domingo, 27 de fevereiro de 2011

Meio século da morte de Roberto Silveira

Tribuna de Petrópolis - 27/02/2011


Na época, Roberto Silveira era figura de destaque da política nacional. / Arquivo Sylvio de Carvalho

Há 50 anos, Petrópolis viveu uma de suas maiores tragédias. O acontecimento trágico foi um acidente aéreo que o Brasil inteiro acompanhou, de acordo com jornais e revistas da época. Uma das vítimas foi Roberto Silveira, que era uma destacada figura da política nacional, ativista do PTB e seguidor de Vargas no Estado do Rio de Janeiro. Rapidamente conseguiu avançar na política estadual e foi eleito governador em 3 de outubro de 1958, derrotando Getúlio Barbosa de Moura (PSD). O acidente de helicóptero nos jardins do Palácio Rio Negro, em 20 de fevereiro de 1961, pôs fim à carreira do jovem político.
Roberto Teixeira da Silveira nasceu em Bom Jesus de Itabapoana, em 11 de junho de 1923, formou-se pela Faculdade de Direito em Niterói e trabalhou no jornal Diário da Manhã. Filiou-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e, em 1946, foi nomeado oficial de gabinete do governador fluminense Lúcio Meira. Depois, seguiu com dois mandatos consecutivos de deputado estadual. Antes de completar a segunda legislatura, integrou o governo de Amaral Peixoto e exerceu o cargo de secretário do Interior e Justiça,
Ele esteve aqui na cidade na inauguração do Liceu Municipal, em 7 de novembro de 1953, em uma solenidade que contou ainda com o deputado Celso Peçanha, que viria a ser vice-governador do próprio Roberto. No ano seguinte, Roberto Silveira conseguiu ser eleito vice-governador na chapa de Miguel Couto Filho, a quem sucederia. Conseguiu confirmar seu grande prestígio junto ao eleitorado fluminense se elegendo governador em 3 de outubro de 1958. Nessa função, desenvolveu forte ligação com a cidade, local em que veio a falecer.
No primeiro mês de governo, tendo tomado posse em 31 de janeiro de 1959, compareceu à colação de grau dos primeiros formandos em Direito da Universidade Católica de Petrópolis (UCP). A solenidade foi realizada no Teatro Mecanizado do Hotel Quitandinha, no dia 28 de fevereiro, exatamente dois anos antes da sua morte. Na ocasião, ele iniciou a sua jornada como um dos mais assíduos mandatários estaduais em Petrópolis.
Já em 1960, sua presença foi constante na cidade. Esteve no VI Congresso Nacional de Estabelecimentos Particulares de Ensino, sediado entre 4 a 9 de janeiro, e inaugurou uma exposição sobre o primeiro ano de governo, no Edifício Pio XII, em 9 de abril. A exposição continha fotos de obras por todo o estado, com mais de 300 imagens feitas por Almiro Baraúna. A exposição saiu de Niterói e veio para Petrópolis, onde ficou por 15 dias. Ganhou ainda o título de Cidadão Petropolitano em 3 de agosto e inaugurou a Estrada Silveira da Mota, entre Posse e São José do Vale do Rio Preto, em 20 de agosto.
Na temporada de verão de 1961, que coincidiu com o Carnaval daquele ano, teve agenda cheia na cidade, principalmente na chamada “terça-feira gorda”. Em 14 de fevereiro, terça de Carnaval, empreendeu uma longa jornada pelos principais clubes da cidade. Em um só dia, percorreu as mais movimentadas festas. Começou pelo Petropolitano FC e depois passou pelo Serrano FC e EC Volante (que ficava no início da Avenida XV de Novembro, atual Rua do Imperador), voltando ao Petropolitano. De acordo com a edição da Tribuna de Petrópolis de 20/02/1961, “o jovem e popular político foi entregue ao entusiasmo da massa foliona”. Talvez essa alegria de pular o carnaval junto ao governador é que tenha doído ainda mais no coração dos petropolitanos.
O estado passava por uma crise de energia elétrica em Campos e Macaé. Vale ressaltar que o antigo Estado do Rio era muito mais carente do que o Estado da Guanabara, que era formado pela cidade do Rio de Janeiro. Essa carência foi preponderante para que fosse feita a fusão na década de 1970. A crise energética era grande preocupação de Roberto Silveira, tanto que nos seus últimos dias queria saber sobre a Usina de Macabu, que seria construída para tentar sanar os problemas da região.
Além dos problemas energéticos, o Norte Fluminense havia sido acometido por uma enchente. O governador então foi convencido de ir até Pádua para ver a situação dos municípios assolados pelas cheias dos rios Pomba e Paraíba do Sul. Na manhã de 20 de fevereiro, o governador saiu do Palácio Itaboraí, então residência de verão, e foi até o Palácio Rio negro, de onde sairia o voo. Ele conseguiu da Marinha de Guerra a cessão de um helicóptero, que seria pilotado pelo capitão de corveta José Eduardo Ribeiro Braga. 
O helicóptero tentou levantar voo por duas vezes e, na segunda tentativa, acabou tocando uma das construções da Avenida Koeller, bateu em uma árvore e explodiu: Roberto Silveira ainda resistiu por oito dias/Arquivo Sylvio de Carvalho 
O governador teria ainda como companhia o jornalista Luís D’Orleans Paulistano Santana, seu assessor de imprensa, e o fotógrafo Hélcio Reginaldo dos Santos, da Agência Fluminense de Informações. Às 9h45, o aparelho levantou voo, subiu um pouco, mas logo desceu ao solo. Então, o piloto tentou alçar novo voo e a seis metros de altura inclinou-se para o lado e tocou o prédio do número 255 da Avenida Koeler. A aeronave bateu com a hélice em uma árvore e explodiu antes de tocar o solo.
A primeira pessoa a prestar socorro foi Josué Marques dos Santos, que também sofreu queimaduras ao abraçar-se ao governador para conter o fogo de suas roupas. Josué era cabo da Marinha e também salvou Luis e Hélcio. Todos tinham a roupa em chamas. Quanto ao piloto, teve que ser retirado por outras pessoas. Dos quatro passageiros, só o fotógrafo Hélcio escapou com vida da tragédia.
Levados ao Hospital Santa Teresa, foram conduzidos à mesa de cirurgia onde trabalharam médicos renomados como Ivo Pitanguy, Paulo Hervê e Pimenta Bueno. O piloto José Eduardo teve diversas hemorragias e morreu no mesmo dia. Luís Paulistano sofreu queimaduras de 3º grau no rosto e ficou com a visão seriamente comprometida. Morreu no dia 21. Roberto Silveira, no entanto, agonizou por oito dias, tendo falecido no dia 28 de fevereiro.
O corpo do ex-governador foi levado ao Palácio Amarelo, sede da Prefeitura e da Câmara Municipal, onde milhares de pessoas se ajuntaram na Praça Visconde de Mauá para ver Roberto Silveira pela última vez. De acordo com relatos da época, a multidão era tamanha que a Polícia teve dificuldades para conter os que desejavam invadir o palácio. O saguão do pavimento superior foi transformado em velório.
De acordo com o historiador Gabriel Kopke Fróes, houve, então, uma verdadeira romaria: “Velhos, moços e crianças, brancos e pretos, pobres e ricos, todos irmanados no mesmo sentimento de pesar, chegavam ao velório em extensas filas, giravam em torno da urna com tampo de vidro e retiravam-se contritos, uns chorando, outros rezando”.
Antes ainda de seguir o cortejo para Niterói, o corpo de Roberto Silveira foi transportado para a Catedral, onde D. Manuel Pedro da Cunha Cintra, bispo diocesano, rezou missa de corpo presente perante grande multidão. Às 16h30, a comitiva fúnebre saiu da Catedral, passou pelo centro da cidade e seguiu rumo à Niterói, capital do Estado do Rio de Janeiro. Segundo Jorge Roberto Silveira, filho do saudoso governador, até hoje é possível encontrar manifestações de carinho no túmulo erguido no Cemitério de Maruí.

