quinta-feira, 31 de março de 2011

Acidente na pista de descida da Serra de Petrópolis

Tribuna de Petrópolis - 31/03/2011

Uma carreta-frigorífico tombou na altura do Km-81 da BR-040, na pista de descida da Serra de Petrópolis, por volta das 16h de ontem. Não houve feridos e o trecho foi sinalizado logo após o ocorrido.  Equipes da Concer se dirigiram ao local pouco depois, mas a operação para a retirada do veículo só deveria ser concluída nesta madrugada, após a chegada de uma nova carreta para realizar o transbordo da carga. A Concer informou ainda que este horário foi escolhido porque tem menos movimento na rodovia e seria preciso fechar a pista. A carreta ocupa meia pista e também o acostamento.

quarta-feira, 30 de março de 2011

Rapaz é atropelado por moto na Rua do Imperador

Tibuna de Petrópolis - 30/03/2011 

Uma moto que fazia a conversão do lado ímpar para o lado par da Rua do Imperador atropelou um rapaz que atravessava a via pela faixa de pedestres, com o sinal aberto para os carros. O acidente ocorreu por volta das 18h15, na altura do número 68 da Rua do Imperador. O trânsito ficou parado por cerca de 15 minutos até a chegada da PM e do Corpo de Bombeiros, fazendo com que os veículos fossem desviados para a Rua Floriano Peixoto. O rapaz foi levado para o Hospital Santa Teresa, com ferimentos na perna. De acordo com o Guarda Municipal Marcolino, a faixa de pedestres onde o rapaz foi atropelado fica em uma curva e outros acidentes já aconteceram no mesmo local.

*Informações de Sabrina Borsato

Serrano apresenta quatro reforços

Assessoria Serrano

Guilherme, Marcello, Vinícius e Maycon: novos reforços do Leão da Serra
O Serrano apresentou nesta terça-feira seu pacotão de reforços. Chegam ao clube petropolitano quatro novos jogadores: Marcello, lateral-direito; Maycon e Guilherme, meias; Vinícius, atacante. Apesar de já estar encerrada as inscrições de atletas na Série C do Campeonato Carioca, a diretoria do clube se antecipou e já inscreveu os novos jogadores dentro do prazo. Dos quatro que chegam, apenas o atacante Vinícius ainda não está apto para atuar pelo Leão da Serra porque aguarda um documento de liberação da Federação de Futebol do Cazaquistão, último país que o jogador atuou.
            Com o ataque vivendo dias difíceis, o reforço mais aguardado é de Vinícius. O centroavante nasceu em Lisboa, Portugal, e é filho do técnico Duílio. O jogador, de 23 anos, tem grande experiência e já passou por clubes consagrados no país como Fluminense e Vasco. No exterior, Vinícius teve passagens pelo Kwait e Cazaquistão. Em sua chegada ao clube, o atacante diz que só pensa em uma coisa: reconduzir o Serrano à elite do futebol do Rio de Janeiro.
            - Minha expectativa de jogar aqui (Petrópolis) é enorme. Não quero só passar por aqui, quero também fazer história e ajudar o clube nesta missão de voltar à Primeira Divisão, lugar de onde ele nunca deveria ter saído - afirmou o atacante muito semelhante ao pai nas declarações.
            Para o meio-campo, o reforço é duplo. Para o setor chegam Maycon e Guilherme. O primeiro tem 23 anos e vem de longe, o jogador é natural de uma cidade chamada Rolim Moura, Rondônia. No Serrano, Maycon vai receber a primeira oportunidade de assinar um contrato profissional.
            - O grupo é muito bom já deu para perceber que todos são muito esforçados. Quero ir bem aqui e subir com o Serrano para a Segunda Divisão e, se possível, ser campeão este ano. Sou um jogador que gosta de cadenciar o jogo, mas quando é preciso tenho velocidade - disse o jogador aproveitando para contar um pouco das suas características.
            Guilherme também chega para reforçar o meio-campo. O jogador também tem 23 anos e afirma estar muito contente com a oportunidade no Leão da Serra mesmo tendo passado por várias equipes, apesar da pouca idade.
            - Penso que essa é uma grande oportunidade na minha vida. Estou muito feliz de estar em um grupo bom e forte. Temos também um ótimo treinador e acredito que temos grandes chances de ser campeão. Chego aqui para somar - disse.
            Por fim, para a lateral-direira chega o jovem Marcello, de 18 anos. O jogador esta na base do Fluminense há três anos e agora chega para atuar em Petrópolis.
            - Quero buscar meu espaço aqui. O grupo é bom e quero somar - contou.
            Com mais estas quatro aquisições, o ciclo de contratações no Serrano está encerrado e o elenco se fecha com 30 atletas, número dentro do previsto no planejamento traçado pelo técnico Duílio no início da temporada.

Crise faz restaurante do Museu fechar as portas

Tribuna de Petrópolis - 30/03/2011


Restaurante foi vítima da crise no setor turístico de Petrópolis

O Museu Imperial informou ontem que não conta mais com o Arcádia Bistrô Imperatriz, um restaurante que funcionava nos jardins da instituição. Com a crise econômica provocada pela tragédia das chuvas em 12 de janeiro, o estabelecimento apresentou uma proposta de interrupção de suas atividades em caráter definitivo e o contrato com o museu foi encerrado. O restaurante é propriedade do mesmo grupo que controla o Arcádia Mall, em Itaipava.

Com a saída do bistrô, o Museu Imperial abrirá uma nova licitação para restaurantes que desejarem se instalar no local. O edital de abertura será publicado no próximo mês, através do site www.museuimperial.gov.br. O Arcádia Bistrô Imperatriz foi inaugurado em agosto de 2009 e era um aconchegante espaço gastronômico em meio aos jardins do museu, o principal ponto turístico de Petrópolis.
O fechamento se deu na semana passada e o que pesou na questão foi a impossibilidade de manter a pousada em Itaipava e o restaurante no centro da cidade, devido ao baixo movimento no turismo. De acordo com Bárbara Skaba, da assessoria do Museu Imperial, o ponto turístico já está se recuperando e o número de visitantes tem crescido. “O início do ano já é um período que costuma registrar queda nas visitas”, disse ela. O contrato com o restaurante já terminaria nesse ano, mas as partes entraram em acordo para que a rescisão fosse feita antes do previsto. Procurada, a administração do Arcádia preferiu não se pronunciar sobre o fechamento do restaurante.

