático).
Na qualidade de sociolinguista e apaixonada pela variação linguística, tenho, por obrigação de ofício, que esclarecer aos leitores parte do ocorrido: o trecho da obra em questão só causou o intenso rebuliço – sem falar em velados interesses políticos e econômicos – porque enfoca a falta de concordância, variante altamente estigmatizada em termos sociais. Alguém se surpreenderia se constasse de um livro didático resposta afirmativa à pergunta: Posso falar “me empresta”, em vez de “empresta-me”; “encontro ele todos os dias”, em vez de “encontro-o todos os dias”; “a gente analisa ou analisa-se amostras”, em vez de “analisam-se amostras”; “ele se encontraria com o professor”, em vez de “ele encontrar-se-ia com o professor”? Responderia o material didático: “Claro que pode. Ainda assim, preste atenção ao contexto (modalidade oral ou escrita; texto formal ou informal) em que você está utilizando essas variantes.” Fica, então, a reflexão: por que a estrutura “me dá”, por exemplo, seria “menos errada” do que “os livro”, variantes comprovadamente praticadas pela maioria da população brasileira?
Na realidade, a variação linguística é julgada adequada ou inadequada, e é muito bem aceita por escritores, professores, jornalistas, donos da língua de plantão, quando ela pertence ao conjunto de “normas de uso” que seria por eles praticado. Quando se trata de regras normalmente associadas à fala dos menos favorecidos economicamente, a variação é “feia, deplorável, grave” (Imaginem que um leitor de jornal equiparou a falta de concordância aos atos de matar e roubar!), juízos de valor tendenciosos e lamentavelmente nada, nada científicos. É preciso assumir, com boa-fé e de coração, na academia, na escola, em casa, e em qualquer circunstância, que o que existe, em matéria de usos linguísticos, é uma pluralidade de variedades e normas – normas populares, normas cultas, no plural, no tão desejável plural. Em última instância, refazer as posições ideológicas acerca da linguagem e de seus usos é condição sine qua non para “uma vida bem melhor”.

Gabriel volta à China para nova etapa de tratamento

Tribuna de Petrópolis - 29/05/2011

Gabriel: progressos evidentes estimularam novo tratamento na China
Gabriel Thompson Schanuel Bastos. Talvez o nome não lhe venha facilmente à cabeça, mas se disser que é o menino que foi à China em busca de tratamento com células-tronco em 2010 seja mais fácil de lembrar. Agora, Gabriel e os seus pais, Márcia e Silvio, iniciam a campanha para uma nova etapa do tratamento. Em setembro, eles querem voltar ao país asiático e, para isso, precisam arrecadar R$ 110 mil. Serão realizados bingos, jantares e shows para se chegar ao valor pretendido.
Nesta nova empreitada, uma barraca no calçadão do Cenip está sendo montada todos os sábados. Márcia disse que em vez de só pedir dinheiro, eles têm recebido muitas doações, de tortas a roupas e bijuetrias. Com isso, acabam vendendo os produtos e aumentam aos poucos o valor arrecadado na campanha. Porém, para que a investida tenha sucesso, é necessário fazer também grandes ações. O grupo de pagode Puro Pecado já abraçou a causa e vai realizar um show beneficente em julho.
Gabriel, de 12 anos, teve paralisia cerebral devido à falta de oxigenação no parto. Em setembro de 2010, ele passou por nove aplicações de células-tronco. A mesma quantidade será  empregada agora. “São células-tronco retiradas do cordão umbilical de crianças chinesas e selecionadas especialmente para o tratamento. Destas nove aplicações, seis são feitas diretamente na médula óssea. É um procedimento que ainda não é permitido no Brasil, mas já está sendo estudado” explicou.
Serão 45 dias na China, 20 de descanso em Petrópolis e mais 30 dias em Recife, onde uma clínica chinesa tem atuação. “Se voltarmos até setembro, consigo um desconto oferecido pelos chineses. Com a economia, poderemos fazer uma parte do processo em Recife”, disse a mãe. Gabriel, que tem uma irmã mais nova, é acompanhado diariamente por Gilda, que ajuda a cuidar dele. “As mãos dele estão menos atrofiadas. Gabriel controla mais os movimentos do pescoço. Cresceu, engordou, ganhou massa muscular. E o mais importante é que ele está com uma melhor qualidade de vida”, declarou Márcia.
A família foi despertada para a possibilidade de tratamento através de uma reportagem de televisão em 2009. A primeira grande campanha em Petrópolis, realizada no mesmo ano, foi da menina Maria Júlia Lepsch Bull Massi Leão, que hoje tem 5 anos. “Ela está evoluindo com sucesso, já está bem mais esperta. A parte cognitiva está bem melhor e ela já consegue se expressar”, diz o pai da menina.

Clube Musical Euterpe chega aos 110 anos e comemora a data com festa

Tribuna de Petrópolis - 28/05/2011

A comemoração do aniversário do clube foi celebrada com festa só para convidados, na sede, no Alto da Serra
Tradicionais e com presença marcante nas festas populares, as bandas musicais não se deixam levar pelas constantes mudanças do tempo. Uma centenária instituição de Petrópolis comemorou ontem 110 anos de criação e ainda realiza suas retretas (nome dado às exibições pela cidade). É o Clube Musical Euterpe, uma das mais antigas bandas do Estado do Rio de Janeiro, sediado no Alto da Serra. Para marcar a data, o clube realizou uma festa fechada para os músicos e seus familiares, além de convidados, na noite de ontem. A própria banda animou a festividade.
Aniceto Romão de Moraes Machado é o atual presidente do clube. Ele é músico da banda desde 1948. “Hoje, infelizmente, o governo municipal não ajuda muito, e sei que temos direito a uma verba federal para auxiliar nas despesas. Só que ela não tem sido repassada. Bandas de outros municípios já contam com os recursos. Fazemos bailes para angariar fundos e poder sustentar a banda. Os músicos não recebem salário, mas pagamos a passagem nos dias de ensaio e dividimos o pagamento das apresentações”, explicou Aniceto.
Há 15 anos como presidente administrativo, ele organiza os ensaios semanais da banda toda quinta-feira, entre 19h30 e 21h. Os 35 músicos, com gente dos 17 aos 88 anos, são regidos pelo professor Fabiano Maciel. Para quem quiser ingressar no seleto grupo de instrumentistas, durante toda a semana são oferecidas aulas de música: de segunda a sexta-feira, das 9h às 11h e de 17h às 19h. Um dos frutos do Euterpe é o arranjador, compositor, produtor musical e trombonista Vittor Santos.
O diretor Aniceto Machado lembra que as aulas não funcionam como um curso e são ministradas somente para os interessados em fazer parte do centenário conjunto. Quem quiser obter mais informações pode ligar para o clube: 2247-1580. O Euterpe fica na Rua Teresa, 1348, no Alto da Serra. Todo primeiro domingo do mês, a banda se apresenta na praça Luiz Furtado da Rosa, em Corrêas, entre 10h e 12h.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Dez anos do Gol de Pet