60 mil abelhas retiradas de sofá no Dr. Thouzet

Tribuna de Petrópolis - 27/02/2011
Ontem foi concluída a retirada de abelhas no Thouzet, no ponto entre o Condomínio do Parque Residencial Dr. Thouzet (BNH) e a comunidade conhecida como Sítio do Pica-Pau. O apicultor João Batista, especializado nesse tipo de ação, disse que o foco já estava controlado desde a sua primeira visita na quinta-feira. A colmeia, alocada dentro de um sofá abandonado na mata, tem aproximadamente 60 mil abelhas. Na última segunda-feira, o menino Wallace da Silva Freitas, de 10 anos, levou mais de mil ferroadas na localidade. Ele continua no CTI do Hospital Alcides Carneiro e sua situação é considerada estável.
“Não tirei as abelhas antes porque elas estavam dispersas e ficariam muitas para trás. Então, eu isolei a área e coloquei a abelha rainha dentro de uma caixa, para atrair as outras, agora o enxame completo está lá. Se sobrar alguma, elas não oferecerão risco. Se o menino tivesse caído sobre o sofá, dificilmente teria sobrevivido”, disse o apicultor.
A ribanceira com mais de 20 metros é muito perigosa e oferece riscos para as crianças que costumam brincar nas imediações. Segundo Daniel dos Reis Braga, morador das proximidades, dois dias antes outros meninos também foram atacados. É muito comum naquela área que as crianças soltem pipa e até desçam o precipício para pegá-las. Foi assim que Wallace se acidentou.
Na última semana, quando o apicultor esteve no local, foi divulgado erroneamente que as abelhas tinham sido removidas. Essa informação fez com que as crianças voltassem a brincar na área. “Infelizmente, tem garotos abusados que ficam na ponta da ribanceira. O solo ali é fofo e podem cair, bem em cima da colmeia”, disse Daniel, junto de Suziara Kronemberger, também moradora do Sítio do Pica-Pau.
As abelhas costumam procurar locais propícios para o seu processo de criação de enxames. João Batista explica que já encontrou estas abelhas, do tipo africanizada, em locais dos mais variados: “Já fiz remoção em lareiras, postes, forro de banheiro, dentro de guarda-roupas e até debaixo da cama”. O apicultor captura estes insetos e costuma levar para dois apiários, ambos na zona rural da cidade, no Brejal e no Bonfim.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Abelhas serão retiradas do Thouzet nesse sábado

Tribuna de Petrópolis - 25/02/2011

O menino Wallace da Silva Freitas, de 10 anos, que foi atacado por abelhas e levou mais de mil ferroadas, na última segunda-feira, continua no CTI do Hospital Alcides Carneiro. Ontem, o apicultor João Batista de Carvalho isolou a área em que ocorreu o acidente. A retirada das cerca de 60 mil abelhas deve ser feita neste sábado. Elas estão dentro de um sofá abandonado entre o BNH da Dr. Thouzet e a comunidade conhecida como Sítio do Pica-Pau.
O presidente da Associação de Moradores do Sítio do Pica-Pau, Marcos Borges (Sagati), já havia alertado a Prefeitura, ainda no ano passado, sobre o perigo das abelhas no local. “Quando a gente agride a natureza, ela se volta contra nós mesmos. As pessoas devem se preocupar com o meio ambiente. Se não deixassem o sofá abandonado lá, isso não teria acontecido”, disse Sagati.
O líder comunitário chamou atenção para o fato de que as autoridades não tomaram as providências necessárias. Foi preciso recorrer ao Condomínio do Parque Residencial Dr. Thouzet (BNH), que pagou o apicultor para executar o serviço de retirada das abelhas. O Festival de Pipas que aconteceria no local neste fim de semana foi cancelado, por precaução. O menino Wallace soltava pipa no dia do acidente.
“Pagamos R$ 300 ao apicultor e ele fez o procedimento correto e volta para terminar o trabalho no sábado. Foi uma fatalidade. O menino poderia ter sido picado por uma cobra ou ter tido contato com outro bicho. Ele estava no local errado. Quero deixar claro que eu não sabia que ali naquele ponto havia abelhas. Se soubesse disso desde outubro, teria tomado uma providência”, disse Renata Grion, síndica do Condomínio do Dr. Thouzet.
As abelhas atacaram Wallace no início da tarde da última segunda-feira, na mata próxima aos últimos blocos do Condomínio da Dr. Thouzet. O menino ainda teria descido uma ribanceira correndo, assustado depois do ataque. O Corpo de Bombeiros foi acionado por moradores e chegou rapidamente ao local. O menino foi encontrado caído no fim da ribanceira. Ele recebeu os primeiros socorros no local e foi levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Centro, onde foi atendido e encaminhado para o Hospital Alcides Carneiro, em Corrêas.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Acidente na Washington Luiz complica o trânsito

Tribuna de Petrópolis - 24/02/2011

A frente do Corsa ficou completamente destruída com a batida
Um acidente envolvendo dois carros e um caminhão na Rua Washington Luiz, altura do número 299, parou o trânsito em parte do Centro da cidade ontem, no fim da tarde. Por mais de uma hora, o problema provocou reflexos em toda a Rua do Imperador,  Monsenhor Bacelar, 7 de Abril, além de ruas próximas. Apenas duas mulheres que estavam em um dos carros foram levadas para o hospital com ferimentos leves. 
Segundo testemunhas, a motorista de um corsa em direção ao Centro da cidade quando bateu na traseira de um caminhão que estava parado em fila dupla. O veículo, de Teresópolis, fazia entregas em uma loja de tintas próxima ao local do acidente. Com o impacto, o caminhão acabou batendo na lateral de outro veículo, que estava estacionado.
Apesar de a Polícia Militar, a CPTrans e a Guarda Municipal terem chegado rapidamente ao local do acidente, o trânsito ficou parado por mais de 40 minutos. Muitos passageiros de ônibus que vinham dos bairros em direção ao Centro desistiram e fizeram o restante do caminho a pé.

PM busca bandidos

Tribuna de Petrópolis - 24/02/2011

Na tarde de ontem, a Polícia Militar montou um cerco para tentar capturar bandidos que assaltaram uma papelaria no centro da cidade, próxima à antiga rodoviária. O assalto ocorreu por volta das 18h e os proprietários fecharam o estabelecimento em seguida, causando medo em comércios vizinhos. Os bandidos furtaram cerca de R$ 50, mas os detalhes da ocorrência não haviam sido confirmados pela PM até o fim da edição.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Padre cantor leva 2 mil ao Terra Santa

Tribuna de Petrópolis - 23/02/2011

Pe. Marcelo Rossi é recebido por Frei Moser, coordenador do Terra Santa, e por uma multidão de fiéis
Cerca de duas mil pessoas estiveram ontem no Centro Educacional Terra Santa para poder ter autografado o livro Ágape, escrito pelo padre Marcelo Rossi, que permanece na cidade até hoje. Nestes dois dias, o sacerdote irá passar a maior parte do tempo em sessão de autógrafos e dará também várias bênçãos aos presentes, além de dois jantares beneficentes. A instituição também comprou livros, que estão à venda por R$ 20. Toda a renda do evento, junto com o que for arrecadado também nas barraquinhas de comidas e bebidas, é revertida para o Terra Santa.
Esta é a segunda passagem do sacerdote por Petrópolis. Em 27 de setembro de 2004, ele esteve na reinauguração dos sinos da Catedral São Pedro de Alcântara. Na tarde desse dia, a celebração foi presidida por Dom Filippo Santoro. Ao final do ato religioso, as atenções foram voltadas para o Parque de  Exposições, em Itaipava, onde foi celebrada uma santa missa fechando o evento. A missa com o Pe. Marcelo Rossi foi transmitida pela Rede Vida, para todo o Brasil.
Os sites de compra coletiva da cidade também ajudaram a instituição, que usará a verba do evento para a manutenção dos projetos educacionais. O Petrodesconto vendeu 12 livros e o Megabelha 62 – ambos fizeram promoções com 20% de desconto nos livros. Além de sofrer um acidente e ter machucado a perna, em maio do ano passado, o sacerdote está com uma tipóia na mão, por recomendação médica. Para divulgar o livro, já passou por 24 cidades e distribuiu mais de 100 mil dedicatórias, entre as mais de 2 milhões de unidades vendidas.
Padre Marcelo chegou às 15h20 de ontem no Terra Santa e teve um atraso provocado por acidente na subida da serra. Ao chegar ao local, o sacerdote abençoou os presentes e fez uma oração. Logo depois, foi recebido pelas irmãs do Mosteiro da Virgem, com o canto da Salve Rainha em gregoriano, na companhia do frei Antônio Moser.
“Sou católico apostólico romano, não sou artista ou escritor. Enquanto me recuperava do acidente, recebi de presente essa maravilhosa inspiração que é o Ágape. É muito gratificante que essa obra esteja salvando vidas e mudando muitas pessoas. Estando aqui, peço que continuemos com as nossas orações para aqueles que tudo perderam (nas chuvas de janeiro), mas que não perderam a fé”, disse o padre.
Neste ano, padre Marcelo vai completar 17 anos como sacerdote. Ele é formado em Educação Física e chegou até a exercer a profissão antes de entrar para o seminário, tendo sido ordenado em 1994. Ele disse que não faz nenhuma revolução na Igreja, mas quer trazer a música e a alegria para renovar e atrair os jovens. Relatou também que é um prazer poder ajudar um amigo, o frei Moser, e ainda convidou o administrador do Terra Santa e Editora Vozes para a inauguração do Santuário da Mãe de Deus, em São Paulo, ainda neste ano.
“Escolhi o Evangelho de São João, pois ele é o evangelho teológico e fala de duas passagens importantes sobre o ágape (palavra grega que significa amor) que falo no livro. Quando Jesus entrega Maria a João e quando pergunta a Pedro se ele o ama, está ali retratando o ágape: o amor na sua plenitude”, descreveu Pe. Marcelo.
Para frei Moser, a visita do famoso religioso vai ajudar a instituição, principalmente por fazê-la  mais conhecida. “A presença do padre Marcelo é uma chuva que faz a terra fértil. A vida faz com que brotem muitos frutos dessa semente e ele vai chamar a atenção de todos para o Terra Santa. Nós temos subsídio do governo, mas só isso não cobre os nossos muitos gastos. São 700 crianças e funcionários”.
O Centro Educacional Terra Santa fica na Rua Monsenhor Bacelar, número 590 – Valparaíso. A entidade tem por objetivo ser um espaço de acolhida e trabalho coletivo, onde o conhecimento produzido possa ser construído e reconstruído por todos. O convênio entre Mitra Diocesana e governo municipal mantém 400 crianças no educandário, com aulas até o 5º ano do Ensino Fundamental. A creche renovada será inaugurada na próxima segunda-feira, dia 28 de fevereiro. As crianças possuem várias atividades complementares, como dança e esportes.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Sindicato dos Comerciários tem novo presidente