ERRATA: Houve um mal-entendido na produção desta reportagem. Na matéria, acabou saindo o contrário do que a funcionária do Museu Imperial havia falado. Segundo o que foi publicado, ela teria dito que “o início do ano é um período que costuma registrar queda nas visitas”. Na verdade, o que foi dito é que no início do ano a visitação costuma ter um aumento (não queda) e, este ano, devido à tragédia das chuvas, houve uma queda, o que prejudicou o restaurante. Pedimos desculpa pelo erro.

Briga para resolver clonagem de placa de carro já dura dois anos

Tribuna de Petrópolis - 30/03/2011


Sandra mostra uma das multas que recebeu: ela conseguiu provar a clonagem da placa, mas o Detran enviou novos documentos ao responsável pelo crime

Em Petrópolis, uma mulher vive uma situação bastante confusa. Desde 2009, Sandra Lobianco luta para provar que o seu carro teve a placa clonada e, dessa forma, obter um novo emplacamento e poder ter a sua vida normalizada. Acontece que, em meados de 2010, uma nova placa foi emitida, mas acabou sendo entregue ao proprietário e autor da clonagem. Agora, Sandra espera uma resposta do Detran para conseguir a desejada placa, em mais uma tentativa. A espera começou em outubro do ano passado.
Moradora do Morin e representante comercial, Sandra necessita do carro para trabalhar, o que faz ser ainda mais urgente a resolução do seu problema. Ela comprou o carro, um Hyundai Tucson de cor preta, em julho de 2008. Em março de 2009, chegou a primeira multa por excesso de velocidade. O que causou espanto foi o fato de ter sido emitida após infração praticada na Estrada do Tindiba, no bairro Taquara, no Rio de Janeiro. Ela nunca esteve lá. Observando melhor a foto, pode notar também que o carro era de um modelo diferente e apresentava dois canos de escapamento e marca de uma concessionária carioca.
“Foram muitas multas desde então. Corri atrás dos meus direitos e depois de um tempo voltei a receber multas, mas o carro já estava com uma nova placa. Não fui comunicada de nenhuma mudança e o Detran pediu até que eu evitasse andar de automóvel, pois se o dono do carro clonado participasse de alguma ação criminosa a pena cairia sobre mim”, disse Sandra.
Sem conseguir resolver os seu problemas com o Detran, Sandra procurou o auxílio do advogado Márcio Tesch, através do Instituto Nacional de Defesa do Cidadão Consumidor (Indeccon), do qual ele é presidente. Desde outubro, o Detran prometeu resolver a questão emitindo uma terceira placa, mas até agora nada foi resolvido.  
“O que está acontecendo com com esta senhora é um absurdo. A corregedoria do Detran-RJ, não se sabe como, conseguiu legalizar o carro clonado e remeteu a placa nova para o clone, que ao procurar o Detran recebeu a informação de que a sua placa antiga, estando fora do sistema, se tornou fria. Como solução, foi dito a ela para não rodar com o carro, pois a sua placa não está mais no sistema”, esclareceu Márcio Tesch.
Como ela precisa utilizar o automóvel para trabalho, já passou por situações complicadas. Para não haver dúvidas, ela carrega os documentos que comprovam a sua situação perante o Detran. No carnaval desse ano, viajando dessa vez a passeio, foi parada por uma blitz na Linha Vermelha. Mesmo explicando o que aconteceu nos últimos dois anos, os policiais disseram que só não rebocaram o carro porque não havia nenhum guincho disponível na operação.
“O Detran arranjou uma nova placa para Sandra, mas desde outubro não houve solução para o caso. A colocação ainda não foi feita. O seu carro continua rodando com a placa fria, pois com o emplacamento repassado ao clonador, a dela saiu do sistema”, explicou Márcio Tesch.

terça-feira, 29 de março de 2011

Hotéis esperam que movimento de turistas volte ao normal na Páscoa

Tribuna de Petrópolis - 29/03/2011


Enquanto os hotéis e pousadas da região se recuperam dos estragos decorrentes da chuva em janeiro, uma ocasião faz gerar boas expectativas entre os empresários petropolitanos. É que no próximo mês, a Semana Santa vai contar também com dois feriados, 21 e 23 de abril, o que vai ajudar muitos empreendimentos a ter a casa cheia nestes dias. Os pacotes são oferecidos para o período de 20 a 24 de abril. 
“No ano passado tivemos 100% de ocupação, já que a hospedagem na Semana Santa tem uma boa procura. Até o momento, temos 30% das acomodações já reservadas. A nossa expectativa é conseguir fechar as reservas bem perto da data”, disse Hugo Leonardo, coordenador de eventos do Bomtempo Resort.
O resort tem pacotes entre R$ 3.540 e R$ 6.370 para o período. Crianças até cinco anos não pagam. As reservas podem ser feitas pela internet. Grande parcela dos hóspedes no Bomtempo Resort vem do Rio de Janeiro e, de acordo com Hugo Leonardo, o que tem feito mais falta nesse período é uma maior participação do turismo corporativo, que sempre foi assíduo no local e nesse ano apareceu pouco.
O Hotel Pedra Bonita também oferece um pacote de Páscoa com café da manhã e almoço incluídos. Os pacotes promocionais variam entre R$ 2.300 e R$ 2.600. As crianças acima de cinco anos pagam 20% do valor. De acordo com o hotel, o movimento já está voltando ao normal. Com 40% das vagas reservadas, a expectativa é conseguir a lotação, como ocorreu em 2010. A administração confia também no público que já conhece o local.
O Hotel Pousada dos Pirineus oferece pacotes entre R$ 1.400 e R$ 2.600 para quatro noites na Semana Santa, mas esses valores podem cair caso a pessoa deseje fazer o pagamento no ato da reserva, através de depósito bancário. O preço pode baixar em mais de R$ 100. O hotel informa que dá essa opção do depósito integral como um diferencial, já que existe no mercado a política do pagamento de 50% do pacote quando é feita a reserva.
“No ano passado foi mais tranquilo para conquistar hóspedes. Até existem algumas consultas pelos pacotes, mas a procura ainda é pouca”, disse Bruno Wanderley, proprietário do hotel e novo presidente do Petrópolis Convention & Visitors Bureau. “A recuperação na região vai acontecer. A nossa luta agora é pelo prejuízo, pois a diária é um produto perecível, se você não vende no dia acaba perdendo o produto. Esperamos que a procura na Semana Santa seja superior ao que foi no Carnaval. A região ainda atrai muita gente”, completou ele.
Bruno disse ainda que os empresários têm feito um trabalho duro para recuperar as perdas desse início de 2011 e que ainda é preciso criar condições para as pessoas voltarem a visitar a região mais rapidamente. Mesmo que os turistas provenientes do Rio de Janeiro representem uma faixa considerável,  paulistas e mineiros também costumam se hospedar na cidade nos feriados. Ele citou também que a ajuda financeira de órgão públicos como o BNDES é muito importante para a retomada do setor hoteleiro.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Copagril derrota o PEC com dois golaços de Gadeia