Gol do Pet: Corrida para um gol histórico


Onde você estava e o que fazia na tarde do dia 27 de maio de 2001? A frase utilizada para marcar ocasiões históricas serve bem para este momento. Há exatamente 10 anos, o sérvio Dejan Petkovic escreveu seu nome na história do Flamengo com um golaço de falta. E não foi só um golzinho qualquer. A cobrança perfeita no ângulo esquerdo da meta vascaína de Hélton garantiu o Campeonato Carioca daquele ano e o quarto Tricampeonato da Gávea. A conquista emocionou, marcou e encantou uma geração de rubro-negros. Só quem viveu sabe.
Era o terceiro confronto Flamengo x Vasco no intervalo de 14 dias. No primeiro, 13 de maio, os times se enfrentaram com o Vasco já campeão da Taça Rio e classificado para a final. O Flamengo havia vencido a Taça Guanabara em cima do Fluminense em uma histórica cobrança de pênaltis, com gol espírita do lateral-esquerdo Cássio sobre o tricolor Murilo. Foi 0 x 0 este jogo. Serviu também para colocar reservas e algumas promessas em atividade. O jovem Nélio era o destaque da época.
Já em 20 de maio aconteceu o primeiro jogo da final do Carioca. É bom lembrar que o Vasco tinha um timaço, que havia sido campeão brasileiro e da Mercosul no ano anterior. Ganhar de rivais assim valoriza ainda mais o título. Mas não foi isso que aconteceu nessa partida. O time da Cruz de Malta saiu na frente da decisão e ganhou por 2 x 1. O gol rubro-negro foi de Pet.
Então, na finalíssima de 27 de maio, o Flamengo entrava mais uma vez em desvantagem e precisava vencer por dois gols de diferença. Na final é que o time se supera e faz de tudo para conseguir o almejado caneco. Em um primeiro tempo tenso, deu 1 x 1 no placar, com gols de Edílson, de pênalti, e do vascaíno Juninho Paulista empatando. No início da segunda etapa, o Capetinha fez de cabeça o segundo gol, que colocava o Flamengo novamente na frente e fazia dele o artilheiro do Carioca com 16 gols. Após muita pressão, uma falta cometida por Fabiano Eller em Edílson era a grande chance de gol.



Era longe, distante mesmo. Era o tipo de cobrança para quem gosta de chutar forte, como o atual meia Renato Abreu. Mas Petkovic pegou a bola e sabia que era a sua grande chance. A Nação sabia. Zagallo rezava. Aos vascaínos só restava secar. Magistralmente e iluminado pela mesma camisa 10 de Zico, a batida de longe não foi com força, mas como todo o carinho necessário para ir ao gol adversário. Não foi falha de Hélton, que se tornou um grande goleiro do Porto. Foi gol, foi mágica, foi Pet. A comemoração que rendeu algumas dores lombares ao sérvio demonstra o momento. Era se jogar, se lançar aos braços do povo.
Naquela hora nem vi a comemoração. Sai gritando ao ponto de me debruçar na janela da sala da minha casa, no 2° andar. Foi uma verdadeira catarse. Uma explosão de alegria. Flamengo campeão, Flamengo Tricampeão, Vasco Vice, Pet Eterno. Dedico este texto ao meu falecido tio Antônio que via o jogo comigo naquele dia e ainda me levou ao Centro de Petrópolis para ver a festa rubro-negra.  Foi a minha maior emoção no futebol.

Também no Papo com o Pissurno no Futnet e no Blog do Pissurno
Twitter – @LeonniPissurno

Polícia apreende cápsulas de cocaína na Serra Velha

Tribuna de Petrópolis - 27/05/2011

A droga estava com duas pessoas, em ônibus que chegavam à cidade
Na tarde de ontem, agentes do Serviço Reservado da PM realizaram operação na Serra Velha, motivados por uma denúncia anônima. A informação dava conta do transporte de entorpecentes por um traficante do Bingen, de 24 anos. Na operação, acabaram chegando antes a outra pessoa, que também trazia drogas do Rio de Janeiro. Nesse primeiro ônibus, um traficante do Caxambu, de 29 anos, foi detido junto com 65 cápsulas de cocaína, às 15h45. Logo depois, às 16h, o traficante alvo da denúncia já era esperado perto do Alto da Serra e foi levado à delegacia com 24 cápsulas da mesma droga. Cinco agentes participaram da operação.
O traficante do Caxambu já teve três passagens pela Polícia. De acordo com os agentes, o comando do 26º Batalhão, através do tenente-coronel André Vidal, determinou um incessante combate ao tráfico da cidade. “Diminuindo o tráfico de drogas, acaba caindo também o índice de criminalidade. O tráfico é vinculado a roubos e outros crimes”, disse um dos policiais que participaram das apreensões ontem.

Deficientes recebem mais 12 cadeiras de rodas

Tribuna de Petrópolis - 27/05/2011

A Associação Pró-Deficiente conseguiu a doação de mais 12 cadeiras de rodas para deficientes da cidade. As cadeiras, sendo duas adaptadas para banho, foram repassadas pela Associação Fluminense de Reabilitação (AFR). O acordo firmado entre a Pró-Deficiente e a Secretaria de Trabalho, Assistência Social e Cidadania (Setrac) possibilitou a entrega, realizada ontem, no auditório da Setrac, no centro de Petrópolis. Desde o início da parceria com a AFR, em setembro de 2010, 137 cadeiras foram doadas.
“Quem ganha com a parceria das três instituições – Pró-Deficiente, AFR e Setrac – são os próprios deficientes. No momento, não existe fila de espera para entrega de cadeiras, o que tem sido feito a cada 15 dias. Contamos com a ajuda da imprensa petropolitana para a divulgação. Quem tiver dificuldades, deve vir nos procurar”, explicou Marcelo Silveira, presidente da Pró-Deficiente. As famílias contempladas com as doações ontem haviam procurado ajuda da Setrac recentemente.
Marcelo destacou que a associação tem conseguido apoio para importantes conquistas no município, como o aumento de número de ônibus adaptados – 15 veículos da Cascatinha, Cidade das Hortênsias e Petro Ita. Ele ainda comemora as vagas obtidas no mercado de trabalho local. Agora, quer atender mais famílias da cidade que precisam de cadeira de rodas. É o caso de Margareth Carneiro Alves.
Ela ficou sabendo do trabalho de Marcelo por acaso e entrou em contato para conseguir uma cadeira para o seu filho Samuel, de 26 anos. Ele tinha sérias crises nervosas e fez uma cirurgia para corrigir este problema. O procedimento acabou afetando o movimento das pernas, que ficaram paralisadas. “Fui atendida rapidamente. Hoje posso vir à cidade, passear no shopping, ir ao Parque Cremerie. Meu filho, com isso, ficou menos ansioso, pois agora possui atividades”, declarou Margareth.
Ela ficou tão feliz com a melhora de seu filho que fez questão de espalhar a notícia para os seus vizinhos em Cascatinha. Uma vizinha, que tem uma filha especial, e uma outra, que o pai quebrou o fêmur, foram também atendidas. “São muitos gastos para manter um deficiente sob cuidados especiais, por isso que toda ajuda é importante, facilita demais”, disse Margareth, que conta ainda com o auxílio da irmã e de uma amiga.
De acordo com Marcelo Silveira, a doação de cadeiras já possui até uma modelo: é Júlia Freitas Werneck de Carvalho, de 16 anos. Ela tem hidrocefalia e lesão na médula. Júlia foi a primeira a ser contemplada com uma cadeira de rodas dessa parceria. “É uma cadeira eficaz, confortável, de boa qualidade, e sai sem custo nenhum. Ainda temos gastos com medicamentos, fralda e sonda. A doação ajuda muito”, disse Maria Conceição, tia e responsável da menina.
Marcelo Silveira comentou também a possibilidade da instalação de uma unidade da AFR em Petrópolis, que depende ainda de acerto com o governo municipal. Telmo Hoelz, administrador da associação sediada em Niterói, disse que existe um projeto da Secretaria de Estado de Saúde para ampliar as unidades de reabilitação, mas nenhum convênio ainda foi tratado com a prefeitura  municipal.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Merenda escolar produzida em Petrópolis