Tribuna de Petrópolis - 20/02/2011

Ernane Corrêa Magalhães
Ernane Corrêa Magalhães é o novo presidente do Sindicato dos Comerciários de Petrópolis. Ele recebeu o cargo de José Aníbal dos Prazeres, que presidiu a entidade nos últimos 21 anos e vai continuar como membro da diretoria. A festa da posse foi na sede social do Petropolitano, na Avenida Roberto Silveira, embalada pelo som de Márcio Alves. Aníbal disse que já deveria ter saído na última eleição, mas a pessoa que ele preparava para substituí-lo não pôde levar a candidatura à frente. Assim teve o mandato estendido.
“O Ernane veio do balcão, é um legítimo trabalhador e tem o respeito da classe. Apoiei a candidatura dele, pois pela convivência que tivemos, sei que irá fazer um grande trabalho. Estou preparado para este momento de deixar a presidência, ninguém deve se perpetuar. Sei que cumpri o meu dever”, declarou José Aníbal.
O novo presidente do sindicato já fazia parte da diretoria há 17 anos, tendo ocupado nos últimos 12 o cargo de tesoureiro. Estiveram presentes na posse várias autoridades e presidentes de outros sindicatos, tais como o vereador Márcio Muniz; o presidente do Petropolitano, Arnaldo Rippel; o diretor da Tribuna de Petrópolis, Francisco de Orleans e Bragança e o presidente do Sindicato dos Professores de Petrópolis, Renato Freixiela.
“Na minha gestão fiz o Restaurante dos Comerciários, muito criticado na época, na Rua do Imperador e depois outro na Rua Teresa, com isso ganhamos muitos associados. Construímos também a creche, na Rua Visconde do Bom Retiro, que completa 14 anos em 2011 e tem 170 crianças matriculadas. Sei que muitos não achavam essas realizações possíveis e agora temos a sede campestre, em Barra Mansa (Estrada União Indústria, 23.540), onde a família comerciária está presente todo fim de semana”, disse Aníbal dos Prazeres, fazendo um balanço da sua gestão.
Pela experiência na diretoria do sindicato, a administração da entidade não é muito estranha para Ernane. No mandato que vai até 15 de fevereiro de 2016, Ernane disse que quer contar com a experiência do amigo e ex-presidente Aníbal, a quem conhece há mais de 20 anos. Dentro do projeto de gestão, ele tem planos de melhorar a creche e também o atendimento ambulatorial que já faz cerca de três mil atendimentos por mês. A subsede do sindicato em Itaipava vai passar também por modificações no gerenciamento, afirmou ele.
O Sindicato dos Empregados no Comércio de Petrópolis possui nove mil associados dos cerca de 15 mil trabalhadores do setor na cidade.  A sede da instituição fica na Rua Washington Luiz, 131 – sobreloja - Centro. O telefone para contato é 2237-6439.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Fim do horário de verão garante mais uma hora no dia

Tribuna de Petrópolis - 19/02/2011


Frederico gosta do horário de verão: ele aproveita o dia claro para momentos de lazer com amigos e a família

Após 126 dias, o horário de verão termina hoje, na passagem de sábado para domingo. Os relógios deverão ser atrasados em uma hora. Muita gente costuma aproveitar um pouco mais das tardes ensolaradas e retarda a volta para casa. Com um melhor aproveitamento da luminosidade natural, evita-se o consumo de energia da iluminação pública e das residências. Dessa forma, ocorre uma redução da demanda energética, que nesse ano foi de 4,4% no horário de pico, de 18h às 23h, conforme informou ontem o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).
“É muito melhor esse horário. Gosto mais do horário de verão, é muito mais agradável. Aproveito todo dia, pois saio do trabalho às 16h e nesse período tem mais dias de sol para aproveitar. O horário de verão é horário de lazer”, disse Frederico de Sá, no fim da tarde de ontem.
O horário de verão brasileiro, que começou no dia 17 de outubro de 2010, cobriu dez estados e o Distrito Federal: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Esse esquema especial de horário é utilizado por 30 países atualmente, sendo adotado primeiramente pela Alemanha, em 1916, durante a Primeira Guerra Mundial. 
“Eu levanto mais cedo todos os dias, às 5h45, para aprontar as crianças para a escola, e ainda tá bem escuro. A luz que acabo gastando de manhã é economizada à noite. Na próxima semana é bom que vai estar mais claro”, falou Maria Helena de Sá.
Quem utiliza o transporte rodoviário na rotina de trabalho ou estudo acaba sendo afetado pelo horário de verão. Os que acordam muito cedo vão ganhar uma horinha a mais de sono no fim de semana e sairão de casa com o dia mais claro nos próximos dias, mas se alguém subir a serra hoje, vindo da Rodoviária Novo Rio, tome cuidado para não perder o último ônibus, ele sai às 23h58. Quando o relógio marcar 0h e voltar para às 23h, a empresa Única-Fácil não vai considerar a virada  no horário. A empresa só voltará a operar na linha às 5h30 deste domingo.
O Brasil é o único país equatorial do mundo a adotar o horário de verão. As nações cortadas pela Linha do Equador têm uma incidência de luz solar mais uniforme durante todo o ano e dessa forma não há muita vantagem na adoção do horário de verão. De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a motivação de se estabelecer esse dispositivo no Brasil é pela segurança do sistema, para que ele opere com mais folga e as sobrecargas sejam evitadas.
Já são 37 edições do horário de verão no país. O Decreto 20.466, de 1º de outubro de 1931, inaugurou a medida no Brasil.

Lixo e entulho são motivo de reclamação de moradores de servidão no Alto da Serra

Tribuna de Petrópolis - 19/02/2011


A Comdep informou que a coleta na área é feita todos os dias à noite

Uma  servidão do Alto da Serra sofre com o acúmulo de lixo há mais de um mês. A servidão fica ao lado do número 1410 da Rua Teresa, prédio ocupado pela Igreja Universal do Reino de Deus. De acordo com Rogério Batista de Oliveira, morador da vizinhança, “tem mais de um mês que o lixo está ali, tem coleta todos os dias e esqueceram desse local. Outros pontos da Rua Teresa têm situação semelhante”.
A Companhia de Desenvolvimento de Petrópolis (Comdep) informou, através da assessoria de comunicação da Prefeitura Municipal, que não há registro de excedente de lixo nesse local, mas se comprometeu a ir à servidão, ainda ontem, para verificar o ocorrido. A companhia destaca ainda que a coleta na localidade é feita todos os dias à noite. Vale ressaltar também que em caso de retirada de entulho a responsabilidade é do próprio morador que o gerou, mas a companhia realiza essa retirada quando solicitada através do Disque-Entulho: 2243-7822.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Servidão esquecida no Ingelheim

Tribuna de Petrópolis - 18/02/2011


No primeiro distrito de Petrópolis, há locais próximos de bens tombados que ainda estão muito longe  de ser plenamente atendidos pelo poder público. Na Servidão Pedro Gall, no Quarteirão Ingelheim, o descaso deixa com que a passagem para seis casas seja feita com muita dificuldade, devido à altura que o mato atingiu na área. Automóveis que prestam serviços, como a entrega do gás de cozinha, encontram muitos obstáculos para atender aos clientes da localidade.
“É um absurdo ter essa situação aqui. Pago mais de 200 reais de IPTU e não recebo os serviços da Prefeitura. Já apareceu até cobra uma vez. O táxi não vem até a minha residência e pensam que a servidão é particular, mas é pública, pois tem mais três casas depois da minha”, declarou a moradora Vanda Campos.
Desde 1988 brigando por melhorias e já cansada de lutar pelos seus direitos, há três anos Vanda ameaçou se apropriar da servidão, mas ao visitar ao local a Prefeitura viu que se tratava de uma via pública e não permitiu a ação. Além da grande quantidade de mato, existe também o problema com a iluminação pública. Dos cinco postes que estão na servidão, somente dois funcionam. O lugar tranquilo, rodeado pela Mata Atlântica, passa a ser também ponto de encontro para o uso de drogas, como denunciam moradores.
A Companhia de Desenvolvimento de Petrópolis (Comdep) esclareceu, através da assessoria de comunicação da Prefeitura Municipal, que uma equipe que realiza capina nos bairros próximos estará, no prazo máximo de dez dias, iniciando os serviços no bairro Quarteirão Ingelheim. Com relação à iluminação, se as  lâmpadas estiverem queimadas, os moradores devem solicitar à concessionária Ampla a troca das mesmas.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Diversão para vítimas do temporal