Assessoria Liga Futsal


Amadeu fez o segundo gol do PEC nesta noite de segunda

Poker/PEC e Copagril/Faville/DalPonte estiveram frente a frente nesta segunda-feira (28/3) pela Liga Futsal 2011 – principal competição do salonismo nacional. Com o jovem Gadeia inspiradíssimo, mais Léo Oliveira, a equipe visitante não deu chances ao rival e garantiu o resultado positivo por 4 a 3. 

Como já era esperado, o confronto em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro, foi equilibrado, com ambos os times se respeitando muito. Empurrado por sua torcida, que compareceu em bom número ao ginásio da UCP, o PEC começou melhor, pressionando mais que o adversário.

Mais uma vez em noite inspirada, Léo Oliveira, goleiro da Copagril, foi soberano na primeira etapa. Do lado fluminense, o experiente pivô Vander Carioca levava perigo a todo instante, principalmente nos giros rápidos diante dos marcadores paranaenses. Lenísio, leve em quadra, também avançava com velocidade.

No segundo tempo, bem postado, o time de Marechal Cândido Rondon calou a torcida petropolitana. Após rebote do goleiro Danilo, o capitão e fixo Renan (expulso aos 36 minutos) aproveitou a sobra para balançar rede fluminense – 1 a 0.

Sem se abater, o Poker/PEC deixou tudo igual no marcador. Régis avançou pela ala esquerda e, com um passe preciso na diagonal, encontrou o pivô Andrey na segunda trave, que num toque lindo de letra só tirou do guarda-meta adversário - 1 a 1.

Restando menos de oito minutos para o encerramento do jogo, Gadeia, sempre ele, tocou por baixo das pernas de Lenísio, livrou-se do arqueiro adversário e estufou a rede. Na sequência, novamente Gadeia, atacou pelo meio e bateu sutilmente na saída de Danilo, terceiro gol da Copagril, segundo do jovem ala.

Os gols continuaram ocorrendo. Enquanto Amadeu descontou para o PEC, Dyego, por cobertura, assinalou o quarto e último gol paranaense na noite. Lenísio, de pênalti, fez o seu e recolocou os locais na partida, mas não evitou a primeira derrota no interior do RJ – 4 a 3, placar final.

“Faltou velocidade a nossa equipe para chegarmos mais forte nos espaços vazios. Podíamos ter aproximado mais dentro de quadra, compactando nosso jogo, mas no fim saímos daqui com um grande resultado”, declarou Marquinhos Xavier, satisfeito com a quarta vitória paranaense.

Para o jovem fixo Amadeu, o Poker/PEC vacilou no período final. “Atacamos bem e marcamos bem, principalmente na primeira etapa. Fizemos uma boa partida, onde fomos mais ofensivos e tivemos mais equilíbrio durante o jogo, mas infelizmente deixamos o ritmo cair após o intervalo e eles venceram”, disse o autor do segundo gol petropolitano.

Serrano bobeia, mas arranca empate no fim

Assessoria Serrano

O Serrano deixou escapar mais uma vitória em casa
O Serrano enfrentou o Villa Rio em casa, no último domingo e empatou em 2 a 2. O Leão da Serra apresentou maior volume de jogo, na maior parte da partida, saiu na frente, mas cochilou e levou a virada. No fim, ainda conseguiu o empate e buscou a vitória até o fim.
Apesar do empate, o Serrano assumiu a liderança do grupo, já que o América de Três Rios não jogou nessa rodada e se manteve com nove pontos. Os gols do confronto foram marcados por Thiaguinho (contra) e Willian para o Serrano, Jéferson e Hugo anotaram para o Villa Rio.
A arbitragem foi muito confusa, principalmente no lance do primeiro gol do Serrano e foi alvo de muita reclamação dos dois lados. A partida que estava marcada para às 15h30, esteve perto de não acontecer devido a forte chuva que caiu sobre o Estádio Atílio Marotti. Porém a chuva parou e o árbitro decidiu iniciar a partida, com 30 minutos de atraso.
                                