Tribuna de Petrópolis - 26/05/2011


Em frente ao Parque Municipal, autoridades se reuniram com produtores para anunciar as novidades: governo vai dobrar volume de compra para merenda

A Prefeitura de Petrópolis ampliou o convênio com a Associação de Produtores de Hortifrutigranjeiros do Estado do Rio de Janeiro (Apherj). Anunciada no início da tarde de ontem, na Subprefeitura de Itaipava, a ampliação segue o que foi disposto na Lei 11.947/2009. A legislação federal determina que, do total dos recursos financeiros repassados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para execução do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), 30% deve ser utilizado para a aquisição de alimentos provenientes da agricultura familiar. Somente agora o município conseguiu cumprir o dispositivo.
“Até muito pouco tempo, ouvia-se dizer que a cidade de Petrópolis não tinha agricultura expressiva. Mas não é o que se vê agora. Todos os órgãos  estão trabalhando na mesma direção para valorizar a agricultura. Temos avanços na comercialização e contamos também com o apoio fundamental da prefeitura  na logística da merenda escolar. A classe de produtores tem ainda muitas ideias e bastante coisa para evoluir. Uma equipe muito boa está com o mesmo objetivo”, declarou Paulo Aguinaga, da diretoria da Apherj.
O convênio vai dar suporte ao agricultor familiar na execução da logística de entrega de legumes e verduras para a merenda escolar. Essa medida vai fazer com que os produtores rurais, que são fornecedores da rede municipal de ensino, possam dobrar a sua produção. “Depois de realizar o nosso censo do setor agrícola, constatamos dois problemas principais: escoamento da produção e comercialização. O primeiro resolvemos em parceria com o estado, o segundo está sendo acompanhado de uma série de medidas, e uma delas é o fomento à merenda escolar”, disse Charles Rossi, secretário de Ciência e Tecnologia, Desenvolvimento Econômico e Agricultura.
Rossi disse também que este tipo de ação vem para completar as lutas que ele travava na pasta quando assumiu o mesmo posto durante o governo Leandro Sampaio. Os produtores rurais vão atender 183 escolas do município e, com isso, ajudar a melhorar a qualidade da merenda, que atualmente é servida na rede pública de ensino. A secretaria ajudará na capacitação desses profissionais para que o preparo e a distribuição dos alimentos sejam qualificados.
“Esse acerto com a Prefeitura, que segue o determinado pela lei federal, vai propiciar o aumento da produção e fazer com que uma programação seja elaborada. Cada produtor tem um teto de negociação e pode vender até R$ 9 mil em alimentos ao município. A iniciativa vai estimular a produção e o produtor poderá escoar a mercadoria para um local mais próximo. E é melhor ainda produzir e saber que a mercadoria já possui um comprador”, informou Marco Ávila, secretário da Apherj e do Sindicato Rural de Petrópolis.
Marco explicou que a Apherj, em local próximo ao Hortomercado Municipal, reúne a produção e depois faz a triagem dos alimentos, com as informações passadas pela Secretaria de Educação para cada escola. O convênio com o governo municipal fez aumentar o número de produtores que serão fornecedores de merenda escolar: de 21, em 2010, para 44. São produtores do Bonfim, Caxambu, Vale das Videiras, Secretário, Caititu, Brejal, Taquaril, Santa Mônica e Jacó.

Campanha de vacinação já alcançou 65% do público alvo

Tribuna de Petrópolis - 26/05/2011


Apesar do esforço das equipes, a meta ainda não foi alcançada: campanha deveria ter terminado no dia 13 de maio

A campanha de vacinação contra a gripe se encerra nesta sexta-feira, 27 de maio. Até a tarde de segunda-feira, 36.577 pessoas foram vacinadas, o que corresponde a 64% da meta estabelecida pela Secretaria Municipal de Saúde. Já foram aplicadas duas mil doses da vacina em gestantes. Entre os profissionais de Saúde, a meta foi ultrapassada e chegou a 115%, correspondendo a 4.660 doses. Novos números da campanha devem ser repassados pelo departamento de epidemiologia na tarde de hoje.
Entre os dias 18 e 23 de maio, o número de pessoas vacinadas aumentou em 5.854, o que justificaria a prorrogação da campanha, que se encerraria inicialmente em 13 de maio. No grupo de idosos, já foram aplicadas 25.572 doses, correspondente a 58,52% do objetivo para esta faixa de idade. Nas crianças entre seis meses e menos de dois anos, já foram aplicadas 4.335 doses, sendo 74,84% do total. A Secretaria de Saúde quer vacinar cerca de 57 mil pessoas.
Além dos postos de saúde, a vacinação está sendo realizada no Hospital Alcides Carneiro e no Centro de Saúde. O governo municipal também realiza a vacinação de pessoas que estão impossibilitadas de comparecer a um local de atendimento. Após a campanha, por meio de um posto volante, as pessoas serão imunizadas na própria casa, basta ligar para o número 2246-6796 e solicitar a vacinação.
Os idosos e gestantes recebem uma única dose da vacina. Para as crianças, a vacinação é realizada em duas etapas. Na primeira vez, é aplicada meia dose e no mês subsequente os pais devem retornar ao posto de saúde para que elas recebam a aplicação da outra. A campanha espera vacinar 80% da população de idosos (60 anos ou mais), gestantes e crianças (seis meses a dois anos), com atendimento das 8h às 17h.

terça-feira, 24 de maio de 2011

Negativa em divulgar os preços dos remédios provoca polêmica nas ruas

Tribuna de Petrópolis - 24/05/2011


“Eu acho justo que continuem pesquisando. Até porque é a coisa que eu mais faço, assim como no mercado”. Liane Vieira – 52 – costureira

A pesquisa feita pela Tribuna de Petrópolis sobre o preço de medicamentos nas farmácias da cidade ainda repercute entre os consumidores. Na última semana, três drogarias se recusaram a participar do levantamento: Cristal, Galanti e Pacheco. As duas primeiras justificaram o não fornecimento dos preços por conta de alterações na tabela de valores da rede. A Pacheco esclareceu que não obteve autorização da gerência geral para repassar as informações pedidas.  
Os médicos que estão como vereadores nesta legislatura também se pronunciaram sobre o assunto. João Tobias (PPS) disse que costuma aconselhar seus pacientes a pesquisar os preços antes de comprar os remédios. Márcio Muniz (PSC) defende o tabelamento de alguns medicamentos, para evitar disparidades. Samir Yarak (PSC) chamou a atenção para o crescente número de farmácias nos bairros e distritos. Os vereadores disseram que a grande quantidade de estabelecimentos deste tipo não incentiva a concorrência. Com a guerra de preços, algumas drogarias podem fechar.
“A gente tem que saber os valores. Eu costumo pesquisar e comparar o preço de duas farmácias, no mínimo”, disse a estudante Jéssica Quadrelli, de 16 anos. Uma outra estudante, Bruna Teixeira, de 17 anos, declarou que todos necessitam saber onde é mais barato, que as farmácias não podem esconder o preço. “Para pesquisar preços, depende qual for o remédio a ser comprado. Minha mãe sempre manda eu procurar o lugar mais em conta”, contou ela.
O funcionário público Henrique Kerti, de 55 anos, que acompanhou a última pesquisa divulgada pela Tribuna, disse que é um absurdo as farmácias esconderem o preço. “Acho válido a continuidade da pesquisa. Geralmente vou em uma farmácia ou outra, mas pesquisando produto por produto você consegue um valor baixo”, disse ele. Regina Dias, de 45 anos, também funcionária pública, explicou que remédios de uso contínuo devem ser comprados após a pesquisa, pois costumam sofrer variações de preço.