Tribuna de Petrópolis - 17/02/2011

O Grupo Off-Sina estará na cidade neste final de semana para levar diversão às crianças no prédio dos Correios
O Grupo Off-Sina estará neste fim de semana em Petrópolis e, com o Palhaço na Praça – VIII Edição, mostra de teatro de rua e circo em praças públicas, pretende amenizar o sofrimento das famílias atingidas pelas chuvas e que hoje se encontram no Centro de Treinamento dos Correios, na Fazenda Inglesa. O grupo de atores passará também por Teresópolis, Nova Friburgo e Três Rios, onde terminam as apresentações, no dia 27 de fevereiro. O espetáculo será neste sábado, às 18h, com entrada franca.
“Eu fui ao Vale do Cuiabá na semana da tragédia e vi que essas pessoas deveriam ser atendidas logo. Primeiramente, o espetáculo seria realizado na Igreja do Divino, mas as famílias foram levadas para o Centro dos Correios. Como disse Vianinha (criador de A Grande Família): ‘O homem ri porque crê’. O nosso objetivo é fazer humor para um futuro melhor”, disse Richard Riguetti, diretor artístico do grupo.
O objetivo é levar um pouco de alegria aos moradores afetados pela tragédia, e o acordo para a realização do projeto foi firmado com a Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, que decidiu realizar esta edição nos abrigos das regiões impactadas pela chuva. “Pretendemos oferecer um projeto onde todos se sintam acolhidos e esperançosos, através do riso e da alegria do palhaço, amenizando o sofrimento psicológico de todos aqueles que viveram uma situação de catástrofe”, diz o grupo.
“Esse é um ótimo momento para o grupo se apresentar aqui. Serve para mostrar para as vítimas que elas não estão órfãs, que apesar de tudo estão amparadas pelos poderes públicos e pelas iniciativas de trabalho de voluntários. Para as crianças, principalmente, o grupo vai mostrar que a união existe e que apesar das perdas ainda serão capazes de sorrir outra vez”, declarou o presidente do Comitê de Ações Emergenciais, Luiz Eduardo Peixoto.
O grupo se apresentará no sábado, às 18h. A abertura do espetáculo E o palhaço o que é? fica por conta da Banda Rio e terá também a participação do grupo petropolitano Teatro Circense Andança. O evento é gratuito e aberto à população. No dia 20, estarão em Teresópolis, e no dia 26, em Nova Friburgo. A turnê se encerra no dia 27, em Três Rios.

Receita faz alerta contra fraude por meio de carta

Tribuna de Petrópolis - 17/02/2011

Vários contribuintes de todo o país estão recebendo correspondências solicitando atualização de dados perante a Receita Federal através de um site indicado no documento, assim como já acontecia por e-mail. O site indicado na carta falsa é http://info2010.xx10.mmx/, que não tem nenhuma ligação com o governo.
A Receita Federal destacou que a Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (DIRPF) continua sendo motivo para golpes na internet. A Receita reforça o alerta para que não abram, nem respondam mensagens que chegam em suas caixas postais eletrônicas em nome do órgão. A Receita não envia e-mails sem autorização do contribuinte e nem autoriza parceiros e conveniados a fazê-lo em seu nome.
Mensagens falsas, enviadas em nome de órgãos públicos e de empresas privadas, circulam livres pela internet. Quadrilhas especializadas em crimes digitais tentam obter, ilegalmente, informações fiscais, cadastrais e principalmente financeiras dos contribuintes. Estas mensagens, cada dia mais criativas e sempre invocando urgência, iludem o cidadão com a apresentação de telas que misturam instruções verdadeiras e falsas, que usam nomes e timbres oficiais. Em seguida, estimulam o contribuinte a responder questionamentos ou instalam programas nos computadores utilizados, que assim, acabam por repassar, a estes fraudadores, dados pessoais e fiscais.
A Receita Federal dá algumas dicas para não cair em fraudes: Não abrir arquivos anexados, pois normalmente são programas executáveis que podem causar danos ao computador ou capturar informações confidenciais do usuário; não acionar os links para endereços da internet, mesmo que lá esteja escrito o nome da Receita, ou mensagens como “clique aqui”, pois não se referem à Receita Federal”; excluir imediatamente a mensagem.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Construção de muro não tem data para terminar

Tribuna de Petrópolis - 16/02/2011

As obras no Colégio Estadual Dom Pedro II podem demorar mais que o previsto inicialmente. O muro que fica atrás da escola será demolido e outro será construído no lugar. A empresa responsável pela execução da obra, FW Engenharia, disse que até o fim de fevereiro o serviço deve estar finalizado. Já a Empresa de Obras Públicas do Estado do Rio de Janeiro (Emop) diz que todas as obras na instituição devem ser finalizadas até abril, o que inclui ainda o reforço estrutural do prédio anexo e a cobertura da quadra. Sobre o muro, a entidade estadual não se pronunciou.
Na unidade escolar, enquanto as melhorias são realizadas, alunos ficam incomodados pela decisão tomada para que as aulas pudessem se iniciar: O colégio colocou as aulas do 1º ano do Ensino Médio em um dia e aulas para o 2º e 3º anos em outro. A modificação neste início de ano letivo foi motivada pela reforma do segundo andar do prédio anexo.
A diretora geral do Colégio Estadual Dom Pedro II, Maria Teresa de Castro Loureiro, explicou que hoje é o último dia do esquema especial de aulas. A partir de amanhã a escola volta a funcionar com todo o Ensino Médio. O prédio anexo está em obras para a proteção das pilastras e o rebaixamento do teto. As intervenções foram necessárias após a instalação da quadra esportiva na cobertura.  
A mudança no trânsito do Bosque do Imperador só valerá enquanto a obra estiver sendo realizada na escola. Após a obra, o trânsito no local vai voltar ao normal, informou a Companhia Petropolitana de Trânsito e Transporte (CPTrans). Enquanto isso, muitos usuários acabam sofrendo com as más condições da nova parada de ônibus, sem abrigo. Nos dias de chuva, pessoas como Paula Batista de Almeida acabam saindo prejudicadas. Ela é moradora do Quissamã e na tarde de ontem esperava o ônibus com sacolas pesadas, sob uma chuva fina.

Corte no orçamento da União afeta cursinhos

Tribuna de Petrópolis - 16/02/2011

Apesar das más notícias, Dalton Soares diz que está otimista com o mercado
Desde o anúncio do corte de R$ 50 bilhões do orçamento federal, no dia 9 de fevereiro, muitos brasileiros que pretendem buscar uma vaga nos concorridos concursos públicos ficaram um pouco confusos com a situação. A suspensão dos concursos faz parte do pacote de ajuste dos gastos do governo Dilma Rousseff, mas especialistas de todo o país garantem que esse corte não afetará as provas previstas para este ano, principalmente pela necessidade de captação de novos servidores.
Em Petrópolis, os cursos preparatórios permanecem otimistas. O curso Atual transferiu o início das aulas para março e terá turmas de manhã e à noite, durante a semana, e aos sábados. Um dos motivos para não se alarmar com o corte de verbas federais e suas possíveis consequências é a possibilidade do Tribunal de Contas da União (TCU) determinar que os terceirizados sejam substituídos por concursados. Estima-se que 55 mil postos estejam ocupados mediante terceirização indevida no governo federal.
“Sofremos um impacto considerável, tivemos cerca de 5% de desistências, mas a maioria delas foi de alunos imediatistas, que querem obter logo aprovação nos concursos. Entretanto, com as informações obtidas e a nossa experiência, sabemos que é muito complicado o governo fazer muitos cortes, pois existe demanda do mercado. Fomos bem transparentes e instruímos as pessoas para que não caíssem em boatos”, explicou Dalton Soares Costa, coordenador do curso preparatório Atual.
O curso Atual tem turmas para provas ainda neste ano. Os concursos previstos são para a Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Tribunal Regional Eleitoral, Banco Central e Correios, que deve ser realizado ainda no primeiro semestre de 2011. Um órgão do governo gera grande expectativa para quem busca estabilidade, segurança e ótimo salário, principais metas dos concurseiros: o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) tem projeto para abrir 720 agências em todo o país. A área de segurança também deve ser estruturada por conta da Copa do Mundo (2014) e das Olimpíadas (2016).