O JOGO

No primeiro tempo, a partida estava muito brigada no meio e as poças atrapalhavam a bola a rolar. O campo estava muito escorregadio o que fez aumentar o número de faltas. Logo aos nove minutos de jogo, André Nunes levou cartão amarelo.
Com o passar do jogo, o Serrano passou a pressionar, principalmente com Alexandre Dragão e Matheus, o time levava muito perigo, porém a água atrapalhava o time do Serrano, que se mostrava mais técnico.
Duílio pedia mais agressividade para o time no ataque, e aos 35 minutos Douglas, de cabeça, fez a bola raspar o travessão do goleiro do Villa Rio.
No primeiro tempo houve muitas paralisações para atendimento e o árbitro deu apenas um minuto de acréscimo o que revoltou o técnico Duílio. E, assim terminou o primeiro tempo tudo igual 0 a 0.
Para a segunda etapa o Serrano voltou com uma modificação, Edvan entrou no lugar de Victor Santos. O Villa Rio também mexeu, colocou André Luiz no lugar de Rodrigo, que também levou um cartão.
O Leão da Serra começou a segunda etapa partindo para cima em busca do gol e conseguiu logo aos oito minutos. Joel recebeu lançamento, entrou pela direita e cruzou para Edvan, mas o árbitro deu gol contra de Thiaguinho. Os jogadores comemoraram, mas o assistente levantou a bandeira. O árbitro foi consultar o assistente e concedeu o gol para o time da casa: 1 a 0 Serrano.
Depois do gol, time petropolitano sofreu um apagão e aos 11 minutos a zaga serranista falhou, Jéferson aproveitou entrou pela esquerda de ataque, driblou o goleiro e chutou para fazer o gol de empate: 1 a 1.
Quatro minutos depois, Fredson avançou pela esquerda e cruzou para Hugo marcar o segundo: 2 a 1 para o Villa Rio.
A virada deixou o Serrano nervoso e Duílio aproveitou a parada técnica para pedir calma ao time e colocou o meia Chicão no lugar de Matheus.
O Leão da Serra partiu em busca do empate, mas parava em um adversário que se segurava muito na defesa.
O jogo permanecia difícil. Até que aos 33 minutos, Alexandre Dragão entrou driblando pela direita e sofreu falta ao lado da grande área. Marcos Vinícius, do Vila Rio, levou o segundo amarelo e foi expulso. Na cobrança da falta, Júlio achou Willian Xavier, que subiu mais do que todo mundo e em uma testada certeira conseguiu o empate: 2 a 2.
O gol acordou os jogadores que aumentaram a pressão em busca da virada. Em um último suspiro, após chute de Júlio o time petropolitano quase virou, mas o goleiro fez boa defesa e assim terminou o jogo, tudo igual: 2 a 2.

Campanha arrecada chocolates para crianças

Tribuna de Petrópolis - 27/03/2011


Sagati vai repetir nessa Páscoa a campanha que já promove há cinco anos: ele está arrecadando chocolates para doar a crianças carentes da cidade

Pelo quinto ano consecutivo, Marcos Borges, o Sagati, realiza a campanha de arrecadação de chocolate para as crianças de comunidades carentes de Petrópolis. Ele é presidente da Associação de Moradores do Sítio do Pica-Pau, no Dr. Thouzet, e não se limita a ajudar somente a sua comunidade. Neste ano, pretende superar a marca de 2010, quando atendeu as localidades Chapa 4 e Chapa 6, no Valparaíso; a Rua Itália, no Vila Militar; Siméria; Capitão Paladini; Serrinha, no Independência; e o próprio Sítio do Pica-Pau.
“É o quinto ano que realizo a campanha e tenho como objetivo levar esperança e alegria para as crianças carentes. Esse movimento não tem nada a ver com política, só queremos ajudar o próximo. É uma iniciativa do povo para o povo. Não tenho vergonha em pedir ajuda, se não for assim nem tem como fazer”, disse Sagati.
Em 2010, foram arrecadadas 150 caixas de bombom, que renderam mais de 1000 kits. Ele separa os bombons em pequenos pacotes para render o maior número possível de kits, que vão atender algumas comunidades carentes da cidade. Para 2011, a expectativa é arrecadar 250 caixas de bombom e fazer a distribuição em 11 comunidades. A entrega será feita no sábado, dia 23/04, e no domingo de Páscoa. No domingo, o Sítio do Pica-Pai tem a preferência, enquanto os outros locais devem receber os donativos no dia anterior.
“Fazemos campanha na Páscoa, no Natal e Dia das Crianças. Quem contribui e acredita nas nossas ações leva esperança para as crianças mais necessitadas. Nosso grande objetivo é ajudar o máximo de pessoas possível. Por isso, solicito aos leitores da Tribuna de Petrópolis que ajudem”, completou ele.
A caixa de arrecadação fica na Rua do Imperador, 195, em frente a uma casa lotérica, de segunda a sábado, de 15 às 19h. Outros pontos também servem como local de coleta: Salão Artista do Cabelo, no Shopping Mercado Estação, e o Salão Municipal, no Edifício Municipal. O líder comunitário Sagati também disponibiliza um telefone de contato para os interessados em colaborar com a campanha: (24) 8815-8416 begin_of_the_skype_highlighting            (24) 8815-8416      end_of_the_skype_highlighting


sexta-feira, 25 de março de 2011

Bolsa de bebê escondia papelotes de cocaína

Tribuna de Petrópolis - 25/03/2011


Com o filho de apenas dois meses no colo, a mulher e o homem que a acompanhava foram presos em flagrante