domingo, 22 de maio de 2011

Três ambulâncias do Samu nas ruas até o fim de julho

Tribuna de Petrópolis - 22/05/2011


A secretária municipal de saúde, Aparecida Barbosa da Silva, anunciou que o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) será implantado em toda a Região Serrana até o final de julho. Petrópolis receberá a Central de Regulação Médica e servirá de referência para todas as 16 cidades da região. A central será responsável pelo atendimento de todas as chamadas 192 efetuadas nos municípios do consórcio. A implantação do serviço foi discutida no último dia 11, em reunião do Consórcio Intermunicipal de Saúde da Região Serrana (Cis-Serra), em Nova Friburgo.
“Teremos três ambulâncias: duas de atendimento básico e uma de avançado, assim como Nova Friburgo e Teresópolis. As demais cidades só terão uma unidade básica. O Samu é regional, deverá ser implantado em todos os municípios simultaneamente”, declarou a secretária. 
O local para a Central de Regulação Médica já está definido. Será na Avenida Barão do Rio Branco, em prédio que já é da Prefeitura, na entrada do Quarteirão Brasileiro. “É uma área de fácil acesso, ao lado do Corpo de Bombeiros. Foi um local muito bem pensado e planejado, por ser via de acesso aos distritos, e precisa ser equipado ainda com um bom sistema de rádio. Está nas estatísticas: 75% dos casos são resolvidos por telefone, 20% necessitam da ambulância com o suporte básico, com um enfermeiro, e somente 5% precisam da ambulância de atendimento avançado, que tem um médico”, disse Aparecida. 
A empresa que fará a obra no prédio já está contratada e falta somente o Ministério da Saúde enviar os recursos para a realização da intervenção e compra de equipamentos. O local deve estar pronto para funcionamento em dois meses. A Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) fará a capacitação dos profissionais para todas as cidades envolvidas no projeto. Segundo informações da Secretaria de Saúde do Estado, as prefeituras terão que arcar com 25% do financiamento.
Os outros municípios a serem também contemplados com a instalação do Samu são: Bom Jardim, Cachoeiras de Macacu, Cantagalo, Carmo, Cordeiro, Duas Barras, Guapimirim, Macuco, Santa Maria Madalena, São José do Vale do Rio Preto, São Sebastião do Alto, Sumidouro e Trajano de Moraes.

Município compromete 30% do orçamento com a Saúde

Tribuna de Petrópolis - 22/05/2011


A própria secretária de Saúde do município, Aparecida Barbosa da Silva, reconhece que o maior desafio é driblar a escassez de recursos. A verba recebida mensalmente, cerca de R$ 12 milhões, garante o custeio da pasta. Mas ela diz que, se o Estado ajudasse, a realidade seria outra. Hoje, o único recurso estadual que chega à cidade é o de R$ 500 mil para custeio das duas Unidades de Pronto Atendimento (UPA’s) – o Governo Federal entra com os outros R$ 500 mil. 
“A prefeitura compromete 30% do orçamento com a Saúde, quando a lei exige um investimento mínimo de 15% da arrecadação municipal. Petrópolis só perde para Macaé e Volta Redonda, que possuem receita dos royalties do petróleo e de um alto ISS, respectivamente. Com isso, 97% dos procedimentos são feitos na cidade, o restante depende do credenciamento junto ao SUS ou é de alta complexidade”, explicou a secretária.
A produção ambulatorial referente a 2010 demonstra o trabalho que é feito com os recursos. Foram realizadas 330.901 consultas nos ambulatórios, sendo 174.160 na atenção básica e 128.346 em atendimentos de especialidades. As consultas de pré-natal chegaram a 12.115 e as de medicina do trabalho a 5.494. Dois casos de glaucoma foram diagnosticados e também foi efetuado o acompanhamento de seis pacientes com tuberculose. O número de exames chegou a quase 1,3 milhão. O total de cirurgias chegou a 92.574. 
A escassez de recursos é apontada por Aparecida Barbosa também como o principal entrave na negociação com os médicos de especialidades, que desde o ano passado reivindicam reajuste salarial. Segundo ela, ao ser reajustado o salário acaba comprometendo o orçamento municipal, pois recursos novos não entraram. “Acho justa e legítima a luta da categoria pelo reajuste, mas o dinheiro da Saúde é um só. Melhorar o salário dos médicos implica em tirar verba de alguma coisa. São 2.660 servidores da Saúde e, infelizmente, é grande o número também de licenciados. Dessa forma, é preciso pagar o afastado e quem o substitui”, declarou ela.
Ainda de acordo com a secretária, a ajuda do estado seria fundamental para que a Saúde do município tivesse maior capacidade de investimento. “A criação de um novo imposto pelo governo federal também é uma saída, mas deverá ser muito discutido em Brasília. A Emenda 29, ainda pendente no Congresso Nacional, diz que 12% da arrecadação dos estados deve ser investida na área de Saúde nos municípios”, disse ela.

Diretório local do PR em busca de filiados

Tribuna de Petrópolis - 22/05/2011


O Partido da República (PR) se estrutura em todo o Estado do Rio de Janeiro como uma frente de oposição ao atual governo. A meta é conquistar 40 prefeituras e ter 400 vereadores eleitos em 2012. 
Em Petrópolis, o partido quer se fortalecer para poder ter bons resultados nas eleições do próximo ano. Segundo o presidente do PR na cidade, coronel Calixto Barbosa, o objetivo é conseguir ao menos três cadeiras na Câmara Municipal, já que o número de vagas subirá de 15 para 21. A candidatura à prefeitura não é descartada, mas existe a possibilidade de uma coligação que colocaria o partido como vice na chapa.
“Dentro do Estado o PR já é um partido forte, é só observar o número de deputados federais e estaduais (sete nas duas casas legislativas). A representação na Câmara Federal é de 40 deputados. É desejo do presidente regional, Antony Garotinho, se posicionar bem em todos os municípios do estado”, declarou o coronel Calixto Barbosa. A direção do PR é formada ainda pelo tesoureiro Leonardo França de Souza e pelos vice-presidentes Juvenil dos Santos Reis e Márcio Tesch.
Calixto assumiu o diretório municipal há uma semana e disse que o partido vai ser uma frente de oposição, fazendo críticas mas também mostrando as soluções a ser executadas a médio e longo prazo. “A direção estadual busca também pessoas que tenham peso político e boa representação em seus municípios. Neste processo, vamos realizar vários seminários para formalizar nossas opiniões e sugerir soluções para os problemas que hoje enfrentamos na cidade”, afirmou o coronel.
“Estamos visando soluções do presente para ser aplicadas no futuro. Lutamos contra aquilo que está funcionando mal. Existem muitos erros no descumprimento da lei. Queremos fortalecer a sociedade com uma condução política para que o povo volte a ser respeitado. Fazer política é, na verdade, dar direito às pessoas”, atestou o advogado Márcio Tesch.
Os membros do PR disseram ainda que o alinhamento do atual governo municipal com o estado e a União não tem sido bem aproveitado. 
Hoje, o PR estará com uma banca na Praça da Inconfidência, a partir das 9h. A ação tem por objetivo marcar o início das atividades do partido na cidade com uma frente de filiações. Outras cidades deverão ter eventos do mesmo tipo. O coronel Luiz Cláudio Calixto Barbosa, presidente do diretório municipal, concorreu a uma vaga para a Câmara dos Deputados na última eleição. Ele obteve 5.898 votos e ficou como suplente.