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Fogo preocupa no Centro

Tribuna de Petrópolis - 15/02/2011

Limpeza em terreno acabou em problemas: homem ateou fogo no mato
Um pequeno incêndio assustou moradores e comerciantes de parte da Rua do Imperador na tarde de ontem. O fogo iniciou por volta das 15h e atingiu um trecho de mata na altura do número 234 da principal via do centro de Petrópolis. A área afetada fica ao lado de um grande estacionamento e de moradias antigas, com parte da construção em madeira, deixando preocupado quem reside na vizinhança. Segundo informações de quem viu o início do incidente, ele teria se iniciado após um homem limpar parte do local e atear fogo sobre um monte de mato. Os bombeiros contiveram as chamas cerca de uma hora depois.
“Quem colocou fogo mora aqui perto. Ele não pensou na própria vida e na dos vizinhos. Os funcionários do estacionamento rapidamente tiraram os carros que estavam em área próxima ao fogo. Foi uma atitude de muita irresponsabilidade”, disse um morador, que preferiu não se identificar.
Como informou o Grupamento de Proteção Ambiental, sub-unidade da Guarda Municipal e ligado à  Secretaria de Meio Ambiente, esse tipo de caso pode render penalidades ao infrator. Quando o responsável é conhecido, o GPA pode emitir um auto de infração ou aplicar multa. Da parte do Corpo de Bombeiros, o coronel Souza Viana disse que a corporação só faz perícia quando ocorre um grande incêndio. Nas outras situações, a competência é municipal.

Secretário municipal nega mudança de endereço da feira da Souza Franco

Tribuna de Petrópolis - 15/02/2011

Mudanças na feira livre apenas para garantir mais conforto aos compradores
A feira que há muitos anos está instalada na Rua Visconde de Souza Franco vai continuar naquela região por mais algum tempo, segundo garante Nélson Sabrá, secretário municipal de Ciência e Tecnologia, Desenvolvimento Econômico e Agricultura. A via tem recebido atenção especial da Prefeitura na parte do trânsito, com a implantação da Faixa Livre, e tem projetos para melhorar o conforto dos consumidores e as condições dos feirantes.
“A feira não vai ser removida da Souza Franco. Existem, no momento, estudos que objetivam mais comodidade aos fregueses. Desde 2009, estamos avaliando outras possibilidades. Pensamos em utilizar o local onde funcionava o ABC, na Caldas Viana, mas o espaço é pequeno e o aluguel caro. Agora tem o terreno que fica logo após o Shopping Estação e pertence ao patrimônio da União. Estamos conversando, mas é uma alternativa”, disse Nélson Sabrá.
Cerca de 300 feirantes trabalham no local, que funciona como feira livre às terças-feiras e sábados. O setor gera aproximadamente 1.200 empregos diretos e movimenta R$ 1 milhão por semana. Ainda de acordo com Nélson Sabrá, qualquer medida a ser executada vai ouvir os feirantes e serão implantadas até o fim deste governo.
“No momento, a prioridade municipal é recuperar as áreas atingidas pelas chuvas. O governo precisa ter recursos quando tomar uma decisão para a área. É um cruzamento de valores e ideias, mas agora temos outras prioridades”, finalizou Sabrá.
A Rua  Visconde de Souza Franco passou por mudanças no sentido Centro. Para implantar a faixa seletiva para os ônibus, foi preciso retirar os veículos que estacionavam irregularmente nos dois lados da via, afunilando o tráfego de veículos de passeio e de ônibus com a ocorrência de congestionamentos diários, como explicou a Companhia Petropolitana de Trânsito e Transportes (CPTrans) na ocasião.

Obras provocam mudanças no trânsito no Bosque do Imperador

Tribuna de Petrópolis - 15/02/2011

Segundo informações do governo, a previsão é de que a obra seja concluída rapidamente e o trânsito liberado
Obras para a construção de um novo muro no Colégio Estadual Dom Pedro II provocaram mudanças no trânsito no Bosque do Imperador. Ontem, com o início das obras e a consequente impossibilidade da permanência dos pontos de ônibus naquele lado da via, os coletivos passam a fazer parada na calçada da praça, onde os passageiros não poderão contar com abrigos. De acordo com nota da Companhia Petropolitana de Trânsito e Transporte (CPTrans), divulgada na última sexta-feira, o período de obras é curto, um mês, para poder instalar um abrigo temporário.
“Para nós é muito ruim, ficamos expostos ao sol e à chuva. Estava no fim da fila, mas para pegar um lugar sentado é preciso ficar aqui na frente. Se essa obra for para melhorar, já é válida”, disse Cirlene Palácio, moradora do Loteamento Samambaia.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

IHP celebra centenário do monumento de D. Pedro II

Tribuna de Petrópolis - 13/02/2011


A estátua de Dom Pedro II completou 100 anos no dia 05/02

Na última semana foi comemorado o centenário de inauguração do monumento a Dom Pedro II no jardim da Praça Dom Pedro. Desde a primeira reunião até a apresentação da obra foram pouco mais de seis anos de trabalhos. A estátua em bronze homenageia o monarca, que deu nome à cidade, sentado em sua cadeira imperial. No dia festivo, 5 de fevereiro de 1911, estiveram presentes figuras ilustres da sociedade brasileira na época, entre eles o presidente da República, Marechal Hermes Rodrigues da Fonseca, que dois anos depois se casou com a caricaturista petropolitana Nair de Tefé.
A Praça Dom Pedro está localizada no coração do Centro Histórico. Sua característica mais marcante é a estátua com seus dois metros de altura. Na base, em granito, está a inscrição de nascimento e morte do homenageado: 2 de dezembro de 1825 e 5 de dezembro de 1891. Todo o Conjunto Urbano-Paisagístico da praça é tombado pela Prefeitura. A estátua em questão foi a primeira a ser erguida no Brasil em homenagem a D. Pedro II. 
A imagem  é esculpida em granito e bronze, retratando o imperador em pose pensativa em uma poltrona sobre livros. A obra é resultado do trabalho do escultor francês Jean Magrou. A praça já se chamou Imperador e D. Pedro de Alcântara. A última denominação, dada após a Proclamação da República, não agradou a população e algum tempo depois o local foi renomeado como Praça Dom Pedro.
“Em 1904 foi criada uma comissão para organizar homenagem à Família Imperial. Havia se passado 15 anos da Proclamação da República, mas ainda era forte o apelo da monarquia, tanto que nas eleições presidenciais de 1906, a Princesa Isabel recebeu votos contra o candidato único Afonso Pena. O movimento que fez surgir o monumento era uma clara demonstração política e tinha como objetivo reabilitar a imagem da Família Imperial”, explica a historiadora Fátima Argon, que falará sobre o tema amanhã, dia 14, em evento promovido pelo Instituto Histórico para celebrar o centenário do monumento. A palestra Monumento de D. Pedro II – Arte, Memória e Política será às 18h30, na Sala Multimídia do Museu. 
A comissão teve um papel fundamental desempenhado por comerciantes petropolitanos e membros da imprensa, tendo se destacado as figuras do Conde Affonso Celso, jornalista que publicou vários artigos sobre o tema no Jornal do Brasil, e Artur Alves Barbosa, diretor da Tribuna de Petrópolis. A Tribuna, de acordo com Fátima Argon, estabelecia o vínculo entre a comissão e o povo. Um auxílio relevante foi feito com uma lista que correu a cidade em busca de fundos para o projeto.
O francês Jean Magrou (1869 – 1945) foi o autor da maquete vencedora num concurso popular. Entre várias representações esta foi a escolhida. Ele foi um dos maiores artistas do século XX. O francês esculpiu também, em mármore de Carrara, a estátua de 2,80m do patrono da cidade e da monarquia, São Pedro de Alcântara, que se encontra no altar da Catedral, e as peças que adornam os túmulos de D. Pedro II e da Imperatriz Teresa Cristina na mesma igreja.
A inauguração deveria ser feita em dezembro, para aproveitar as efemérides de nascimento e morte do imperador, mas a obra encontrou problemas para a liberação na alfândega. Na inauguração, às 15 horas do dia 5 de fevereiro de 1911, além do presidente Marechal Hermes, estiveram também presentes José Manuel Pando Solares, ex-presidente da Bolívia; o Barão do Rio Branco, ministro das relações exteriores; o Almirante Marques Leão, então ministro da Marinha; outras autoridades e cerca de três mil pessoas.