O tráfico de drogas sempre busca um jeito de inovar e, assim, continuar burlando as leis. Ontem, dois casos demonstraram as diferentes facetas usadas pelos traficantes no transporte de substâncias ilegais. Em um deles, D.M.R. usava a bolsa de seu bebê, de apenas dois meses, para transportar 140 papelotes de cocaína. Outras três pessoas também foram presas. Pouco depois, um homem foi flagrado transportando cocaína e maconha. O material estava escondido em pacotes  de fraldas descartáveis e também em embalagens de uma mistura para mingau. A operação foi realizada pelo Grupo de Ação Tática (GAT), do 26°BPM de Petrópolis, com equipe comandada pelo sargento Clemente. As ações foram feitas na subida da serra, próximo ao Duques. Balanço: 1,7kg de cocaína e 10 trouxinhas de maconha apreendidos, com prejuízo de R$ 6,8 mil para o tráfico.
A operação para prender os traficantes começou na tarde de ontem, quando um ônibus da linha  Caxias x Petrópolis foi abordado na subida da Serra, em operação do GAT, que fez a apreensão de 140 papelotes de cocaína. O detalhe é que desta vez a droga estava com uma mulher, que carregava um bebê dois meses. Os papelotes estavam na mesma bolsa onde ficavam os pertences da criança. A droga era trazida para a Comunidade do Alemão.
A mulher, de 29 anos, ainda alimenta a criança com o leite materno, o que se configurou em um ótimo disfarce, já que poucos desconfiariam dela. A droga foi comprada na favela do Jacaré, no subúrbio do Rio de Janeiro, por R$ 900, e a mulher recebeu R$ 300 pela ação. Ela estava acompanhada de E.S.L, de 27 anos, que também acabou preso após confirmar que sabia da existência da cocaína. Os policiais realizaram a operação depois de receber uma denúncia anônima. 
Os policiais suspeitavam que o casal estaria servindo de “mula” – pessoa usada por criminosos para transportar a droga ilegalmente por fronteiras policiadas, mediante pagamento – para algum traficante da cidade. E a suspeita foi confirmada. Eles conseguiram capturar I.H.S.P., de 25 anos, que esperava a chegada da droga na Comunidade do Alemão. Junto dele, também foi presa T.M.R., de 20 anos, irmã da mãe do bebê. 
Pouco depois dessa operação, a mesma equipe do GAT abordou um outro ônibus proveniente de Duque de Caxias. Dessa vez, foram apreendidos 200 papelotes de cocaína e 10 trouxinhas de maconha. A droga vinha da  favela Dois Irmãos, que fica nas proximidades de um shopping, nas margens da Rodovia Washington Luís. Um homem foi preso. A droga também era trazida para a Comunidade do Alemão.
De acordo com os cálculos feitos pelos agentes do GAT, os papelotes são comprados por R$ 5, preço médio do mercado no Rio de Janeiro. Cada papelote tem cinco gramas de cocaína. A droga costuma ser vendida por R$ 20 em Petrópolis, sendo assim, o prejuízo para o tráfico local chega a  R$ 6,8 mil.

PEC confirma subida e chega a terceira vitória seguida

Assessoria Liga Futsal

Vander Carioca deixou a sua marca ontem
O Poker/PEC conquistou mais uma grande vitória jogando em casa nesta primeira fase da Liga Futsal. Jogando na noite desta quinta-feira (24/3), no ginásio da UCP, em Petrópolis (RJ), o time petropolitano jogou muito bem e bateu o Praia/Pepsi/Velox, de Uberlândia (MG), pelo placar de 6 a 1. Com o resultado os fluminenses chegaram aos nove pontos ganhos, se igualando ao Santos que ainda jogará nest data. O Praia se manteve com três pontos ganhos, e pode ser ultrapassado na classificação geral do torneio.

Na primeira etapa os times buscaram o ataque, principalmente o Poker, que estava sendo apoiado por sua torcida que esteve em bom número no ginásio da Universidade Católica de Petrópolis. Mas a equipe do Praia Clube se defendia muito bem e rechaçava a maioria dos ataques fluminenses na partida.

Com muita velocidade no ataque o Poker criava, mas esbarrava na forte marcação mineira, que também se utilizou do artifício da falta para parar os ataques petropolitanos. Mas isso durou até que, em uma infelicidade, Musquito acabou se atrapalhando e marcando um gol contra, a favor do PEC.

Com a vantagem no placar o time fluminense melhorou seu rendimento em quadra e passou a atacar com mais organização. Com insistência no ataque o Poker/PEC anotou seu segundo gol. E ele saiu dos pés de Lenísio que, em boa finalização, venceu o goleiro Bruno. Foi o primeiro gol do pivô com a camisa do Poker.

No final do primeiro tempo os gols continuaram saindo. Vander Carioca, em bom chute, ampliou para o Poker. O Praia esboçou uma reação, e descontou em chute de Éder, mas logo na saída de bola o time da casa ampliou a vantagem em uma bomba de Lenísio, que anotou o segundo tento em quadra.

Na segunda etapa o Poker continuou melhor, mas o ritmo do jogo caiu um pouco. A partida se manteve sem movimentação no placar até os minutos finais, quando os petropolitanos ampliaram em finalizações de Régis e de Andrey. Até os minutos finais o time do Praia tentou descontar, mas o placar não se modificou.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Distribuição de donativos ainda gera reclamações

Tribuna de Petrópolis - 24/03/2011


Vítimas da chuva na cidade estão recebendo uma ajuda e tanto: 50 fogões e 50 geladeiras doados pelo o jogador de futebol Dejan Petkovic, do Flamengo. As unidades foram compradas com recursos de uma campanha feita por ele, que arrecadou os  R$ 33 mil utilizados agora,   além de recursos do próprio jogador. A entrega dos donativos às famílias  atingidas pelo temporal já começou a ser feita. 
Apesar da iniciativa positiva, a campanha já gerou confusão: muita gente que perdeu tudo o que tinha tentou e não conseguiu acesso ao material. É o caso de uma moradora da Estrada do Gentio que perdeu a casa e agora, beneficiada pelo aluguel social, mora em uma casa na Estrada Itaipava-Teresópolis. Para ela, a distribuição deveria ser mais justa. “Logo depois da enchente chegaram várias doações, principalmente à Paróquia Nossa Senhora de Fátima, em Madame Machado, que atende também o Vale do Cuiabá. Mas não consigo pegar nada lá”, lamenta. 
Segundo informações da  Mitra Diocesana, a Paróquia Nossa Senhora de Fátima de Itaipava recebeu as 50 geladeiras e os 50 fogões e a doação das peças será feita para as famílias do Vale do Cuiabá que foram atendidas e cadastradas na paróquia, priorizando as mais necessitadas. “Em Madame Machado, o atendimento está sendo feito mediante cadastro na paróquia, junto com entidades locais. Isso significa que estes eletrodomésticos não são para qualquer pessoa que sofreu perdas, mas para os cadastrados”, diz a nota.