sábado, 21 de maio de 2011

Recusa em participar de pesquisa gera polêmica

Tribuna de Petrópolis - 21/05/2011

A pesquisa feita semanalmente pela Tribuna de Petrópolis com as farmácias da cidade foi o assunto comentado pelo médico e vereador João Tobias (PPS) na Câmara Municipal, durante a sessão de quinta-feira. Ele elogiou a reportagem, mas criticou o fato de três drogarias (Cristal, Galanti e Pacheco) terem se negado a participar da pesquisa. Segundo o vereador, o município já possui muitos pontos comerciais deste tipo, o que faz pensar que o ramo seja bem lucrativo.
“As farmácias que se recusaram a participar do levantamento não devem ter um preço diferenciado, por isso temem a concorrência. A publicação da pesquisa ainda se torna um benefício para as mesmas, pois sabendo o preço do concorrente é possível realizar as promoções. A reportagem vem mostrar o quanto é importante a pesquisa de preço pelos consumidores”, disse João Tobias.
O médico afirmou que sempre incentiva os seus pacientes a pesquisar os preços, principalmente dos medicamentos mais caros. Algumas farmácias conseguem bons descontos através de acordos com os laboratórios, como a compra de grande estoques. “As pessoas não podem entrar no primeiro local e comprar. É bom gastar um pouco mais de tempo e conseguir o mesmo produto por um valor menor”, concluiu ele.
O vereador Márcio Muniz (PSC) disse que a cidade já passou da quantidade de farmácias de que precisa e que a concorrência daqui pra frente tende a ser acirrada. “As grandes redes estaduais promovem uma competição forte. Com certeza, o número de drogarias está além da necessidade. Creio que, em breve, algumas estarão fechadas”, declarou ele.
Muniz afirmou que o livre comércio é importante e não pode ser violado, mas alguns remédios deveriam ser tabelados. Já o vereador Samir Yarak (PSC) chamou atenção para o crescente número de farmácias também nos bairros e distritos. “Na Posse, perto de onde eu moro, existem três drogarias muito próximas. A questão de esconder os preços atrapalha a concorrência e prejudica o consumidor”, concluiu ele.    
As drogarias Cristal e Galanti justificaram o não fornecimento dos valores por conta de alterações na tabela de preços das redes. Já a drogaria Pacheco informou que não obteve autorização da gerência geral para repassar os valores. Segundo o Sindicato do Comércio Varejista de Petrópolis (Sicomércio), são 49 as farmácias no Centro Histórico.

Centro pode ter mais uma farmácia
Um tradicional ponto comercial da cidade pode dar lugar a mais uma farmácia no Centro Histórico. O Mercado Delgado, que funciona há 39 anos na Rua Dr. Porciúncula e há 10 no mesmo local, será desativado em breve. O proprietário do estabelecimento, Hélcio Delgado, foi feirante antes de abrir a loja, em 1972, na esquina da Porciúncula com a Paulo Barbosa, até que o espaço ficou pequeno e ele teve que mudar de ponto. “Ainda não está certo o que vai ser aqui. A corretora fala em farmácia, mas pode ser um restaurante também”, declarou Hélcio. O comércio fecha as portas no dia 30 de maio.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Estoque baixo faz equipe do banco de sangue emitir alerta

Tribuna de Petrópolis - 19/05/2011


Qualquer tipo de sangue é bem-vindo

O Banco de Sangue do Hospital Santa Teresa está operando com a capacidade muito baixa e pede doações urgentemente. Segundo a direção da unidade, qualquer tipo sanguíneo é bem-vindo, já que a chuva e o frio dos últimos dias têm afastado os doadores do local. Ontem, somente 13 pessoas compareceram para doar sangue, quando o número ideal é de 38 doadores por dia. 
“Realizamos uma campanha de Dia das Mães para atrair as mulheres, mas não conseguimos atingir o objetivo, que era aumentar o número de doadoras. Agora estamos com o estoque baixo e precisamos pedir ajuda para que não fiquemos em situação crítica”, alertou Marcela Zilves, coordenadora técnica do Banco de Sangue.
Marcela ainda destacou que o número de acidentes aumentou neste mês, principalmente dos que envolvem motos. “Ainda temos pacientes que passam pelo tratamento de quimioterapia e outros que acabam sofrendo hemorragias digestivas. A utilização está sendo grande para ocorrências deste tipo”, declarou ela. A coordenadora ainda completou dizendo: “O sangue não é um produto que posso encomendar em uma fábrica, é necessário que as pessoas estejam dispostas a doar. Se não houver alguém disponível, as mortes acabam acontecendo”. 
O atendimento do Banco de Sangue é feito de segunda a sexta-feira, de 7 às 14h, e sábado de 7 às 11h. O endereço é Rua Paulino Afonso, 477. Informações pelo telefone 2245-2324.

Dia Internacional de Museus com programação especial

Tribuna de Petrópolis - 19/05/2011


Ontem foi comemorado o Dia Internacional dos Museus e, para celebrar a data, o Museu Imperial teve entrada gratuita. Pouco mais de 200 pessoas visitaram a antiga residência de verão da Família Imperial. O Som e Luz terá ingressos a R$ 5 até sábado. Na manhã de ontem, foi inaugurada a Biblioteca Infantil Rocambole, que tem como meta incentivar a leitura das crianças. Ontem também começou a funcionar o Projeto Petrópolis, que visa despertar o interesse de alunos da cidade pela observação e preservação de sua história. O programa funcionará até 8 de julho.
“Os alunos vão ter contato com a história da cidade, a colonização e a transformação urbana até o início do século XX. Utilizamos várias reproduções do nosso acervo histórico para ilustrar as explicações das oito monitoras que participam do projeto”, explicou Regina Helena de Castro Resende, responsável pelo setor de Educação. 
A participação das escolas é feita através de visitas agendadas. O projeto tem como público alvo estudantes do Ensino Fundamental entre o 3º e o 7º ano. O horário de visitas é de terça a sexta-feira, das 11h às 16h, e acontece na Sala de Atividades do Setor de Educação do Museu. Ao final da atividade, os alunos são convidados a participar de um jogo desenvolvido a partir de questões discutidas ao longo do encontro e ganham brindes.
A Biblioteca Infantil Rocambole recebeu ontem alunos do 5º ano da Escola Sesi. Eles participaram da atividade de “contação” de história do livro Aventuras da Memória, de Patrícia Engel Secco. A biblioteca tem esse nome em homenagem a um cachorro de estimação da Princesa Isabel, que é citado em fontes documentais. A abertura do espaço foi o resultado de um esforço do setor de Educação e da Biblioteca do Museu. 
“Temos ainda no setor Educação a apresentação de duas peças de teatro com fantoches. Uma delas é Um Verão no Palácio Imperial, que conta a história de um filho de colono que passa o dia no Palácio Imperial com as princesas Isabel e Leopoldina ainda crianças. A Dom Ratão é sobre uma família de ratos que, em visita ao local, descobre como era o modo de vida das famílias do século XIX”, esclareceu Regina.
Ela ainda lembrou que as atividades teatrais são feitas antes das crianças visitarem o museu. As monitoras aproveitam os exemplos e motivam os alunos a interagir com os ambientes e objetos da casa.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Telecomunicações e TV digital em debate no Cefet