Rua Paulo Barbosa pode ser remodelada

Tribuna de Petrópolis - 13/02/2011

A Rua Paulo Barbosa deve passar por uma grande transformação ainda neste ano. Primeiramente será uma das vias do Centro Histórico que receberá o projeto Faixa Livre, que tem como objetivo dar mais agilidade ao trânsito da cidade. Está em estudo também, pela secretaria de Planejamento e Urbanismo, o plano de remodelamento da rua. A obra, ainda em análise, vai beneficiar comerciantes, moradores e pedestres, fazendo com que as pessoas tenham um espaço melhor organizado.
Depois de realizar as modificações na Rua Souza Franco, a CPTrans (Companhia Petropolitana de Trânsito e Transporte) vai implantar a faixa seletiva nas ruas Paulo Barbosa e Washington Luís, preparando a cidade para o novo sistema de ônibus que irá funcionar após a licitação para o transporte coletivo. Alguns comerciantes querem conhecer o projeto para saber quais os benefícios que terão com as novas medidas na Paulo Barbosa.
“Aqui em frente à loja é difícil organizar a entrada de mercadorias, pois os caminhões são grandes. O problema maior é que outros caminhões param na Paulo Barbosa e fazem a carga e descarga para comércios de ruas adjacentes e atrapalham o trânsito. Acho que a situação ficará estável. É esperar para ver o resultado”, disse José Renato Gorni, do Terê Frutas.
O posicionamento dos veículos na Rua Paulo Barbosa ficará assim: os coletivos urbanos continuam estacionados na faixa mais à direita, a faixa central está reservada como pista exclusiva para os coletivos, outras duas faixas mais à esquerda são destinadas aos outros veículos e ao longo do lado ímpar os veículos vão deixar de parar de forma perpendicular e vão passar a ficar paralelos à via.
A CPTrans informa que a priorização dos ônibus é importante nesse momento em que está sendo finalizado o processo para abertura de nova concessão. As faixas seletivas dão mais agilidade ao percurso dos ônibus. Exemplo disso é a Rua Souza Franco, que após a implantação da faixa seletiva reduziu em 50% o tempo de viagem das linhas que tem a via como itinerário. A faixa seletiva na Rua Paulo Barbosa, onde atualmente trafegam uma média de 510 veículos/hora, vai ordenar o trânsito no local e agilizar o trânsito na Rua do Imperador.


Prefeitura esclarece mudanças na Silva Jardim

Segundo a assessoria da Prefeitura, entre as intervenções para a melhoria do trânsito está a mão dupla da Rua Silva Jardim. Para que a mudança ocorresse era necessário que antes retornasse a mão dupla na Avenida Ipiranga, que absorveu 100 mil veículos por dia reduzindo o trânsito em outras vias, inclusive na Rua Silva Jardim. A medida vai facilitar o acesso dos moradores da própria via, além de beneficiar motoristas de táxis e moradores de regiões próximas, como Quissamã e Estrada da Saudade.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Fogo destrói imóvel no Cascatinha

Tribuna de Petrópolis - 12/02/2011

Uma casa nos fundos do terreno de número 493 da Rua Pedro Elmer, em Cascatinha, pegou fogo na tarde de ontem, por volta das 16h. O acesso à casa se dava pela Rua Spartaco Banal. Vizinhos ainda conseguiram retirar um botijão de gás antes que o fogo se alastrasse. A moradia era habitada por mãe e filho, que no momento da ocorrência estavam trabalhando em locais próximos. A família perdeu quase tudo o que possuía e os bombeiros não sabem ao certo a causa do acidente.
“Eu considero o Marcelinho como o filho que eu não tive. Graças a Deus não aconteceu nada de mais grave. Os dois são ótimas pessoas e não poderia deixar de ajudar. Me assustei quando me chamaram, pois estava dormindo”, explicou Aristóteles Martins Gomes, vizinho de Marcelo Ferreira e Fátima, proprietários da habitação atingida. A família já estava no local há mais de 20 anos. Fátima trabalha como doméstica em uma casa que fica no mesmo terreno do seu domicílio. Marcelo trabalha em um bar. Existe a suspeita, não confirmada ainda pelos bombeiros, de que um aparelho para matar mosquitos pudesse ser a origem do incêndio.

Mudanças na Silva Jardim preocupam

Tribuna de Petrópolis - 12/02/2011

Segundo informações da CPTrans, a mão dupla na Silva Jardim faz parte do projeto para reduzir os pontos de retenção e dar mais fluidez ao trânsito
A Companhia Petropolitana de Trânsito e Transporte (CPTrans) anunciou nessa semana mais algumas mudanças no trânsito da cidade. Uma das próximas localidades a receber intervenções é a Rua Silva Jardim, com nova sinalização e, assim como a Avenida Ipiranga, vai voltar a ser mão dupla.
A mudança, entretanto, causa insatisfação em alguns moradores e comerciantes locais. A via registrava muitos acidentes quando era mão dupla e eles temem que esse índice volte a subir.
"A rua já está assim há cerca de três anos. Pra mim, quando era mão dupla, o movimento era melhor. Mais pessoas paravam no meu estabelecimento. Agora não sei qual será o resultado”, disse o comerciante Paulo Roberto. O governo municipal asfaltou a Silva Jardim e depois passou a via para mão única, mas, de acordo com os comerciantes, o fluxo de veículos era menor e esta alteração pode gerar um grande impacto agora. Edson Pavão, da Loop Loop Auto Peças, foi um dos que não aprovaram a medida: “A rua é muito estreita e a mão dupla vai colocar a vida das pessoas em risco com os acidentes que podem acontecer. Já tenho a loja aqui há mais de 20 anos e vou ser prejudicado também. Como vão parar os caminhões para descarregar materiais, e minhas sete motos de entrega? Sem falar nos clientes que não poderão estacionar”.
A CPTrans informou, através da assessoria de comunicação, que a mão dupla na Rua Silva Jardim faz parte do projeto Faixa Livre, que reduz os pontos de retenção e, consequentemente, dá mais fluidez ao trânsito.
A inversão de mão da Rua Silva Jardim tem como finalidade desafogar diretamente o trânsito das ruas Caldas Viana, Floriano Peixoto, Alberto Torres e Fonseca Ramos. Essa medida vai influenciar também nas áreas do cruzamento das ruas Souza Franco e Caldas Viana, Avenida Ipiranga, Rua Santos Dumont e Rua Benjamin Constant, melhorando o trânsito nessas vias.
O início do trabalho das equipes da CPTrans está previsto para o próximo mês, caso continue sem chover, já que a sinalização não pode ser realizada com a pista úmida ou molhada.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

PMs prendem homem que furtava lâmpadas e fios

Tribuna de Petrópolis - 11/02/2011

Dois homens foram presos na tarde de ontem, na Avenida Portugal, no Valparaíso, após abordagem da Polícia Militar. Os homens haviam saído do local em que trabalhavam, uma obra no Palácio Itaboraí, onde um deles furtou quatro lâmpadas e dois rolos de fio elétrico, e estavam caminhando em direção à localidade conhecida como Chapa 4. A operação foi conduzida pela equipe do Grupamento de Ações Táticas (GAT), dos sargentos Clemente e Everton.
O homem mais novo, de 23 anos, foi o responsável pelo furto e é morador do Valparaíso. O outro, de 30 anos, portava uma arma de calibre 38 e cinco munições, sendo residente do Espírito Santo, no Quitandinha. Ele tem passagens por porte de arma, assalto à mão armada e posse de entorpecente. O mais velho também está solto desde dezembro e vai ser indiciado por porte ilegal de arma. O suspeito disse também que estava sendo ameaçado, por isso adquiriu a arma. Ambos confessaram o crime e ficarão presos.

No Bairro da Glória, poste de madeira leva perigo

Tribuna de Petrópolis - 11/02/2011

Segundo moradores, o poste está cada vez mais inclinado: medo
Moradores do Bairro da Glória temem que uma tragédia possa acontecer no local se a manutenção de um antigo poste de madeira não for realizada. O poste em questão está situado na Rua Nossa Senhora da Glória, próximo ao número 991, na Servidão dos Amigos. A estrutura já existe há muitos anos e está comprometida, pois a base da coluna de madeira está danificada e a fiação está arriando, o que causa grande perigo às crianças que transitam pelo local.
“Um caminhão de uma loja de móveis arrastou os fios e a Ampla veio e consertou, mas o próprio caminhão da Ampla chegou a bater no poste. Agora a fiação já está baixando novamente e coloca a vida de todos em risco, principalmente das crianças que frequentam a lan house aqui na servidão”, disse Pedro Paulo Vasconcellos Machado, proprietário de uma serralheria na Servidão dos Amigos.
Em outros pontos da cidade também é possível encontrar postes de madeira que estão com o material desgastado e não suportam mais o peso da fiação elétrica. Pelas características da região e da rede elétrica, na maioria de sua extensão, estar em área de preservação ambiental, os postes de madeira são uma opção para não agredir visualmente o ambiente.
Os moradores dizem que a Ampla já fez serviços na localidade, mas há necessidade de novas intervenções. Segundo a concessionária de energia elétrica, estes postes ainda atendem à sua aplicabilidade técnica, informando também que irá enviar uma equipe à Rua Nossa Senhora da Glória.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Assoreamento de rios do Centro causa preocupação

Tribuna de Petrópolis - 10/02/2011

Nas proximidades de um dos principais e mais conhecidos pontos turísticos de Petrópolis, o Palácio de Cristal, o assoreamento no encontro dos rios Quitandinha e Piabanha causa preocupação em moradores. O acúmulo sedimentar de areia, terra e detritos no rio diminui a sua profundidade e causa a redução da correnteza, com prejuízo do equilíbrio ecológico e das condições ambientais. Há quem se preocupe com o perigo de enchentes no local.
O banco de areia se encontra muito perto da margem do rio, no entanto, segundo taxistas de um ponto próximo e pessoas da vizinhança, o assoreamento atrapalha o curso de água, mas até agora não houve enchente no local, com as chuvas dos últimos dois meses. “A correnteza não é forte o suficiente para mover o banco de areia e já tem um tempo que não fazem dragagem aqui”, disse o taxista Venceslau da Silva Filho.
“Faltou cerca de meio metro para o rio poder encher neste trecho assoreado, na chuva do fim de dezembro, que veio do Bingen. A Companhia de Desenvolvimento (Comdep) retirou lixo do rio, mas não lembro da última dragagem.”, declarou Márcio da Silva, porteiro de edifício em frente ao trecho assoreado.
Através de sua assessoria, a Secretaria de Obras informou que retirou aproximadamente 30 mil metros cúbicos de areia dos rios nos dois últimos anos. Em parceria com o Instituto Estadual do Ambiente (Inea), a secretaria vai realizar a dragagem do Piabanha, incluindo o trecho próximo ao Palácio de Cristal.