Mudanças garantem mais fluidez no trânsito em entroncamento de ruas

Tribuna de Petrópolis - 24/03/2011


Embora ainda exista retenção no trânsito, motoristas admitem que a situação melhorou após mudanças na região

O entroncamento das ruas Santos Dumont, Benjamin Constant, Silva Jardim, Caldas Viana, Paulo Barbosa e Souza Franco parece, enfim, estar gerando menos problemas do que gerava há alguns meses atrás. De acordo com alguns motoristas, a presença de guardas municipais explica, ao menos em parte, a melhora do tráfego no local, mas a faixa seletiva da Souza Franco ainda gera discussões, pois a quantidade de coletivos não seria grande o suficiente para justificar a existência da Faixa Livre.
Assim que foi implantada, a Faixa Livre reduziu consideravelmente o tempo de viagem no trajeto das linhas provenientes do Alto da Serra e adjacências, região que contempla mais de 40 mil pessoas, como informou a Prefeitura Municipal. A medida seria apenas um dos projetos desenvolvidos para melhorar a fluidez do trânsito no corredor Centro x Alto da Serra. Agora, a reclamação dos motoristas é que a fila de carros que se forma na outra faixa poderia ser diminuída, caso fosse possível utilizar também a faixa dos coletivos. Eles também dizem que a  rua deveria ser vistoriada por guardas municipais.
As ruas são muito estreitas e a melhor forma de fazer o trânsito fluir é coibir o estacionamento irregular nestas vias. Dessa forma, na última quinta-feira, dia 17, cerca de 80 veículos foram notificados pelos guardas municipais na Benjamin Constant. A maioria dos veículos seria de frequentadores de uma igreja evangélica naquela localidade. Na mesma rua também é grande a quantidade de alunos da Universidade Católica de Petrópolis (UCP), que não podem mais parar os veículos no pátio. Alguns deles também já foram multados.
Na Santos Dumont, o horário de saída de colégios faz com que grande parte da via seja utilizada como estacionamento enquanto muitos pais aguardam a saída dos alunos.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Biblioteca do Museu para os petropolitanos

Tribuna de Petrópolis - 23/03/2011


Desde ontem o público tem uma nova entrada para a Biblioteca do Museu Imperial. Os visitantes vão poder agora acessar o setor, que possui 60 mil títulos, pelo Bosque do Imperador, das 13h30 às 17h30. A biblioteca recebe muitos historiadores e pesquisadores e quer se tornar um espaço voltado também para os petropolitanos, que ainda são minoria no local.
“A cidade de Petrópolis tem lugares lindos, mas que não são valorizados. O museu tem um espaço maravilhoso para caminhadas e muitos petropolitanos não conhecem. É a mesma coisa com a biblioteca, queremos que seja um espaço de cultura para conhecer a nossa própria história. Recebemos um público maior de fora, mas queremos mudar isso”, disse Cláudia Maria Souza Costa, historiadora e responsável pelo setor.
A entrada da biblioteca sempre foi pelo Bosque do Imperador, como explica Cláudia Costa, mas há cinco anos estava fechada. Agora, a acessibilidade foi levada em conta e cadeirantes podem também ter acesso ao setor. “Era uma dívida que nós tínhamos, mas antes disso precisávamos garantir a segurança, como fez a diretoria. Estamos devolvendo o acesso, mas ainda faltam melhorias como a instalação de um corrimão”, declarou Cláudia.
A biblioteca recebe historiadores, estudantes de história, de arte e até de genealogia e heráldica. A cidade possui uma boa demanda de pesquisadores, como os membros do Instituto Histórico de Petrópolis (IHP). No site do Museu Imperial – www.museuimperial.com.br – já existe a biblioteca online, onde as pessoas podem fazer seus pedidos por e-mail, o que constitui grande parte das solicitações de obras. Para mais informações, é só entrar em contato através do e-mail biblioteca@museuimperial.gov.br  ou dos telefones 2245-4162 e 2245-4182.
Nos próximos meses, o Museu Imperial vai ganhar mais duas bibliotecas, voltadas para diferentes públicos. A biblioteca infantil Rocambole vai funcionar no prédio anexo ao Pavilhão das Viaturas e deve ser inaugurada em dois meses, provavelmente na Semana Nacional de Museus, que será celebrada entre os dias 16 e 22 de maio. O espaço poderá ser visitado por muitas crianças que já frequentam o local durante todo o ano.
A outra biblioteca será montada na Casa Cláudio de Souza. “A casa está sendo restaurada e depois vamos transferir o acervo Cláudio de Souza do museu para o local. Uma sala receberá também uma exposição de peças que pertenceu ao acadêmico. Queremos transformar aquele prédio em uma casa que ofereça serviços à população. Serão feitas modificações para que o público frequente aquele ambiente. Vamos propor leituras das peças e até algumas apresentações”, disse Maurício Vicente Ferreira Júnior, diretor do museu.

Buracos: um risco para motociclistas no Centro

Tribuna de Petrópolis - 23/03/2011


O buraco, normalmente, é coberto por pó de pedra até o asfaltamento

Ontem ocorreram três acidentes que, se não foram graves, serviram para alertar os motoristas que passam diariamente pela Rua Fonseca Ramos. Um deles aconteceu por volta das 10h, perto da entrada da Estrada da Saudade, com Valmir Xavier, que pilotava a sua moto quando esta desviou em um buraco na pista, dentro da curva. Ele acabou perdendo o controle da mesma e batendo, próximo ao número 453. Um ônibus também passava pela rua. Valmir bateu com a cabeça no muro, mas, como usava o capacete, nada sofreu. 
“Desde que asfaltaram a Fonseca Ramos, é recorrente o surgimento de buracos, principalmente na mão de quem desce a rua em direção à Estrada da Saudade e Quissamã. O pior é que não existem placas indicando o perigo e nem que está em obras quando eles fazem estes reparos. Cortam um pedaço do asfalto, colocam o pó de pedra, mas demoram para asfaltar novamente”, disse Valmir.
O piloto disse que estava devagar, até porque conhece a rua. Uma moradora que viu o acidente foi a primeira a socorrê-lo. Ele não sofreu ferimentos, apesar de ainda sentir dores em algumas partes do corpo horas depois. A Polícia chegou dez minutos depois ao local e Valmir já estava lúcido. Enquanto esperava a chegada dos policiais e se recuperava do acidente, o próprio piloto é quem sinalizava o local e alertava os motoristas do perigo.
“Se a rua continuar com esses problemas, pode acontecer um acidente grave aqui em breve. Devo ter um prejuízo de R$ 4 mil com a moto, mas eu já estou bem”, completou ele.
Ninguém ficou ferido nos outros dois acidentes, ambos com motociclistas.
A Secretaria de Obras esclareceu, através da assessoria de comunicação da Prefeitura Municipal, que na Rua Fonseca Ramos estão sendo feitos reparos no asfalto em diversos pontos. Partes do asfalto que tinham rachaduras e buracos estão sendo retirados para a aplicação da nova pavimentação. Ainda de acordo com a secretaria, o serviço deve ser finalizado ainda nesta semana, caso não chova. A Companhia Petropolitana de Trânsito e Transportes (CPTrans) encaminhará dois agentes de trânsito para controlar os veículos que passam pela rua.