Tribuna de Petrópolis - 17/05/2011

O evento reúne professores e alunos. Eles falam sobre o mercado de trabalho
A unidade do Cefet Petrópolis realiza até o dia 20 de maio a sua Semana de Telecomunicações e TV Digital. O objetivo do evento é integrar o curso técnico de Telecomunicações e TV Digital com os segmentos da sociedade da Região Serrana e os Arranjos Produtivos Locais (APLs), através de intercâmbio de conhecimentos técnicos e científicos, exposições de trabalhos desenvolvidos por professores e alunos e a integração com o mercado de trabalho.
“No evento, estão envolvidos professores, alunos, servidores administrativos e especialistas renomados na área de telecomunicações. Importante lembrar que o encerramento será na próxima sexta, a partir das 14h, com uma mesa redonda nomeada como TV Digital: Desafios e Oportunidades. Estarão presentes aqui profissionais ligados à Allen, UERJ, UFF, UniverCidade, TQTVD, Peta5 e do próprio Cefet”, relatou o professor Paulo Bittencourt, diretor da unidade de ensino.
O seminário é aberto ao público e conta também com um estande interativo onde videogames e computadores antigos estão em exposição. A mostra tem também projetos dos laboratórios de multimídia, animação, redes de comunicações, entretenimento e simulação digital, eletricidade, eletrônica e projetos educacionais. Todo o evento é preparatório para a Semana Nacional de Iniciação Científica e Tecnológica, em outubro.
Durante toda a semana, serão realizadas várias atividades multidisciplinares, focadas na temática Desafios e Oportunidades. Organiza o evento o professor Luis Carlos dos Santos Coutinho Retondaro, junto com a equipe de coordenação do curso e apoio da direção e gerência acadêmica. O diretor Paulo Bittencourt destaca que a exposição dos trabalhos só está sendo feita no hall de entrada por falta de espaço físico no prédio, que é tombado.

Plano Diretor: projeto com participação popular

Tribuna de Petrópolis - 17/05/2011

O Plano Diretor de Petrópolis já está em sua fase final de elaboração. O plano tem como objetivo o planejamento municipal, estabelecendo diretrizes para a adequada ocupação da cidade, determinando o que pode e o que não pode ser feito em cada parte do município. A entrega do parecer conclusivo da Comissão Especial de Estudo e Revisão do Plano Diretor foi prorrogada até o dia 15 de julho. A data anterior, prevendo a cessão do relatório final ao presidente da Câmara, Paulo Igor (PMDB), era 10 de maio.
A comissão foi formada ainda em 2010, para debater e elaborar o plano, e é composta por cinco vereadores: o presidente Thiago Damaceno (PV), o relator Marcelo Motorista (PDT), Gil Magno (sem partido), Márcio Muniz (PSC) e Wagner Silva (PPS). Damaceno explicou que o prazo foi alterado devido ao grande número de emendas, 78, que precisarão de um pouco mais de tempo para ser analisadas pelos membros da comissão.
Além do grande número de emendas, algumas delas são muito extensas e vão alterar alguns itens já apreciados para o Plano Diretor. Elas vieram de instituições como o Portal Dados Municipais, a Casa da Cidadania e o Instituto Histórico de Petrópolis. Será um trabalho bastante substancial a análise destas propostas. Temos que respeitar ainda o padrão legislativo e jurídico para tratar do assunto”, lembrou o presidente da comissão.
Thiago Damaceno acredita que entregará o plano no prazo estabelecido, mas ressalta que existe ainda a possibilidade da realização de uma audiência pública, o que atrasaria mais um pouco o cronograma. O presidente da Câmara indicará uma data para a votação do projeto após receber o texto final. “Estamos bem tranquilos com o trabalho que está sendo feito, mas o PD só acontece se houver diálogo com a sociedade e com o próprio governo municipal”, relatou ele.
A comissão não recebe mais propostas, mas os vereadores que a integram e o Executivo ainda podem fazer mudanças no texto. “Tem sido muito positiva a participação popular neste processo, independente da tramitação do projeto. Nas reuniões que realizamos neste ano, conseguimos o contato com a sociedade. Na semana passada, a secretária de Saúde, Aparecida Barbosa, apresentou dados do Plano Municipal de Saúde em uma dessas reuniões. Os dados são recentes e ela pode mostrar como está a situação atual da Saúde”, comentou Thiago.
Thiago destacou que muito ainda tem para ser feito, mas o plano vai servir para dar as diretrizes do desenvolvimento da cidade nos próximos dez anos. “O Plano Diretor entra em vigor assim que sancionado. A partir desse momento, a sociedade poderá cobrar desse mesmo governo e dos atuais vereadores”, explicou o vereador. As mudanças no projeto, depois que tiver obtido a sanção do prefeito, dependem do texto que for aprovado.
Um dos projetos que ganhou espaço neste processo de elaboração do Plano Diretor é a reativação do trem ligando o bairro do Alto da Serra á Raiz da Serra. A Estrada de Ferro do Grão-Pará foi desativada em 1964. O projeto idealizado por Antônio Pastori já ganhou o apoio dos governos municipais de Magé e Petrópolis e até do governo estadual. A reativação da ferrovia passou a ser uma das diretrizes do plano.

Domingo é dia de Festa de Santa Rita no Castrioto

Tribuna de Petrópolis - 17/05/2011

No próximo domingo, a Paróquia Santa Rita de Cássia, no Bairro Castrioto, comemora o dia da sua padroeira. A festividade é uma das mais tradicionais e populares de Petrópolis e atrai muitos devotos da santa, que é conhecida como padroeira das causas impossíveis. A paróquia iniciou a novena de preparação no último dia 12, que terminará nesta sexta, com uma missa de louvor, às 19h30. Na mesma noite, se inicia a festa com as barraquinhas no pátio da igreja, com pastel, bolo da padroeira e brincadeiras. Para o dia 22 de maio, são esperadas cerca de três mil pessoas durante todo o dia.
“A expectativa é bem positiva para que o povo de Deus possa participar da Festa de Santa Rita. Aumenta o número de pessoas neste ano, pois é domingo, que já é um dia de preceito e há uma participação maior na santa missa. Serão sete celebrações durante todo o dia, onde muitos poderão rezar e cumprir suas promessas. A celebração das 18h será presidida por Dom Filippo”, declarou o padre Bruno Leira Silva, administrador paroquial. 
A novena da padroeira acontece até o dia 20, sempre às 19h30. No sábado, às 17h, será celebrada a missa com a crianças da catequese, e às 18h será realizada a coroação de Nossa Senhora. Logo depois, seguem as apresentações do Coral Anjos de Luz de Piabetá e do Ministério de Música Luz das Nações.
No dia de Santa Rita de Cássia, às 6h, acontece a alvorada com salva de 21 tiros e missa nos seguintes horários: 7h, 9h, 11h, 13h30, 15h, 18h e 20h, que terá benção solene das rosas.
A Paróquia do Castrioto foi criada no dia 5 de março de 2006, através de um ato do bispo diocesano Dom Filippo Santoro. Desmembrada da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, ela passou a contar com dez comunidades e teve como seu primeiro pároco o padre Antônio Rodrigues. Nestes cinco anos de existência, a paróquia já foi administrada também pelo padre Nerel Quirino e hoje está sob o comando do padre Bruno, auxiliado pelo vigário padre Willyam da Silveira Ferreira.

sábado, 14 de maio de 2011

Princesa Marie Cristine de Kent lança livro no Museu Imperial

Tribuna de Petrópolis - 14/05/2011


A princesa Michael de Kent observa a Coroa Imperial de D. Pedro II, em visita guiada pelo diretor do Museu Imperial, Maurício Vicente Ferreira Jr

A princesa Marie Cristine de Kent, que pertence à família real britânica, esteve na última sexta-feira em Petrópolis. Ao lado de Francisco de Orleans e Bragança, representando a Família Imperial Brasileira, ela conheceu as dependências do Museu Imperial e lançou um livro. A visita também foi acompanhada por Kenneth Light, da Sociedade de Amigos do Museu Imperial e do Instituto Histórico de Petrópolis, assim como pelo diretor da instituição, Maurício Vicente Ferreira Júnior.