Eleitores ausentes correm risco de perder o título

Tribuna de Petrópolis - 10/02/2011

Levantamento da Justiça Eleitoral, divulgado ontem, revela que 1.472.174 eleitores brasileiros que não votaram e não justificaram a ausência nos três últimos pleitos podem ter o título cancelado. Para regularizar a situação, os eleitores têm até o dia 14 de abril para comparecer ao cartório eleitoral mais próximo. Em Petrópolis, cerca de 3400 pessoas correm o risco de ter o documento cancelado.
Desde ontem, os eleitores podem consultar os nomes e números de inscrição de quem foi identificado como faltoso às três últimas eleições, por meio de listagem fixada nos cartórios eleitorais. A partir do dia 14 de fevereiro, próxima segunda-feira, os cartórios já poderão resolver as questões.
Se um eleitor deixou de votar no primeiro e no segundo turno de uma mesma eleição, já serão contadas duas eleições para efeito de cancelamento. Para quem vota na Cidade Imperial, os três últimos turnos são: o segundo turno das eleições municipais de 2008 e os dois turnos de 2010.
A 29ª Zona Eleitoral, com cerca de 800 pessoas que ainda não regularizaram sua situação, é a que lidera as estatísticas em Petrópolis. Essa zona abrange o Alto da Serra (até o Meio da Serra), Morin, Caxambu, Centro, Estrada da Saudade (até Escola Municipal Jorge Amado), Quissamã, Floresta, Bairro Esperança, Ponte de Ferro e Itamarati (até o início da Bernardo Proença).
“A multa é de R$ 3,51 em cada turno faltoso. Ela deve ser retirada no cartório eleitoral, paga no Banco do Brasil e devolvida ao cartório para que o débito seja eliminado. Outra pessoa com os documentos de quem não justificou pode fazer a ação também”, explicou Octávio Vieira Baptista, chefe do cartório eleitoral de Petrópolis.
Está disponível no site do Tribunal Superior Eleitoral (www.tse.jus.br), na opção “Serviços ao Eleitor”, uma consulta que permite verificar se o título está sujeito a cancelamento. A atualização cadastral ocorre sempre no ano posterior às eleições.

Problemas para conseguir o cartão de gratuidade

Tribuna de Petrópolis - 10/02/2011

Estudantes da cidade encontram dificuldades para obter o cartão de gratuidade Setranscard Escolar. De acordo com mães de estudantes, um dos principais problemas é quando não é possível atestar o local onde mora com algum comprovante de residência. Uma delas, que não quis se identificar por medo de não conseguir fazer o cadastro de seu filho, lamentou o fato, principalmente por ser a primeira semana do ano letivo.
A mãe de Guilherme disse que não pôde fazer a carteirinha porque não tinha o seu nome em um comprovante de residência. O documento que ela apresentou tinha o nome da sua mãe, proprietária do imóvel, e assim ela não conseguiu cadastrar o filho. Agora, a mãe dela deve comparecer ao Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários de Petrópolis (Setranspetro) para uma nova tentativa.
“Moramos longe do centro da cidade e temos que enfrentar toda essa burocracia para fazer a carteirinha. Pela lei, o passe escolar é direito de todos e meu filho necessita dela, pois a escola é longe de casa. Quem estuda em escola pública tem esse direito. Além disso, apresentei tudo o que pediram”, disse a mãe.
A mãe de um outro menino, que tem 12 anos e está se mudando para a Escola Municipal Dr. Rubens de Castro Bomtempo, no Vila Felipe, também reclamou por não poder usar a gratuidade nessa primeira semana do ano letivo. No dia 4 de fevereiro, ela conseguiu a vaga no colégio e, como só receberia o cartão de gratuidade para seu filho no prazo mínimo de 7 dias, obteve uma declaração da instituição. Esta declaração daria direito à viagem gratuita nos ônibus da cidade, mas o motorista não aceitou. Na Setranspetro, foi informada de que os condutores de transporte coletivo não são obrigados a aceitar a declaração.
O Setranspetro informou que para o estudante da rede pública realizar o cadastro e ter direito ao cartão de gratuidade é necessário obedecer a algumas regras estabelecidas por lei. Sendo assim, é preciso que o formulário de cadastramento esteja devidamente preenchido, assinado e carimbado pela instituição de ensino para comprovação de matrícula na rede, além de outros documentos.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

União de forças para manter alunos nas salas de aula

Tribuna de Petrópolis - 09/02/2011

O ano letivo para a rede municipal de ensino se iniciou ontem e uma entidade em especial combate a evasão escolar: o Conselho Tutelar. Ele foi criado para zelar pelos direitos das crianças e adolescentes e tem entre as suas atribuições a fiscalização da frequência escolar através da Ficha de Comunicação do Aluno Infrequente (Ficai), que é enviada pelas escolas públicas ao conselho, para que este tome as medidas cabíveis.
Infrequência escolar é a ausência injustificada da criança ou adolescente na escola. Os motivos de doença não correspondem a tal situação. O Conselho Tutelar notifica os pais e depois os orienta, fazendo o acompanhamento. Quando for necessário, os casos são encaminhados ao Ministério Público e à Vara da Infância e Juventude, se for confirmada a negligência por parte dos responsáveis.
Segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em seu artigo 249, se “descumprir, dolosa ou culposamente, os deveres inerentes ao poder familiar ou decorrente de tutela ou guarda, bem assim determinação da autoridade judiciária ou conselho tutelar”, o responsável pode receber multa de três a 20 salários de referência, aplicando-se o dobro em caso de reincidência.
Já o artigo 129 trata das medidas aplicáveis aos pais ou responsáveis: “obrigação de matricular o filho ou pupilo e acompanhar sua frequência e aproveitamento escolar: VII – Advertência; VIII – perda da guarda; IX – destituição da tutela; X – suspensão   ou destituição do poder familiar”. De acordo com o conselheiro João Paulo de Freitas, em 2010 foram feitos 398 atendimentos de evasão escolar no Conselho Tutelar, que fica na Travessa Vereador Prudente Aguiar, 38 – Cobertura 216, no Edifício Vitrine, Centro. As denúncias podem ser feitas também através do telefone, pelo número 125.

Ronda Escolar atua em todo o município

A criação do grupamento de Ronda Escolar, que coíbe irregularidades e oferece mais segurança a pais e estudantes nas portas das escolas do município, é também responsável por mais segurança em Petrópolis. Em toda a cidade, no momento, três viaturas estão em operação. Uma circula no 4º e 5º distritos, abrangendo as áreas de Pedro do Rio, Posse e Brejal. Outra atua no 1º e 2º distritos, até Corrêas. A terceira viatura, doada à Guarda Municipal pelo condomínio Quinta do Lago, só age na região do Carangola.
“A Ronda Escolar toma conta não só de estudantes, mas de todos os menores. Ao encontrar um menor uniformizado que esteja fora da escola, a ronda faz contato com a direção do colégio para saber se a criança ou jovem está em horário de aula e encaminhamos até ao Conselho Tutelar, se for o caso. Agimos também em alguns pontos do Centro, como a Praça Dom Pedro e Praça Visconde de Mauá, onde costuma haver muitos menores reunidos”, disse  o comandante da Guarda Municipal, Eliel Silveira.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Dois mortos em acidentes de trânsito no fim de semana

Tribuna de Petrópolis - 08/02/2011

Acidentes no fim de semana deixaram duas vítimas fatais em Petrópolis. Na BR-040, por volta das 12h de domingo, um homem que pilotava uma moto bateu em um objeto fixo na rodovia e faleceu ainda no local, no Km 73 sentido Juiz de Fora - Rio. A vítima foi Mauro Fazollo da Paz, de 38 anos. O acidente foi visto por um amigo de Mauro, Anselmo José Guimarães da Silva. Os dois vieram do Rio de Janeiro e foram até o pedágio, na altura de Areal. Na volta, Anselmo viu que Mauro não conseguiu fazer uma curva e bateu. A vítima havia comprado a moto no próprio domingo e, segundo o amigo, sabia pilotar bem.
Em Corrêas, um jovem morreu atropelado também nesse domingo. A vítima foi Harrysson Estabel Barreto Maduro, de apenas 17 anos. Os familiares do jovem foram chamados ao Hospital Municipal Nelson de Sá Earp para saber de notícias e ao chegar no local foram comunicados da fatalidade. Não há registro de quem provocou o acidente.