Serrano acerta com volante ex-Fluminense

Assessoria Serrano

Léo recebe a camisa na chegada ao Serrano

O Serrano acertou a contratação do volante Léo Barcellos para reforçar o time na disputa do Campeonato Carioca da Série C. O volante, de 20 anos, traz grande experiência na bagagem. Léo passou sete anos nas categorias de base do Fluminense e teve passagens pela Inglaterra e Espanha.
O jogador está voltando agora para o Brasil e apesar de jovem quer ajudar o time com a experiência que obteve no tempo em que ficou longe de casa. A saudade foi um dos pontos que o trouxe de volta. No entanto, ele destaca que o bom projeto que está sendo desenvolvido no Leão da Serra foi o principal deles.
- Passei três meses na Inglaterra, depois fui para um clube da Catalunha, onde fiquei mais quatro meses, mas ficar longe da família é complicado, por isso resolvi voltar. Além disso, o projeto do Serrano é excelente, é mais um passo na minha carreira. Vou tentar passar minha experiência para os meus companheiros e também quero ajudá-los a lidar com a pressão da torcida, que aqui em Petrópolis é grande, ainda mais porque desde 2002 o clube não monta uma equipe competitiva – afirmou o jogador mostrando estar por dentro do histórico recente do Leão da Serra.
Léo já está inscrito na federação e seu nome já aparece no BIRA, porém ainda falta uma liberação da Federação Inglesa de Futebol. Além da documentação pendente, Léo também ainda não tem condições físicas de atuar, mas deve estar pronto em breve.
- Se tudo correr bem, mais dez dias e eu estou pronto para atuar.
Duílio elogiou a contratação do jogador e as suas características. O comandante acredita que o atleta vai se encaixar bem na equipe
- Ele é um jogador que tem boa experiência, sabe desarmar e sair bem para o jogo. Além disso, ele tem uma boa noção do jogo. É o complemento que precisávamos para o prosseguimento da competição – disse o comandante.

Nome: Leonardo Barcellos
Posição: Volante 
Data de nascimento: 29/01/90
Cidade natal: Petrópolis 
Clubes:
Fluminense (2002-2009)
Tranmere Rovers - Inglaterra (2009-2010)
Lliça de Vall - Catalunha - ESP (2010)

PEC vence e conquista segundo triunfo consecutivo

Assessoria Liga Futsal


Alvim fez o gol da vitória do PEC ontem

O Poker/PEC (RJ) começa a mostrar sua força na Liga Futsal 2011. Nesta terça-feira (22/3), o time fluminense estreou diante de seu torcedor com uma vitória por 2 a 0 sobre o V&M Minas (MG), no ginásio do Bingen, em Petrópolis (RJ). Foi o segundo triunfo consecutivo da equipe, que chegou aos seis pontos na tabela de classificação. Já o Minas perdeu a primeira partida e segue com três.

Os dois times voltam à quadra na próxima quinta-feira (24/3) pela Liga 2011. Novamente em casa, o Poker recebe o Praia/Pepsi/Velox (MG), às 19h15. Já o Minas continua no estado do Rio de Janeiro, onde enfrenta o Macaé Sports (RJ), às 20 horas, no ginásio Maurício Bittencourt, em Macaé (RJ).

Jogando em casa, o Poker partiu logo para o ataque, e, aos 3min17, o pivô Vander Carioca acertou chute colocado e abriu o placar para a equipe fluminense. Com o gol, a equipe da casa teve mais tranqüilidade para atuar e teve chances de ampliar o marcador, mas não conseguiu. Por outro lado, o Minas saiu mais para o jogo e teve suas oportunidades, mas esbarrou na falta de pontaria.

No segundo tempo, o Poker usou a mesma estratégia da primeira etapa, e, logo na primeira chance, conseguiu aumentar a vantagem. Aos 22min53, o ala Alvim recebeu passe e tocou com precisão para marcar o segundo do time da casa. 

Em desvantagem, o Minas precisou sair para o ataque, enquanto o Poker posicionou-se para buscar nos contra-ataques as chances para garantir a vitória. Apesar das boas chances criadas pelos dois lados, o placar não foi mais alterado e o time fluminense comemorou a segunda vitória seguida na Liga.

terça-feira, 22 de março de 2011

Quando o Dia se Fez Noite: Duas Estórias de Zico Contra o Flamengo

"O pior foi a espera...aguardando a hora de fazer uma coisa que jamais imaginei: jogar contra a camisa que foi minha metade da vida. Uma sensação muito desagradável"