Marie-Christine Agnes Hedwig Ida von Reibnitz nasceu na Tchecoslováquia em 1945. Casou-se em 1978 com o príncipe britânico Michael de Kent, primo da rainha Elizabeth II, mas que não possui deveres reais. Mesmo assim, a princesa já representou a rainha em alguns eventos pelo mundo. Decoradora e mãe de dois filhos, Marie-Christine é formada em História da Arte e autora de três livros, entre eles Coroadas em terras distantes - Triunfo, Tragédia, Paixão e Poder na Vida de Oito Princesas Europeias, lançado ontem no Museu Imperial. O livro conta a história de oito mulheres que se tornaram rainhas fora de seu país de origem. 
O passeio no museu começou pouco antes das 12h e, além de assinar o livro de visitas da instituição, a princesa foi presenteada com dois livros, sobre pedras preciosas e jóias brasileiras e aquarelas brasileiras. Houve ainda um momento de emoção para a princesa, que recebeu a cópia de um jornal de 1931, o qual noticiava a visita do Duque de Kent, pai do seu marido. Logo depois, ela se dirigiu para um almoço no Solar do Império, que incluiu a presença de representante do governo municipal, o presidente da Fundação de Cultura e Turismo, Charles Rossi.
Às 15h, ela chegou à Catedral São Pedro de Alcântara, para uma homenagem junto ao túmulo da Princesa Isabel. Padre Jac, pároco da igreja, recebeu a princesa, deu a bênção e proferiu uma oração. A princesa é católica, raridade na anglicana família real britânica, e ainda quis dar uma volta pela Catedral e admirar algumas obras junto da princesa Cristina Maria de Orleans e Bragança. Depois da visita, voltou para o Museu Imperial.
No retorno ao museu, o Coral dos Canarinhos de Petrópolis, sob regência do maestro Marco Aurélio Lischt, fez uma apresentação especial com quatro músicas de compositores brasileiros, na Sala da Batalha. Ela gostou muito da apresentação e agradeceu ao maestro pelo espetáculo. Recebeu também presentes da centenária instituição petropolitana: um CD do coral, um fôlder e uma caneca decorada com nomes de grandes compositores.
Antes de realizar uma sessão de autógrafos na Sala de Exposição 5 do museu, ela deu uma palestra sobre o seu livro, no auditório. Antes, porém, Maurício Ferreira lembrou a importância do 13 de maio, que marca a abolição da escravidão no Brasil. “Essa é a data em que comemoramos a assinatura da Lei Áurea, importante por marcar um período de mudanças na sociedade brasileira. Lembro também que a Princesa Isabel estava neste dia em Petrópolis e só foi ao Rio de Janeiro para assinar a lei”, destacou o diretor do museu.
“As oito princesas que têm suas histórias relatadas no livro também foram escravas. Elas nasceram em meio à riqueza, mas não podiam escolher com quem iam se casar e não tinham liberdade para fazer nada. Muitas acabavam indo para longe e casando com homens mais velhos, nem sempre tinham a sorte de ter homens jovens e bonitos como Dom Pedro”, disse a princesa Maria Cristine. Entre as oito biografadas de sua obra está a Imperatriz Leopoldina, primeira esposa de Dom Pedro I.
Essa é a terceira vez que a princesa Marie-Christine visita o Brasil. Ela já esteve no Pantanal, na Amazônia e em São Paulo, além de visitar amigos. Só que dessa vez fez questão de vir de navio, para ter a mesma impressão da chegada da Imperatriz Leopoldina no Rio de Janeiro, em 1817. “Eu amo Petrópolis. Já conheço um pouco do Brasil, mas tenho muito mais para visitar”. Depois da palestra, seguiu para uma sessão de autógrafos no Museu Imperial, tendo feito em um dos livros uma dedicatória especial para a presidente Dilma Rousseff.

Pais pedem atenção às mudanças no Imep

Tribuna de Petrópolis - 14/05/2011


Há 10 dias, o Instituto Metodista de Petrópolis (Imep), que mantém convênio com o município, inaugurou o seu novo polo, na Rua Santos Dumont, onde já funcionou o colégio Pequeno Príncipe. Muitos pais,  no entanto reclamam que a mudança de algumas séries para o novo local foi precipitada, já que falta estrutura à casa. A insegurança também gera protestos. O novo prédio é alugado pela Prefeitura e recebe 230 alunos do 2º ao 5º ano.  
“A nossa reclamação é pela falta de segurança que existe lá, qualquer um tem acesso. Pedimos um vigia, pelo menos, na porta da escola. A estrutura também não é adequada. O banheiro não tem adaptação para os alunos e é pequeno. Quero deixar claro que não somos contra a mudança de endereço, mas foram para o imóvel antes que ele passasse por melhorias”, declarou Aclair Valério de Sales, que tem uma filha na escola.
Uma outra mãe de aluno, que preferiu não se identificar, listou os problemas encontrados pelo filho nessa semana. “Não tem carteira para todo mundo, não tem telefone para contato, não tem porteiro e nem cantina. Ela participa de uma comissão de pais que vai realizar uma reunião com a direção do Imep na terça-feira, às 17h.
A diretora do instituto, Josiane Coelho Loureiro, disse que a mudança foi motivada pela necessidade de acomodação de uma nova turma. “Desde fevereiro, precisávamos acomodar uma turma. Várias adaptações foram feitas e continuam acontecendo no novo prédio. Lá mesmo já funcionou uma outra escola e o local já possuía o alvará. Temos uma tela de proteção nas janelas e proteção na piscina. O local tem mais conforto e mais espaço que o prédio antigo. É natural que os pais se preocupem, pois mudança não é fácil”, afirmou a diretora.
O secretário de Educação, William Campos, lamentou as críticas. Segundo ele, a área tem a beleza e o conforto que ele não pôde desfrutar na época de estudo. “Ninguém vai transformar o paraíso em um inferno. Vários pais estão elogiando, pois a escola está linda e maravilhosa. Na verdade, estou magoado com a situação. Atendi a um pedido do Ministério Público e do Imep”, explicou o secretário.
Na próxima quinta-feira, às 19h, o secretário marcou uma reunião para poder conversar com os pais. De acordo com a diretora Josiane Coelho Loureiro, o clima deve ser de confraternização, pois nenhuma mudança deve ser feita. Já William Campos afirmou que está num posição de confronto, por acreditar que a atitude de protesto cabe a apenas alguns pais.