Semáforos parados por duas horas

Tribuna de Petrópolis - 08/02/2011

Na tarde de ontem, semáforos ficaram cerca de 2 horas apagados no Centro Histórico, no cruzamento da Marechal Deodoro com a Rua do Imperador. Guardas municipais estiveram no local para auxiliar o trânsito, que ficou confuso por um tempo, pois ainda chovia, o que já faz o tráfego ficar mais lento no Centro. De acordo com Valmir Osório, engenheiro de tráfego, a causa dos problemas pode ter sido algum raio que tenha danificado o aparelho controlador dos sinais nesse trecho da Rua do Imperador.
“Ainda estamos detectando o problema. Uma placa pode ter sido queimada com algum raio da chuva que caiu no início da tarde de hoje (ontem)”, disse o engenheiro, que ainda explicou: “É uma falha na conexão, possivelmente causada por um defeito nas placas. As fases verde e vermelho estão conflitantes, e quando isso acontece entra o amarelo intermitente”, finalizou ele.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Vagas que impulsionam área do Centro

Tribuna de Petrópolis - 06/02/2011

Única área do Centro Histórico que dispõe de boa oferta de vagas para estacionamento, a região próxima do Terminal vê aumentar o movimento
O estacionamento parece ser um ótimo negócio para investimentos em Petrópolis. No início da Rua do Imperador e adjacências, 22 estacionamentos concentram quase 1.700 vagas a preços populares. De R$ 1,50 a R$ 3, é possível parar por até uma hora nesses locais. E o valor mais barato acaba atraindo um público diferente para esta parte do Centro da cidade.
A farta oferta de vagas mudou até mesmo a economia na região, considerada até recentemente o “lado pobre” do Centro.
“Hoje atendo todo tipo de público, de classes diferentes. Devido ao preço abusivo dos estacionamentos em outros locais, muita gente tem preferido consumir aqui ”, disse Marquinho, que tem um salão de beleza na Galeria Vila Rica, na Rua Paulo Barbosa.
As ruas do Imperador, Paulo Barbosa, Joaquim Moreira, Visconde de Souza Franco, Buenos Aires, Silva Jardim, Dr. Porciúncula, Benjamim Constant e Praça da Inconfidência são os locais de estacionamentos particulares nessa região do Centro. Em nove locais diferentes, a Paulo Barbosa contabiliza quase 900 vagas. Alguns prédios, no entanto, só funcionam provisoriamente como estacionamento, enquanto os proprietários decidem qual destino será dado à construção.
Entre gastos com aluguel de imóvel, encargos trabalhistas, IPTU, água, luz, telefone, honorários do contador e outros gastos, os estacionamentos podem ter uma despesa de até 14 mil reais. Uma parte da receita que acaba quitando as contas vem dos mensalistas, que efetuam o pagamento do mês em que ainda vão utilizar o serviço. Por isso, ao perder um cliente considerado fiel, os empresários se lamentam.
“Quando o cliente aluga uma vaga, ele quer sempre encontrá-la disponível. Sendo assim, após a UCP proibir a entrada de automóveis dos alunos, acabei ganhando novos clientes, mas perdi umas 20 vagas mensais de pessoas que encontravam o espaço cheio, principalmente à noite. Agora investimos no período. Qualquer pessoa paga R$ 5 de 7h às 12h30 e de 17h às 22h30”, declarou Dinester de Castro e Silva, dono de estacionamento.
Como o público universitário se constitui em boa parte dos clientes para o empresário, é preciso fazer um bom planejamento para que o período das férias não seja de prejuízos. “Eu me planejo para o período das férias. Os mensalistas pagam a minha despesa, já o rotativo e a lavagem dos carros é que dão lucro pra mim. Faço as contas certas para ficar tranquilo neste período”, completou Dinester.

Reurbanização em análise na Paulo Barbosa

Responsável pela construção de muitos imóveis pela cidade, integrantes da família Simão têm alguns destes estacionamentos entre seus bens, mesmo que os prédios possam receber um outro destino futuramente. Na Paulo Barbosa, número 130, uma loja está em negociação para se mudar para o local. Já no número 256 da mesma rua, o primeiro andar da construção deve receber 10 lojas. O governo planeja reestruturar a Paulo Barbosa, projeto que ainda está em estudo.
“Há um plano de remodelamento da Paulo Barbosa. Estamos acompanhando o projeto e esperamos uma posição da Prefeitura para que as negociações com as lojas possam seguir. Não seria interessante inaugurar os estabelecimentos antes da via passar por uma intervenção”, declarou Breno Simão, um dos sócios de empresa de construções.
O abrigo de ônibus Oscar Weinschenck, em frente à obra, deve ser realocado. A assessoria de comunicação do governo municipal informa que a Secretaria de Planejamento ainda está analisando a área. A secretaria ainda esclarece que já foi implantado o projeto de adaptação do abrigo de ônibus e afirma que a Paulo Barbosa precisa de uma organização melhor do espaço. A obra vai beneficiar comerciantes, moradores e pedestres, fazendo com que as pessoas tenham um ambiente visualmente melhor.

Nova tarifa de taxis

Tribuna de Petrópolis -  05/02/2011

Andar de táxi está mais caro. Decreto municipal do dia 17 de janeiro autorizou um reajuste de 10% na tabela. A bandeirada (taxa de utilização) subiu de R$ 3,30 para R$ 3,65. Nas ruas, o aumento desagradou muita gente. Tanto usuários quanto taxistas reclamam que o reajuste não ajuda, principalmente num momento em que a população sofre com as mudanças também na tarifa de ônibus.

Consumidor reclama de atendimento em empresa que oferece TV a cabo

Tribuna de Petrópolis - 05/02/2011

Empresa de TV a cabo da cidade recebe reclamações por mau atendimento. Alguns consumidores que utilizam os serviços da TechCable em Petrópolis se queixam dos problemas constantes e, de acordo com os reclamantes, a empresa parece tirar o telefone do gancho, pois é muito difícil estabelecer contato após a perda de sinal, tanto para a TV quanto para a internet, mas tudo isso não é documentado.
“O problema maior é que ninguém vem aqui reclamar oficialmente, para que possamos agir dentro da lei. O nosso processo é formal. Tenho ciência dos problemas através de conhecidos, mas é preciso registrar”, disse o coordenador do Procon em Petrópolis, Júlio Francisco Pesenti Ramos.
Segundo Júlio, o decreto 6.523/2008, que fixa normas gerais sobre o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) por telefone, estabelece que o atendimento deve ser feito no prazo máximo de 60 segundos, mesmo transferindo para outro setor de competência. A empresa também é obrigada a informar ao consumidor qual o problema que existe na prestação do serviço.
A TechCable informa que possui nobreak para os seus servidores. A empresa destaca também que nessa semana realmente teve problemas, com uma queda de luz no centro da cidade, e por isso o serviço demorou um pouco mais para ser restabelecido. Funcionários trabalham no atendimento até a meia-noite, por telefone, internet e na própria agência, todos os dias. São 31 veículos que trabalham na manutenção por toda a cidade e prestam atendimento em até 24 horas após a solicitação.

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Área próxima de escola municipal no Quitandinha é retrato do abandono

Tribuna de Petrópolis - 04/02/2011

Na área próxima da escola, o acúmulo de lixo, a criação de animais e um depósito de ferro-velho chamam a atenção: retrato de completo abandono
Na volta às aulas, os alunos da Escola Municipal Governador Marcello Alencar, no Quitandinha, vão encontrar os mesmos problemas denunciados por moradores e pais de alunos, no ano passado. Um depósito de ferro-velho funciona praticamente na porta da escola e o terreno é utilizado também como pasto para vacas e cabritos, o que pode colocar em risco a segurança e a saúde das crianças.
“Os animais ficam soltos e muito próximos das janelas das pessoas. São bodes e vacas que fazem suas necessidades e deixam um cheiro horrível. Antes, deixavam os bichos presos na grade da escola, e agora usam o terreno dela para criar os animais”, disse um morador que pediu para não ser identificado.
Na Rua Araruama, próximo à entrada da escola, existe um ferro-velho, com uma grande quantidade de sucata na beira da rua, que oferece perigo às crianças da comunidade. A via estreita tem ainda carros abandonados e serve como espaço de trabalho, o que incomoda moradores que têm a circulação dificultada.
Na esquina da Avenida Amaral Peixoto com a Rua Araruama, o lixo se acumula com o entulho e a estrutura de uma antiga banca de jornais que foi queimada.
A situação na qual se encontra o entorno da escola já incomodava há alguns meses, mas, de acordo com moradores, se agravou neste início de ano. A assessoria de comunicação da Prefeitura Municipal informa que já encaminhou a denúncia diretamente à Companhia de Desenvolvimento de Petrópolis (Comdep) para que a situação seja verificada e o serviço seja feito.