O Flamengo ainda sangrava a perda de Zico para a Udinese, e fez as malas para ir à Itália. Era o dia 20 de junho de 1983 e, na véspera, o time havia realizado sua primeira partida desde a venda de seu maior ídolo. Sem alma, o Flamengo perdeu um amistoso para o Uberlândia. Mas não havia tempo para lamentos e um dia após a derrota a delegação já estava no Galeão, para seguir rumo ao Mundialito de Milão. Antes, no entanto, uma amarga pausa em Udine. Zico estrearia pela Udinese justamente contra o Flamengo. Na fila do embarque, perguntado se estava pronto para enfrentar Zico, Mozer nem levantou a cabeça para responder: “Nunca vou estar pronto para isso.”
Zico também não estava pronto para enfrentar o Flamengo. Era para ele a festa no estádio de Friuli no dia 22 de junho, mas Zico não estava para festas. O jogo marcava também a despedida de Surjak do time italiano, e Zico entraria em seu lugar aos 40 minutos do primeiro tempo para jogar somente até o final daquela etapa. Cinco minutos que pareceriam séculos.
Do banco, com a camisa do adversário do Flamengo, Zico viu o time que defendeu desde a adolescência desnorteado. Dificilmente escaparia de uma goleada e ele não só não poderia ajudar, como estava do outro lado. A Udinese vencia por 2×1 quando Zico foi chamado para o aquecimento, sob aplausos. Aos 40 minutos, entrou no lugar de Surjak. Zico estava contra o Flamengo.
Estava? O primeiro lance de Zico com a camisa da Udinese foi um lançamento logo, de trinta metros. A bola parou no peito de Júnior. Nada poderia ser mais emblemático. Pouco depois, Zico tentou e errou uma tabela. Seu corpo estava na noite do Friuli, sua alma estava no Maracanã. E acabou o primeiro tempo.
Disse Zico: “O pior foi a espera pelos cinco minutos, sentado no banco de reservas do meu novo clube, aguardando a hora de fazer uma coisa que jamais imaginei: jogar contra a camisa que foi minha metade da vida. Uma sensação muito desagradável, porque eu via que o Flamengo não estava bem.” O jogo seguiu sem Zico e a Udinese, perdendo muitos gols, venceu por 4×2. Mais tarde, todos os rubro-negros puderam ouvir, pela Rádio Tupi, o relato de Mozer
sobre o que sentiu quando Zico entrou em campo: “Foi como se um dia de sol, de repente, virasse noite”.
Pelo menos para um rubro-negro, a estranha sensação de ver Zico contra o Flamengo havia acontecido dois anos antes. Zé Carlos era o goleiro dos juniores do Flamengo em 1981, e o time de garotos foi chamado para enfrentar a seleção brasileira principal, no dia 5 de maio. Era apenas um coletivo no Maracanã, parte da preparação do Brasil de Telê Santana visando a excursão européia. Nada disso importava a Zé Carlos, que só tinha um pensamento: “Zico vai jogar contra o Flamengo e eu sou o goleiro”.
O Maracanã estava fechado para o público, mas Zé Carlos sentia aquelas arquibancadas lotadas. A seleção, de camisas de treino, cercava os juniores do Flamengo, com suas camisas de jogo. “Eu não posso deixar Zico fazer um gol contra o Flamengo”, repetia mentalmente o jovem goleiro. César marcou 1×0 para a seleção e o treino se aproximava do final, com Zico jogando longe da área.
Então aconteceu um pênalti. Para todos, só mais um lance do coletivo, que seria esquecido na história. Para Zé Carlos era um pênalti que Zico cobraria contra o Flamengo, com ele no gol. Zico contra o Flamengo era a inversão da ordem natural das coisas, mas lá estava ele ajeitando a bola na marca fatal.
Zé Carlos via quase todos os dias Zico cobrando pênaltis na Gávea. Canto direito, canto esquerdo, não havia como prever. O único padrão era a bola entrando rente ao poste. Não bastava acertar o lado, era preciso saltar como nunca.
Com o sol na cara, Zé viu seu ídolo correr para a bola e pensou “vou para o canto esquerdo”. Quando Zico firmou o pé de apoio, Zé Carlos voou com as mãos espalmadas. Em câmera lenta, viu a bola crescer em sua direção, mas não parecia possível alcançá-la. Esticou os braços até o limite da musculatura e, de olhos fechados, sentiu que algo havia tocado a ponta de seus dedos. Quando caiu no chão, abriu os olhos. A rede não estava balançando e a bola quicava além da linha de fundo.
Zico se aproximou do jovem Zé Carlos, passou a mão em sua cabeça e disse: “Boa, garoto”. Mais tarde, no ônibus a caminho de casa, o goleiro não parava de pensar que havia evitado o incestuoso gol de Zico contra o Flamengo, e chorava um choro tão silencioso quanto o Maracanã vazio naquela tarde de terça-feira. Quando fechava os olhos, ainda podia ouvir a voz de Zico: “Boa, garoto”.
Há uma terceira história de Zico contra o Flamengo. Ela aconteceu no dia 21 de junho de 1994 e o Flamengo venceu o Kashima Antlers por 2×1. Mas essa é uma história que não vai ser contada, porque o dia em que Zico abandonou os gramados não deveria jamais ter existido.
Texto de Mauricio Neves (@flapravaler) publicado no Urublog.

Comunidade japonesa em Petrópolis se mobiliza para ajudar os conterrâneos

Tribuna de Petrópolis - 22/03/2011


A catástrofe que atingiu o Japão ainda provoca abalos não só no distante país asiático, mas também na família de muitos brasileiros que possuem parentes e fortes ligações com aquela comunidade. A Associação Nikkei de Petrópolis (ANP) busca uma forma de poder ajudar os atingidos pelo terremoto e a tsunami. Em todo o Estado do Rio, são 24 associações que tomaram a iniciativa de abrir uma conta bancária para arrecadar o dinheiro que será enviado ao Japão. No Brasil, é comum arrecadar alimentos e roupas para as vítimas das tragédias, mas, para esse caso, Kathia Yamamoto explica a opção pelo dinheiro.
“A nossa alimentação é muito diferente da deles, até o arroz que eles comem é completamente diferente do nosso. Além disso, os alimentos não podem chegar aos locais mais atingidos no momento, pois não há transporte. É inverno agora e neva bastante. Sendo assim, preferimos arrecadar dinheiro para a reconstrução do país. Os alimentos podem ser conseguidos com os países vizinhos”, disse Kathia, que é da ANP.
A Associação Cultural e Esportiva Nipo-Brasileira do Estado do RJ (Renmei), que é a sede das associações Nikkei no Rio, promove a campanha para ajudar desabrigados no Japão junto com outras entidades. É possível depositar qualquer quantia conta corrente para a doação em solidariedade: Comitê de Eventos Comemorativos Brasil-Japão – Bradesco – Agência 0469-3 – Conta Corrente 131.794-6 - CNPJ: 03.847.219/0001-19.