Silmar defende Ouvidoria da Saúde

Tribuna de Petrópolis - 13/05/2011


Segundo Silmar, a nova ouvidoria ficará subordinada ao Conselho de Saúde

O vereador Silmar Fortes (PMDB) fez nesta semana uma indicação ao Executivo para que seja elaborado um projeto de lei que disponha sobre a criação da Ouvidoria da Saúde em Petrópolis. De acordo com ele, a criação desse órgão já estava prevista no Plano Municipal da área. A ouvidoria ficará subordinada ao Conselho Municipal de Saúde (ComSaúde). Agora cabe ao governo municipal preparar a lei e depois enviá-la à Câmara Municipal para aprovação.
“O conselho, junto com a Secretaria de Saúde, vai cuidar de todo o processo de criação da Ouvidoria. Vão convocar também as pessoas que quiserem colaborar e futuramente ocupar esta função. Vários municípios do Rio de Janeiro já têm o ouvidor da saúde, que é um instrumento democrático e participativo. E até a Câmara possui o Ouvidor do Povo”, disse Silmar Fortes.
Na reunião ordinária dos vereadores da última terça-feira, Márcio Muniz (PSC) e Gil Magno (PSB) comentaram a indicação de Silmar. Muniz disse que a criação da ouvidoria é muito importante e cuidará de uma área essencial. Ele lembrou também que o cargo não será remunerado e, assim, a procura das pessoas para ocupar a função não deve ser grande. Já Gil Magno destacou que a posição exigirá muito empenho e precisaria de uma compensação financeira.
“Esperamos agora que o Executivo aprecie a questão e envie um projeto de lei ao Legislativo para que seja atingida a meta prevista no Plano Municipal de Saúde. A ouvidoria servirá para que a população faça as suas sugestões, críticas, reclamações e até propostas de melhoria. Hoje, o Alcides Carneiro já tem a sua ouvidoria e vemos a necessidade do município de também ter a sua”, declarou o vereador.
Silmar conhece de perto os erros e acertos da saúde no município. Ele  trabalha no sistema público desde 1981, quando iniciou suas atividades no Hospital Municipal Nelson Sá Earp. O vereador Silmar Leite Fortes recebeu das mãos de Wagner Silva (PPS) uma Moção Congratulatória pelo Dia do Enfermeiro, durante a sessão plenária. Ele é formado em enfermagem pela Universidade Católica de Petrópolis, com especialização em Sanitarismo.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Audiência de transportes é adiada

Assessoria Câmara Municipal de Petrópolis

O presidente da Comissão de Transportes e Trânsito da CMP, vereador Luiz Eduardo Francisco da Silva, o Dudu (PSDC), solicitou o adiamento da Audiência Pública que seria realizada hoje às 19h, no Plenário da Câmara, devido a não ter recebido retorno sobre os requerimentos enviados ao Executivo Municipal. Ressaltamos, porém, que este último ainda está dentro do prazo de resposta. Avisaremos em breve a nova data da Audiência.

A intervenção municipal nas empresas de ônibus em debate na Câmara

Tribuna de Petrópolis - 11/05/2011
Hoje será realizada uma audiência pública para tratar do transporte coletivo na cidade. O evento acontecerá na Câmara Municipal, às 19h. A sessão foi convocada pela Comissão de Transporte e Trânsito do Legislativo, através de seu presidente, o vereador Luiz Eduardo Francisco da Silva, o Dudu, (PSDC). Fazem parte também da comissão Wagner Silva (PPS) e Marcelo Motorista (PDT). A audiência tem como objetivo esclarecer a população sobre a intervenção em três empresas de ônibus que prestam serviços no município.
A audiência será boa para poder mostrar que o governo municipal está se preocupando com a situação do transporte coletivo. É um meio também para dar tranquilidade aos rodoviários, que poderão tirar as suas dúvidas. Queremos um transporte público mais seguro, mais rápido e mais barato. Importante ressaltar ainda que o prefeito já me recebeu e tem boa vontade para com os trabalhos da comissão”, destacou o vereador Dudu.
Várias autoridades, empresários e representantes do transporte em Petrópolis foram convidados a participar desta audiência pública. Entre estes se destacam o prefeito; os interventores Celso Premino Schimid, Sehaphim José Claudino e Adrian Couto da Costa; os empresários Clarindo Fanti (Viação Petrópolis), Marcelo José Costa Pereira (Viação Autobus) e Élvio Zanata Freitas (Viação Esperança); o presidente do Setranspetro, Isidro Ricardo Rocha; e o presidente do Sindicato dos Rodoviários, Antônio Maciel Filho.
A comissão da Câmara solicita esclarecimentos desde o ano passado, com a preocupação voltada para a qualidade e segurança nos serviços de transporte coletivo de Petrópolis. “Estamos muito preocupados com o futuro do transporte coletivo de nossa cidade, com seus usuários e com os funcionários. Temos certeza de que essa audiência elucidará muitos pontos obscuros e será muito satisfatória para todos os setores envolvidos”, declarou Dudu.
O vereador Marcelo Motorista (PDT) espera que a acessibilidade para os cadeirantes seja estendida mais rapidamente a todos os ônibus. Ele espera também que os representantes das empresas participem da audiência, junto com os órgãos públicos competentes. Dudu quer saber também sobre a questão do tempo de uso dos veículos, que segundo ele não é respeitado, e a falta de pagamento do IPVA das frotas das empresas sob intervenção.

Homenagem aos 100 anos de Nelson de Sá Earp

Tribuna de Petrópolis - 11/05/2011


A solenidade na Câmara teve homenagens de amigos e colegas do médico

O centenário do petropolitano Nelson de Sá Earp teve mais um evento comemorativo na noite de segunda-feira. O Instituto Histórico de Petrópolis (IHP) realizou a sua reunião mensal, em parceria com a Câmara Municipal, para celebrar o centenário do médico, vereador e ex-prefeito da cidade, nascido em 3 de maio de 1911. Francisco José Ribeiro de Vasconcellos, membro do IHP, foi o orador da solenidade. O ex-desembargador Miguel Pachá falou na condição de vereador e presidente da Câmara no governo de Sá Earp. Arthur Leonardo, filho do homenageado, discursou em nome da família.
Estiveram presentes também os vereadores João Tobias (PPS), que discorreu sobre o homenageado, representando o Legislativo, Márcio Muniz (PSC), Silmar Fortes (PMDB), Dudu (PSDC) e Paulo Igor (PMDB), que presidiu a sessão. No plenário do Palácio Amarelo, compareceram ainda familiares de Nelson de Sá Earp, Charles Rossi (presidente da Fundação de Cultura e Turismo), José Luiz Rangel Sampaio Fernandes (reitor da UCP), padre JAC (pároco da Catedral), Emygdia Hoeltz Magalhães Lyrio (presidente do Clube 29 de Junho) e membros do IHP.
O que marcou a sessão foi a proximidade do homenageado com as pessoas que fizeram o uso da palavra na solenidade. João Tobias lembrou que foi seu aluno na Faculdade de Medicina de Petrópolis (FMP). Francisco de Vasconcellos destacou ainda que foi colega do médico por algum tempo, no IHP. Maria Isabel de Sá Earp Resende Chaves, sobrinha de Nelson e diretora da Fase/FMP, lembrou que ele foi também co-fundador da faculdade, em 1967.
Arthur Leonardo de Sá Earp encerrouu a solenidade com a sua homenagem e agradecimento pela lembrança da data. Recebeu também uma placa comemorativa das mãos de Paulo Igor (PMDB), presidente da Câmara. “Meu pai nunca foi sozinho e só obteve sucesso em tudo o que fez por ter uma excepcional rede de amigos. Muitos deles eram bons e dedicados naquilo que faziam”, disse.
Nelson de Sá Earp firmou-se como clínico e cirurgião de respeito na década de 30. Elegeu-se vereador em 46, sendo presidente da Câmara entre 1947 e 1948 e prefeito em 1958. Faleceu no dia 2 de junho de 1989, aos 78 anos.